Blog

Blog

1 de fev de 2012

Titanic - a tragédia do século




T I T A N I C !  A tragédia de um Século

"Por essa razão, eu vos digo: toda sorte de pecado e blasfêmia será perdoada aos homens, mas a blasfêmia contra o Espírito jamais será perdoada"
(Mateus - Cap 12, Vs. 31)

O filme TITANIC, a recente superprodução de Hollywood, mostrou de forma alegórica, embora bastante realística, um dos mais cruéis e terríveis episódios do Século XX - a maior tragédia naval de todos os tempos!

No distante ano de 1912, finalmente foi concluído o maior navio do planeta, o RMS Titanic, orgulho da engenharia naval britânica e também considerado "A maior estrutura jamais feita pelo homem". Construído de acordo com as mais avançadas técnicas do Século, foi o primeiro transatlântico dotado de duplo casco. Pesando 42 MIL toneladas, este colosso media 300 metros de comprimento, 30 metros de altura desde a quilha até a ponte e mais outros trinta até o alto do mastro. Era a embarcação mais luxuosa do mundo, dotada de tudo aquilo que se poderia pensar em termos de infra-estrutura e lazer - desde ginásios, piscinas cobertas, banhos turcos, salões para diversos jogos e até mesmo um grande jardim!

Orgulho dos seus proprietários, a White Star Ships, aquele navio era, de fato, o que havia de mais avançado para época. Devido às modernas técnicas empregadas na sua construção, o Titanic era por eles considerado "insubmersível" - uma vez que mesmo que cinco dos seus gigantescos 16 compartimentos estanques fossem totalmente inundados ainda assim o colossal navio teoricamente não afundaria. Isso os levou a declarar presunçosamente que "NEM MESMO DEUS AFUNDARIA O TITANIC". Uma outra versão diz que tal declaração teria sido: "SÓ MESMO DEUS, PESSOALMENTE, SERIA CAPAZ DE AFUNDAR O TITANIC". O certo é que, de u'a maneira ou de outra, tal declaração profana e além de tudo blásfema foi mesmo feita. E pelo visto, tal arrogância lhes custou mesmo caro demais!

Na sua viagem inaugural, partindo de Southampton (Inglaterra) para Nova Iorque (EUA) em 10 de abril de 1912, o Titanic levava milhares de passageiros e tripulantes, 2200 ao todo - a pequena minoria deles na Primeira Classe - somente composta por milionários, aristocratas e as suas respectivas famílias, todos ávidos pelo prazer, pelo status e pela futilidade em, pagando altíssimos preços, desfrutar do privilégio de navegar pela primeira vez no maior e o mais luxuoso navio de todo o mundo. Na foto, os momentos do embarque no Titanic. A imensa maioria dos seus passageiros, contudo, não sabia que estava fazendo não só a última, como também aquela que seria a mais aterrorizante viagem das suas vidas!

O Titanic era uma celebridade mundial, a "febre" de 1912. Na foto, um antigo postal. A legenda diz: "Chergurgo - O Titanic deixando Cherburgo antes do seu naufrágio".

O luxo e a ostentação da Primeira Classe do Titanic era algo realmente indescritível. Seus imensos e riquíssimos salões eram dotados de todo o conforto, como igualmente de todas as regalias possíveis e imagináveis que o dinheiro poderia pagar. Na foto, um dos enormes salões da sua requintada Primeira Classe.

Por sua vez, a tripulação dos oficiais do Titanic foi escolhida com o que havia de melhor, mais competente e mais seleto na navegação marítima daqueles tempos. O comando estava entregue a Edward J. Smith (o terceiro, da esquerda para a direita, em baixo) - um velho lobo do mar com 32 de experiência no comando de grandes embarcações.

Contudo, toda essa enorme competência e a experiência de nada valeram, uma vez que no quarto dia daquele fatídica viagem, precisamente na escura noite de 14 de abril de 1912 e em plena região do Atlântico Norte, um imenso iceberg, vindo sabe-se lá de onde, foi abalroado pelo navio em estibordo, abrindo um profundo rasgo de mais de 100 metros de comprimento na lateral direita da colossal embarcação. Os cinco compartimentos, os quais teoricamente mesmo que inundados não permitiriam que o navio afundasse, foram de fato inundados e o naufrágio tornou-se inevitável! Na foto, memorando da Marinha Americana dando conta da colisão nas coordenadas relatadas. Como se pode ver, outros navios já tinham detectado a perigosa presença dos iceberg naquela área, algo que viria a ser estranhamente ignorado pelo comando do Titanic.

