Blog

Blog

6 de jan de 2013

Energia nuclear: uma tecnologia feminina



          O cientista e matemático estadunidense radicado na Alemanha Jonathan Tennenbaum1 é o autor do excelente livro “Energia Nuclear - Uma Tecnologia Feminina”, publicado pela Editora MSIa - Movimento de Solidariedade Íbero-americana.
 
          No livro, Tennenbaum destaca a contribuição das mulheres nos primórdios do desenvolvimento da energia nuclear, no início do século XX.
esquire.com
          Descreve de maneira leve e agradável o desenvolvimento da ciência nuclear e a participação fundamental de pioneiras como Marie Curie, Lise Meitner, Ida Noddack e outras, cujo trabalho, realizado quase sempre em condições adversas e cercado de preconceitos.
 
          Estas condições transcorreram em paralelo com o movimento pela emancipação feminina e a consideração da mulher como indivíduo dotado dos mesmos direitos de cidadania que os homens.
 
          No livro, Tennenbaum afirma que, depois de Marie Curie, várias mulheres se inspiraram a se tornar cientistas. A começar pela filha de Marie, Irene Curie, que também se tornou uma premiada pesquisadora a partir dos estudos na área nuclear. Cita a alemã Ida Noddack, a primeira a sugerir a ideia de fissão nuclear e a austríaca Lise Meitner, que comprovou a fissão. “Dizem que Meitner foi a mulher que deixou a Alemanha com a “bomba na bolsa”. Por ser judia, precisou fugir da Áustria, após a anexação à Alemanha em 1938, no ano da descoberta da fissão.
 
          No começo do século 19, a área mais interessante da física era a radioatividade. “A mulher que pensava em pesquisar com ciência era atraída para essa área”, afirma Jonathan Tennenbaum.
 
          Assista, a seguir, o documentário em português, "A saga do Prêmio Nobel - O clã Curie", publicado no You Tube, dividido em 3 partes, uma sempre "linkando" a próxima.