Blog

Blog

29 de jan de 2013

Radarnet - Viajem pelo espaço



Natureza estonteante: vídeo incrível une floresta, raios, estrelas, meteoros e arco-íris





Poucos vídeos são tão impressionantes quanto esse. Muitos timelapses ficam incríveis, mas este, em especial, é de tirar o fôlego por conta de sua combinação extravagante.

Fotografia time-lapse é um processo cinematográfico em que cada quadro (frame) de filme é feito a uma velocidade muito mais lenta do que aquela em que o filme será reproduzido.

Ou seja, quando visto a uma velocidade normal, o tempo parece correr mais depressa e “saltar”. Vídeos timelapses são feitos, então, a partir de fotografias feitas a intervalos regulares de tempo, mostrando um cenário em um “tempo acelerado”.
Esse timelapse, chamado de “Ascendance” (“ascendência”, em português), foi feito pelo cineasta Henry Jun Wah Lee. Filmado em agosto, durante o pico da chuva de meteoros Perseidas, o filme mistura a Via Láctea com uma paisagem linda, raios, arco-íris, pôr do sol, etc.

A chuva de meteoros Perseidas vem sendo observada há pelo menos 2.000 anos. Ela é formada pela passagem do cometa Swift-Turtle, que orbita o sol a cada 133 anos. Tradicionalmente, é no mês de agosto que a Terra passa no interior da nuvem de detritos deixada pelo cometa que, formada por fragmentos de gelo e poeira, se choca com a atmosfera terrestre e se desintegra no que parecem explosões de luz.

Henry Lee havia ido ao Parque Nacional de Joshua Tree (Joshua Tree National Park), na Califórnia (EUA), uma zona desértica nomeada por uma espécie de cacto denominada “árvore de Joshua” ou “árvore de Josué”, para assistir ao fenômeno.

“Ascendance é um tributo ao poder imprevisível e à beleza da natureza. Eu saí para filmar a chuva de meteoros Perseidas, mas encontrei muito mais. Quando você está lá fora, você nunca sabe ao certo o que a natureza nos reserva. Esteja sempre pronto para uma experiência mágica”, diz o cineasta.

De fato, a paisagem é cativante e faz a gente querer ir para a Califórnia. Uma antiga floresta, Ancient Bristlecone Pine Forest, também aparece no vídeo. Cuidado, pois assisti-lo pode ser o único incentivo que você precisava para marcar uma viagem.



Fantástico vídeo mostra como é voar por cima da Terra de noite





A Estação Espacial Internacional (EEI), que é soma de projetos das principais agências espaciais do mundo, é um laboratório espacial em movimento que dá 15 órbitas no planeta por dia. Atualmente, ela circula em uma altura pouco elevada (340 quilômetros da Terra), o que permitiu capturar imagens fantásticas, compiladas em um vídeo com pouco mais de dois minutos.

A câmera da EEI, que mostra um voo panorâmico feito sobre o planeta à noite, captou imagens com detalhamento impressionante. É possível observar claramente as luzes da cidade, além de fenômenos naturais como milhares de raios estourando em meio às nuvens, como flashes, ou a aurora boreal causada pelo vento solar e retratada em magníficos tons de verde próxima aos polos.

De vez em quando, as imagens recebem cortes porque o satélite se aproxima da metade da Terra iluminada pelo sol naquele momento, o que gera um clarão. No canto do vídeo, é possível observar também os paineis  solares da EEI. [NASA]




Espetacular vídeo da explosão de nave entrando na atmosfera






Este objeto explodindo está longe de ser um OVNI ou uma nave extraterrestre. É uma nave espacial terrena que você já viu aqui em fotos incríveis da aqui, quando o cargueiro Júlio Verne (Jules Verne) queimava na atmosfera. Agora veja este incrível vídeo que foi encontrado no site da NASA.

Dia 29 de setembro, ao reentrar na atmosfera ela produziu uma visão incrível, como uma chuva de meteoros com um bônus: uma grande explosão.
Uma equipe de cientistas da NASA filmou o evento do interior de um avião DC-8 a uma altitude de 11,3 km de altura a cerca de 145 km do caminho de entrada. Como a aeronave estava indo em direção ao caminho de entrada os fragmentos ainda estavam visíveis mesmo a 48km deles. O vídeo está tremido, mas é de se esperar, já que foi filmado de dentro de um avião.
A destruição em si começou a 76km de altura e produziu cerca de 600 fragmentos de 10 a 20 kg que cobriram uma grande área entre a Nova Zelândia e a Polinésia Francesa.

O ATV Júlio Verne de 6 toneladas estava com a reentrada destrutiva prevista depois de uma missão de seis meses de entraga de suprimeiros na Estação Espacial Internacional.
O vídeo original de 43mb pode ser baixado em alta resolução no formato Quick Time aqui



Viaje enquanto a atmosfera da Terra brilha no escuro 


Se você gosta de auroras, já deve ter visto algumas fotos postadas aqui no Hype, como de auroras boreais. Mas não são apenas elas que iluminam o nosso céu.







A nossa atmosfera brilha por conta própria, quando os átomos e moléculas são esquentados pelos raios ultravioleta. Quando essa reação acontece, novas moléculas são criadas, e luz é liberada.

Nesse vídeo fantástico, gravado pelo cientista Alex Rivest, podemos ver bem a maravilha que é esse fenômeno, que só pode ser visto durante a noite, já que de dia a luz do sol acaba mascarando o efeito.
Quanto às cores, a luz amarela é resultado da interação entre a radiação e átomos de sódio, que sobraram de meteoros partidos. A verde acontece pela reação entre oxigênio e nitrogênio, formando óxido nítrico. As luzes azuis são geradas pelas moléculas de oxigênio e as vermelhas pela combinação entre ozônio e hidrogênio.
Belíssimas imagens para assistir comendo um sanduíche no intervalo do trabalho, não? 



Vídeo: ouça a chuva de meteoros Perseidas se desintegrando na atmosfera






O vídeo abaixo, capturado pelo Radar de Vigilância Espacial da Força Aérea dos EUA, no Texas, mostra os “ecos” da chuva de meteoros Perseidas.
A chuva de meteoros Perseidas vem sendo observada há pelo menos 2.000 anos. Ela é formada com a passagem do cometa Swift-Turtle, o qual orbita o sol a cada 133 anos.

Uma chuva de meteoros é um evento astronômico no qual centenas ou milhares de meteoroides do tamanho de partículas de poeiras entram na atmosfera da Terra e quase que imediatamente queimam, criando um risco brilhante no céu noturno.

Tradicionalmente, é no mês de agosto que a Terra passa no interior da nuvem de detritos deixados pelo cometa que, formada por fragmentos de gelo e poeira, se choca com a atmosfera terrestre e se desintegra no que parecem explosões de luz.

Considerado um dos melhores fenômenos do gênero, a chuva de meteoros Perseidas deveria ser avistável a partir de sexta-feira passada (12) em várias partes do mundo.
No Brasil, os meteoros foram mais fáceis de ver no norte do país, na madrugada de sábado. Mas, dado que uma lua cheia restringiu muitas pessoas de ter o prazer de ver a exibição mais recente do fenômeno, pelo menos agora podemos escutá-la.