A ilustração nos mostra o tipo de iceberg com o qual o Titanic colidira. Foi um impacto extremamente violento e devido às características inusitadas do enorme bloco de gelo, não havia mesmo a menor chance de o navio permanecer flutuando! Podemos notar que ocorreram impactos tanto na lateral direita quando na parte inferior do Titanic, situada logo abaixo da linha d'água.

O que se seguiu foram momentos de horror, pânico e sobretudo perplexidade - tanto entre os membros da tripulação quanto entre os seus milhares de passageiros. A foto de um filme sobre o tema (acima) mostra uma simulação dos momentos que se seguiram, algum tempo depois da colisão. Todo mundo a bordo, em total atitude de pânico, tentando a todo custo alcançar os bote salva-vidas (somente disponíveis no convés superior) enquanto o navio perigosamente adernava e soçobrava.

Essa ilustração nos mostra o abandono da imensa embarcação. Os poucos que conseguiram sobreviver, isto é, os poucos que conseguiram lugares nos botes salva-vidas, viram estarrecidos o orgulho da engenharia humana naufragar de um só golpe, mergulhando de popa naquela escuridão atemorizante para as profundezas do oceano bravio e gélido! Essa ilustração, aliás, retrata de maneira muito realista o que de fato ocorreu: em desespero, alguns que não lograram ocupar os botes salva-vidas, reservados APENAS para as mulheres e crianças, se atiraram às águas bravias e gélidas. Muitos foram sugados para as profundezas devido ao colossal redemoinho causado pelo afundamento, ao passo que outros foram impiedosamente atacados pelos vorazes tubarões. E muitos outros literalmente se tornaram horrendas "estátuas de gelo" morrendo por hipotermia e ficando horrivelmente congelados, presos aos seus coletes salva-vidas, os quais e por sinal não eram em quantidades suficientes para todos os ocupantes do imenso transatlântico!

Acima, a reprodução de um jornal da época da tragédia. Diz a manchete: "1304 morrem quando o vapor Titanic afundou no meio do oceano. Somente 866 se salvaram dos 2170 a bordo do navio que colidiu com um iceberg". Porém, tais números, publicados às pressas, eram inexatos. Na verdade e lamentavelmente, o número de vítimas foi muito maior do que isso! Os mortos foram 1513. Outras estatísticas falam em 1517.

Outra manchete da época, também contendo números inexatos: "O Titanic afunda com 1800 pessoas a bordo. Somente 675, a maioria mulheres e crianças, salvos"

Essa outra machete, do sóbrio The New York Times, mas ainda com dados incorretos, diz: "Titanic afunda quatro horas depois de colidir com um iceberg. 866 sobreviventes resgatados pelo Carpathia, provavelmente 1250 pereceram; Ismay (guarde bem este nome, Prezado Visitante) salvo, senhora Astor talvez, nomes notáveis desaparecidos.

Este é o tal senhor J. Bruce Ismay, alto dirigente da White Star Ships, a empresa proprietária do Titanic e que deu o maior de todos os exemplos de covardia que se tem notícia na História. Viajante obviamente de Primeira e luxuosa classe, quando notou que o número de botes salva-vidas eram insuficientes para todas as pessoas que estavam a bordo abandonarem o navio, sendo somente destinados ao escape das mulheres e das crianças, furtivamente embarcou em um deles diante dos olhares de reprovação dos demais oficiais de bordo, do próprio Capitão Smith e também dos demais marinheiros e tripulantes que heroicamente deram as suas vidas para poupar os poucos sobreviventes. Ismay, anteriormente arrogante e esnobe, escondeu-se no fundo de um bote, assustado e tremendo de medo diante dos olhares igualmente de desprezo das mulheres e crianças a bordo! Sua atitude lamentavelmente criminosa e covarde, ocupando uma vaga preciosa, impediu que mais uma mulher, ou quem sabe uma criança, pudesse escapar com vida!

Este é o Carpathia, o navio que estava mais próximo da rota do Titanic e que, recebendo via telégrafo de bordo o seu SOS, alterou o rumo e partiu para o local da tragédia na escuridão perigosa da noite - e mesmo assim levando cerca de quatro horas para chegar ao ponto em questão. E se não fosse por essa heróica e abnegada atitude do seu comandante, o número de mortos seria infinitamente maior. E mesmo quando receberem o SOS do Titanic, os tripulantes do Carpathia pensaram tratar- se de um brincadeira, pois a arrogante lenda correra o mundo: segundo seus fabricantes e proprietários, o Titanic era "insubmersível e nem mesmo Deus o afundaria"!

