Blog

Blog

25 de jan de 2013

A raça da realeza - (vídeos)


A raça da realeza

Esotericamente, o Egito é um baú de mistérios ainda não revelados. Muitas lendas envolveram a construção das grandiosas pirâmides, sendo uma delas a possibilidade de que os antigos egípcios tinham contatos com outros planetas, e que sua população era descendente dos povos do perdido continente de Atlântida. Não se é comprovada a existência desse continente, mas de fato algumas pistas levam a crer que a Atlântida já existiu, assim como seu "irmão" Lemúria, também afundado no mar. Desde os primórdios da civilização egípcia, difundia-se na realeza daquele país uma raça estranha e diferente. Fato constatado nos bustos e murais da época. Tutankhamon foi, pois, o último integrante dessa raça diferente que reinava o Egito. Akhenaton é um exemplo nítido, já que em seu reinado as artes ganharam mais realismo e ele foi representado como ele realmente era. Possuiam o crânio longo e alto, o corpo cavalado, com ancas largas e o rosto alongado. Além do mais pesquisas feitas em múmias provam a existência de um sangue raríssimo correndo em suas veias e de toda família real.A própria mãe de Akhenaton, a rainha Tiy, tinha essa conformação andrógina e os cabelos loiros.
Especula-se que os faraós do Egito eram realmente descendentes de Atlantes, pois o egípcio comum, não a realeza, não possuía essa diferença corporal. Aliás, eis a explicação do motivo pelo qual as coroas faraônicas eram tão longas e vistosas, uma vez que o povo se revoltaria em saber que seus destinos estavam nas mãos de homens diferentes corporalmente. Com a morte de Tutankhamon, essa realeza "predestinada" se acabou, e o Egito foi governado por falsos faraós, sendo um país conquistador e cruel, e invadido por milhares de outros povos.