Você verá agora uma seqüência de fotos tomadas pela tripulação do Carpathia, no momento em que avistavam e recolhiam os primeiros sobreviventes, espremidos nos poucos botes salva-vidas do Titanic. No local da tragédia, o espetáculo que se apresentava era simplesmente dantesco. Aqui, os primeiros botes são avistados.

Amontoados e assustados nos botes salva-vidas, mulheres e crianças). Apenas um marinheiro do Titanic estava presente na proa de cada um desses botes para operar o barco e assim guiar os sobreviventes.

Aqui, mais uma impressionante foto mostrando mulheres e crianças sobreviventes - e, logicamente, o que seria o senhor Ismay, embrulhado em um cobertor de modo a parecer mulher....!

Outro bote quando se aproximava do Carpathia.

Ainda restava, porém, uma etapa muito pior a vencer para ganhar a chance de sobreviver: exaustos, perplexos e chorando a perda dos seus entes queridos, as mulheres e as crianças deviam subir por uma longa e estreita escadaria de cordas para o convés do Carpathia!

Na foto, no convés do Carpathia, os heróicos porém privilegiados marinheiros do Titanic que conduziram os botes salva-vidas, salvando assim as suas próprias peles. Foram, aliás, os únicos de toda a tripulação a sobreviver! A chegada do senhor Ismay (uma figura notória e sempre presente na mídia da época) também causou forte repulsa aos tripulantes do Carpathia que, apesar do seu bizarro, ridículo e infeliz disfarce, logo o reconheceram.

Por oportuno e também paradoxal, veja como eram reduzidas e dotadas de pouca capacidade as unidades salva-vidas do colossal Titanic!

Dois dias após o naufrágio, isto é, em 16 de abril de 1912, esta correspondência, com o logotipo da White Star Line e assinado por um preposto do senhor Ismay, dirigia-se ao Departamento de Marinha em Londres....

... Solicitando confirmação quanto ao número de sobreviventes - segundo se lê: "675, a maioria mulheres e crianças". Mas teria sido isso mesmo?

Na foto, um desses botes salva-vidas do Titanic sendo recolhido ao convés do Carpathia. E você acha que apenas 13 barcos desse tipo teriam sido capazes de salvar 675 pessoas, como oficialmente divulgaram? De maneira alguma! Repare nas fotos acima as lotações de cada barco. Dignos de louvor, os tripulantes do Carpathia, heroicamente, também se fizeram ao mar nos seus botes durante a escuridão da noite, mas somente encontraram, em meio a um silêncio sepulcral e sinistro, uma multidão de cadáveres congelados, tal como um alucinante circo dos horrores, boiando em meio aos destroços mais diversos e também atados aos seus ineficazes coletes salva-vidas!

E aqui o Carpathia quando desembarcava no porto de Nova Iorque os botes do Titanic. Apenas TREZE foram resgatados. Um deles, o que seria o de número 14, se perdeu em alto mar - para sempre e com todos os ocupantes - não tendo chegado ao Carpathia. Possivelmente, deva ter retornado ao ponto de naufrágio em meio à escuridão, contrariando ordens do marinheiro que o comandava, talvez por pressão das mulheres a bordo que, horrorizadas com os milhares de gritos de socorro que partiam das águas escuras, obrigaram-no a retornar para tentar resgatar as pessoas que, desesperadas, se debatiam nas águas geladas em meio àquele cenário de horror e pânico. Quando esse bote possivelmente retornou, o violento assédio de centenas de náufragos que viam nele um elo de salvação pode tê-lo virado e, assim, causado mais mortes - precisamente as das várias mulheres e crianças que nele estavam! Em suma, o Titanic, pelo fato de ter sido considerado "insubmersível", tinha apenas 14 botes que evidente e criminosamente seriam, como de fato o foram, insuficientes para uma operação plena de abandono do navio..... Da mesma forma que o número de coletes salva-vidas! Confiando em demasia nos valores da tecnologia humana, seus construtores subestimaram o acaso e ainda por cima se deram ao luxo de desafiar o Criador de maneira blásfema, temerária e sobretudo petulante!

Outra manchete da época. "O desastre do Titanic. O Carpathia aporta em Nova Iorque. 230 (corpos, ou indivíduos) reportados a bordo. Sobreviventes entrevistados. Uma história sensacional". Porém, o que estes poucos sobreviventes revelaram, precisamente os bastidores da tragédia que se abateu sobre "a maior estrutura jamais feita pela homem e que nem mesmo Deus afundaria", são verdadeiramente ainda muito mais aterrorizantes do que se possa pensar. Partamos, então, para a impressionante seqüência dessa nossa página...




T I T A N I C ! - I I, Réquiem para os inocentes

"Torna-se mais pertinente examinar esses acontecimentos, não apenas para reexaminar uma zona possivelmente perigosa e procurar estabelecer normas de relativa segurança, mas também explorar, em maior profundidade, os mistérios existentes em nosso meio ambiente, pois áreas familiares, embora já superficialmente estudadas, nem sempre são aquilo que parecem"
(Charles Berlitz)

A tragédia do Titanic é uma lição que deve ficar para sempre registrada na História da nossa civilização. Uma dolorosa e trágica lição que deveria ser aprendida para que tal horror nunca mais venha a se repetir! A ilustração nos mostra o pavor da grande maioria que conseguiu atingir o convés superior e contudo não pôde se salvar devido ao número insuficiente de botes salva-vidas. Quando o imenso navio afundava, todos corriam em desespero para a proa, tentando inutilmente escapar por breves segundos da morte inevitavelmente próxima! Contudo, houve algo muito mais trágico e sobretudo ainda mais horrível do que isso...

... Os poucos sobreviventes, mulheres e crianças, e obviamente pertencentes à Primeira Classe do Titanic, além de trazerem a dor da perda dos seus maridos e filhos, levavam consigo um estigma ainda maior e muito mais doloroso.

E ainda por cima, uma dessas ex-requintadas senhoras recusou, no convés do Carpathia, um prato de sopa quente gentilmente oferecido por uma camareira. Ao ser consolada pela serviçal que lhe disse ter sido a tragédia uma vontade de Deus, limitou-se a responder com uma outra blasfêmia: - "Deus afundou, juntamente com o Titanic". Por sua vez, o espertíssimo senhor Ismay, já a salvo, segundo consta ficava horas, como que aparvalhado, debruçado na amurada do Carpathia apenas se lamentando pela perda do seu navio, balbuciando coisas como - " Todo aquele poder, toda aquela glória.... Escombros, somente escombros", pouco se importando assim com o grande número de vítimas daquela verdadeira catástrofe!

O colossal navio era dividido em três conveses: o superior, destinado à Primeira Classe; o intermediário, destinado aos passageiros de Segunda Classe; e finalmente o último, reservado à Terceira Classe. Na Primeira Classe viajava, cercada do maior luxo e ostentação, a mais fina flor da aristocracia da época: condes, condessas, artistas, empresários, milionários, enfim riquíssimas e perdulárias celebridades. Na foto de família, dois ilustres passageiros daquela Classe.

Na segunda classe, viajavam famílias intermediárias porém dotadas de um certo grau de riqueza que lhes permitia o luxo de navegar na obra-prima da engenharia naval. Muitos iam para os EUA a trabalho. Na foto, uma família negra daquela classe.

Finalmente, a Terceira Classe - a Classe, pode-se assim dizer, dos excluídos - composta por emigrantes extremamente pobres que iriam tentar a sorte, buscando trabalho nos EUA. Homens, mulheres e crianças eram altamente discriminados - de acordo com os rígidos padrões britânicos. Cada Classe era terminantemente proibida de freqüentar os conveses reservados às outras. Era tudo rigorosamente cercado. A ilustração acima nos mostra como viajavam os emigrantes daquela Classe no Titanic. Amontoados e verdadeiramente enjaulados, tal como animais! Quando o naufrágio era iminente, os marinheiros do Titanic receberam ordens para trancar A CADEADOS as poucas passagens e todas as saídas gradeadas da Terceira Classe, de modo que seus passageiros não pudessem alcançar os pouco botes salva-vidas que eram reservados ao convés superior - exatamente o da Primeira e privilegiada Classe! Dessa forma, a quase totalidade deles morreu aprisionada nos labirintos daqueles corredores. E só Deus sabe quantas inocentes crianças pereceram afogadas! Um pequeno grupo de homens conseguiu, porém, arrombar uma das grades e chegar ao convés superior, onde aliás, foi rechaçado a tiros por alguns membros mais radicais da tripulação!

Aqui, uma bizarra "estatística" dos passageiros salvos por categoria, que bem demonstra a discriminação. Pela ordem: "Homens da Segunda Classe; homens da Terceira Classe; homens da tripulação; homens da Primeira Classe; crianças da Terceira Classe; mulheres da Terceira Classe; mulheres da Segunda Classe; mulheres da tripulação; mulheres da Primeira Classe; crianças da Segunda Classe; e finalmente crianças da Primeira Classe". E você acredita mesmo nisso? Como apenas 14 botes salva-vidas poderiam ter dado conta de tudo isso se apenas poucas centenas dos privilegiados sobreviventes (da Primeira Classe, é claro) conseguiram alcançá-los?

Após o resgate dos que puderam ser salvos, começava uma missão ainda mais dolorosa: resgatar a imensa quantidade de cadáveres que boiava no oceano! Quando o Carpathia chegou a Nova Iorque com os poucos sobreviventes, vários navios foram despachados para o local da tragédia a fim de cumprir essa espinhosa missão. Um deles foi o Mackay-Bennett, cujos tripulantes são vistos na foto resgatando um corpo. Um daqueles traumatizados tripulantes assim declarou: - "Meu Deus, era horrível! Quando chegamos ao destino, até onde a vista podia alcançar, somente se viam o horror dos destroços e uma imensa quantidade de cadáveres que subiam e desciam como bolhas no mar gelado!".

Na foto, o convés do Mackay-Bennett repleto de cadáveres!

E muitos desses cadáveres não puderam ser trazidos à terra, devido ao alto grau de mutilação e decomposição. A maioria teve seus funerais realizados em alto mar. Os corpos que restaram eram embalsamados (foto) no próprio navio!

No porto, esses corpos eram acondicionados em caixões.

Aqui, uma visão macabra da grande quantidade desses caixões. Dos 1513 (ou 1517) mortos, apenas um pouco mais de 300 corpos puderam ser resgatados e enterrados! O restante perdeu-se para sempre nas profundezas do mar!

Ainda hoje, existe em um cemitério, situado em Halifax, Inglaterra, uma ala especial - exclusivamente reservada para os túmulos das vítimas do Titanic.

Aqui, uma visão geral dos túmulos desse cemitério...

... Onde essa solitária e comovente lápide diz: "Erigida em memória de uma criança desconhecida, cujos despojos foram resgatados no desastre do Titanic - 15 de abril de 1912".

A tragédia do Titanic, aliás, até hoje deixa as suas marcas. Na foto, recente e tomada no ano 2001, vemos uma equipe de peritos fazendo nesse cemitério a exumação de um desses cadáveres de modo a tentar a sua identificação através das modernas técnicas de comparação do DNA com membros da família.

Mas o que, além do iceberg e sob um outro ponto de vista, teria concorrido para a tragédia que ceifou uma enorme quantidade de vidas, até hoje trazendo uma dolorosa lembrança para a humanidade? O velho lobo do mar, o Capitão Smith, que comandava o Titanic, tinha vastos 32 anos de experiência em navegação. Pelo menos no momento da partida, estava em perfeitas condições mentais e físicas, alegre com aquela honra pois seria a sua última viagem, uma vez que pretendia se aposentar quando do término daquela missão. Apesar de ter recebido inúmeras comunicações telegráficas de outras embarcações que estavam nas imediações da sua rota, todas alertando sobre a perigosa presença dos icebergs naquela região do Atlântico Norte, simplesmente as ignorou. E ainda ordenou velocidade máxima à frente, apesar daqueles insistentes avisos! Quando ocorreu a violenta colisão a estibordo, parecia alheio à realidade. Mandou apurar os danos e trancou-se em sua cabine, não permitindo a imediata expedição do pedido de SOS, o que poderia ter permitido mais tempo para a aproximação do Carpathia, navio que chegou em socorro quando, porém, já era tarde demais. Não permitiu a imediata ocupação dos botes salva-vidas (o que dizem ter sido feito posteriormente pela tripulação e, segundo consta, à sua revelia) e ainda ordenou que a orquestra de bordo fosse para o convés e tocasse para "distrair os passageiros" - principalmente a música intitulada "Mais Perto de Ti Meu Deus". Smith morreu perplexo e resignadamente, trancado na sua cabine, de onde, por sinal, não saiu um momento sequer para acompanhar todos aqueles dramas e os horrores que se desenrolavam nos conveses. Como explicar tal inusitado e além de tudo atípico comportamento de um comandante? Que força sinistra teria se apoderado da sua mente, levando o imenso navio e quase todos os que nele estavam à destruição e também à morte?

Mas o colosso chamado Titanic não levava apenas passageiros. Na foto, tomada antes da sua partida em Southampton, vemos o embarque da sua grande quantidade de cargas. Oficialmente, 40 toneladas de batatas, 7 mil sacos de café; 12 mil garrafas de água mineral ; 35 mil ovos, e TAMBÉM...

... Aquela considerada a mais valiosa de todas: o sarcófago contendo uma múmia egípcia que Lord Canterville levava da Inglaterra para Nova Iorque (ilustração da época, acima)! Muito embora alguns setores mal informados neguem a sua presença no Titanic, devido ao alto valor seu transporte foi feito em segredo, tendo sido aquela preciosa relíquia guardada em um compartimento especial..... Situado exatamente logo atrás da ponte de comando daquele grande navio!!! Essa múmia, cuidadosamente preservada, era pertencente a uma alta sacerdotiza e profetisa que viveu durante o reinado de Akhenaton, faraó da XVIII Dinastia e a sua tumba secreta foi encontrada em Tel El-Amarna, em um pequeno templo dedicado, segundo as inscrições, à "Profetisa do Templo dos Olhos". Equipada com os usuais amuletos e artefatos, seu valor foi considerado inestimável. Um desses amuletos, todavia, colocado atrás da cabeça da múmia, dizia: "Despertarás da letargia em que dormes e o teu olhar triunfará contra tudo aquilo que fizerem contra ti". Trata-se de algo realmente assustador, principalmente se levarmos em conta que muitos arqueólogos, além de inúmeros cientistas, demonstraram claros sinais de perturbações psíquicas e mentais, além de vitimados pelo câncer generalizado, quando lidaram com certas múmias egípcias! E além do mais, essa valiosa, porém perigosa, múmia tinha um histórico nada recomendável de sinistros antecedentes...

Essa é a foto do tal valioso e raro sarcófago. Já abordamos este assunto em uma página bem anterior deste Site, porém não custa nada recordar: essa múmia esteve em exposição no Museu Britânico, sob os cuidados do seu renomado e então curador, Sir E. A. Wallis Budge - uma das maiores autoridades mundiais em Egiptologia. E parecia mesmo que ela carregava consigo uma sinistra e apavorante maldição! Nessa ocasião, coisas estranhas aconteciam por lá. Não somente os funcionários do Museu, como também os visitantes da exposição egípcia, eram "atacados" em meio às silenciosas dependências daquela instituição por forças estranhas: horríveis arrepios; a sensação de estarem sendo acompanhados; sons de gemidos de mulher; além de uma presença invisível que parecia "respirar" pesadamente um hálito gelado sobre as suas apavoradas vítimas! Até mesmo o próprio Wallis Budge foi atacado! A causa do problema foi detectada como sendo um apavorante som de "batidas", sempre acompanhado por enregelantes gemidos, que evidentemente provinham da múmia acomodada no interior do tal sarcófago maldito! O repórter de um jornal, sabendo dessas estranhas ocorrências, tirou algumas fotos do sarcófago e quando as revelou aparecia bem ao seu lado um rosto diáfano, flutuando no ar, de uma criatura como que vinda do pior dos pesadelos e do mais atemorizante dos filmes de terror! Alucinado, o tal fotógrafo cometeu o suicídio desferindo um tiro na cabeça, quando retornou à sua casa. Os empregados do Museu pediam demissão, pois até mesmo vários objetos da Sala Egípcia se deslocavam sozinhos pelo ar e os atingiam! Jogaram-no então ao ostracismo, nos porões onde teoricamente não poderia mais causar danos. Porém, todos os funcionários que o tocaram durante o transporte morreram logo a seguir, vítimas dos mais estranhos e inexplicáveis acidentes! Budge, intrigado, pois o problema continuava, apurou que ele fora trazido à Inglaterra nos tempos da Rainha Vitória por um grupo de turistas, que o compraram no Egito, pretendendo revendê-lo com enormes lucros. Um deles enlouqueceu, ainda no Egito, vagando em direção ao deserto e nunca mais foi encontrado. Outro teve um braço amputado e o terceiro cometeu o suicídio. O quarto integrante do grupo levou-o para casa e as mesmas coisas que viriam a acontecer posteriormente no Museu Britânico se fizeram presentes naquela lar. Esoteristas e sensitivos examinaram o ambiente e logo descobriram a causa, recomendando que se livrasse daquela coisa o mais rapidamente possível antes que fosse tarde demais! Desesperado, o infeliz proprietário doou-o então àquela Instituição oficial. Mas TAMBÉM TODAS as dezessete pessoas que o transportaram para o Museu foram vítimas da maldição, encontrando a morte através de misteriosos acidentes e inexplicáveis suicídios! Em 1912, para se livrar definitivamente do espinhoso problema, o Museu vendeu-o por um preço bastante módico (na verdade um autêntico "presente de grego") a Lord Canterville que mais tarde o levaria para Nova Iorque justamente a bordo do malfadado Titanic, o colosso da engenharia naval britânica que faria a sua primeira, mas também a última viagem!

Essa foto do Titanic, tomada durante a sua partida em Southampton, nos mostra algo verdadeiramente intrigante e assustador. A ampliação, feita por pesquisadores norte-americanos, da "coisa" que estava bem na proa - lugar, aliás, onde o acesso era proibido - revela um espectro sinistro e que obviamente não estava na sua longa lista de passageiros!

E mesmo hoje, na escuridão assustadora do fundo do Oceano Atlântico, onde a 12.600 pés repousam os restos do Titanic, os robôs exploratórios (os únicos que conseguem chegar a essa enorme profundidade) fotografam coisas bastante estranhas. Há espectros sinistros, vagando sem rumo pelos enferrujados e tétricos restos mortais do enorme navio! Veja um deles, parecendo de mulher, banhado pela luz e situado bem ao fundo dessa surpreendente imagem!




T I T A N I C ! - I I I, o pouco que restou de uma insolente blasfêmia

"Estes são os rochedos ocultos sob a água, nos vossos banquetes, banqueteando-se convosco, pastores que se apascentam a si mesmos sem temor; nuvens sem água, levadas pelos ventos; árvores no outono, mas infrutíferas, duas vezes mortas, desarraigadas; ondas bravias do mar, que espumam as suas próprias causas para torpezas; estrelas sem rumo fixo, para as quais está reservado para sempre o negrume da escuridão"

(Epístola de Judas - Vs. 12/13)


Sim, a 12.600 pés de profundidade repousam agora e para sempre os restos silenciosos de um arrogante exemplar do orgulho tecnológico humano. Na foto, tomada por modernos e sofisticados robôs de prospecção subaquática, vemos a ainda impressionante proa do Titanic.

Novamente aqui mostrada sob um novo ângulo.

Outra fantasmagórica visão daquela parte do colossal navio submerso!

Que por sinal é a mais explorada nessas prospecções, já que a violência do naufrágio foi tão grande que o Titanic literalmente partiu-se em dois, estando atualmente a sua outra metade situada a mais de 500 metros de distância no fundo do oceano e em local absolutamente inacessível! E somente em 1986 pôde ser localizado o exato local onde repousam os destroços da tragédia, tendo começado a partir daí várias incursões a essa região.

Aqui, uma das enormes caldeiras a vapor do Titanic. Logo após a colisão com o iceberg, todas elas tiveram que ser apagadas às pressas pelos seus operadores, uma vez que a água começava a atingi-las podendo provocar uma enorme explosão, cujas conseqüências teriam sido ainda mais trágicas. Sabe-se que a maioria dos operadores das caldeiras morreu queimada durante essa operação de emergência.

Aqui, outros detalhes da maquinária do Titanic.

Nesta foto, podemos ver o centro de controle de velocidades - a roda de comando da embarcação, ainda muito bem conservada.

Nesta imagem, o robô subaquático inspeciona o imenso leme do Titanic.

Outra impressionante visão daqueles destroços, mostrando um passadiço e as suas janelas. Aqui ficava a sala dos oficiais do Titanic.

E daquilo que restou dos luxuosos salões da Primeira Classe, somente as ricas luminárias que iluminavam os bailes e as luxuosas recepções ainda pendem dos tetos semi-destruídos!

E os braços mecânicos dos robôs ainda conseguem trazer à superfície os restos quase intactos de um passado luxuoso porém trágico. À esquerda, um bem trabalhado artefato para chá de porcelana, provavelmente tendo pertencido a um rico passageiro e, ao seu lado, um pote cerâmico com o símbolo da White Star Lines.

Mas há também os espectros que rondam aquela paisagem aterrorizante, onde mais de 1500 seres humanos perderam as vidas de maneira inesperada e trágica. E freqüentemente os robôs submarinos conseguem captá-los (foto, e negativo à direita)! Dizem que as pessoas mortas de maneira violenta, não se apercebem ou não se conformariam com isso, e os seus espectros ficariam vagando a esmo pelos locais em que ocorreram os acidentes que as vitimaram. Pode ser que sim, pode ser que não. Ninguém é seguramente capaz de afirmar nada - a favor, ou sequer em contrário. Muito pouca coisa porém, ou talvez mesmo NADA, a nossa Ciência sabe a respeito desses fenômenos ditos Paranormais. Mas que existe algo bem estranho envolvendo esses mistérios, todas as indiscutíveis evidências provam que, de fato, EXISTE!

Ainda aqui, na proa submersa do Titanic, podemos ver a súbita imagem de um rosto de mulher. Ao seu lado, uma estranha figura parece estar debruçada na grade de proteção - de certa forma lembrando o espectro negro de uma criança, ou?!...

Veja-o mais perto! Não é mesmo chocante? E não esqueçamos que foi justamente para este lugar amaldiçoado que centenas de pessoas em desespero correram na vã tentativa de escapar da morte inevitável e próxima, quando o navio embicou e começava a afundar de popa, inclinando-se violentamente. Pois é, quando se renega Deus, o "outro" sempre toma conta!

E talvez tenha sido mesmo por causa dessas coisas insólitas que ocorrem, e ainda vagam pelos destroços malditos do Titanic, que o renomado e além de tudo excelente diretor de cinema James Cameron - autor dos notáveis filmes da série O EXTERMINADOR DO FUTURO - (na foto, apontando o mapa e com membros da sua equipe), está rodando um filme intitulado GHOST OF ABYSS ("Os Fantasmas do Abismo"), precisamente tendo como tema e locação o naufágio do Titanic e os seus destroços submersos. (FOTO: © Buena Vista Productions)

Cameron e a sua equipe estão há bastante tempo filmando esses destroços, utilizando para tanto um sofisticado robô exploratório, denominado MIR. (FOTO: © Buena Vista Productions)

Aqui vemos o MIR explorando, mediante os seus potentes fachos de luz, a famosa proa do Titanic. (FOTO: © Buena Vista Productions)

Aqui, o MIR percorre a estrutura daquele que foi um dia o colosso "insubmersível" dos mares. (FOTO: © Buena Vista Productions)

E até mesmo consegue penetrar mais profundamente nas suas lúgubres e assustadoras entranhas! (FOTO: © Buena Vista Productions)

Outra sensacional tomada do MIR, mostrando parte dos enormes motores do Titanic. (FOTO: © Buena Vista Productions)

Muitas surpresas certamente advirão dessa exploração detalhada, realizada pela equipe de Cameron. Trata-se de um filme que promete, de fato e como todas as suas obras, ser imperdível! É muito possível que nele sejam mostradas e também reveladas certas coisas além da imaginação! (FOTO: © Buena Vista Productions)

E o MIR ainda consegue penetrar nos outrora luxuosos salões e camarotes, mostrando o requintado mobiliário do Titanic, aparentemente em muito bom estado, apesar de submerso há tantas décadas! Sim, são exemplos que não devem jamais ser esquecidos. Aqui, onde no distante ano de 1912 ocorreram tantos momentos felizes, como também tantos sofrimentos e dramas; onde pessoas viveram, se amaram e também se odiaram; onde imperaram o luxo, a vaidade e e a ostentação, ao lado da miséria, do sofrimento e da humilhação dos que estavam confinados na Terceira Classe; onde muitos sonhos nasceram, prosperaram e subitamente foram interrompidos; nada mais restou a não ser o silêncio sepulcral, eterno, das profundezas misteriosas e insondáveis do Sagrado Mar. Tudo passa! Aliás, já está mesmo escrito: "O homem é pó e ao pó retornará". Mas também é essencialmente ÁGUA, a Sagrada Mãe da Natureza à qual filho algum poderá renunciar. E por vezes, quem sabe, a Ela um dia clamando pelos seus direitos esquecidos, o homem poderá inesperadamente vir a retornar!