Blog

Blog

29 de mar de 2013

Radarnet - Fique por dentro!




NASA Anuncia a Descoberta de Dois Novos Planetas do Tamanho da Terra

Em menos de 20 anos, fomos de não conhecer se existia qualquer outro planeta no universo, para sermos capazes de olhar no céu nocturno e perceber que essencialmente qualquer estrela que possamos ver tem pelo menos um planeta, e um bom número deles provavelmente sejam habitáveis,” disse um cientista.  “Esta é uma revelação que o público em geral ainda não percebeu, e mesmo os astrónomos se surpreendem quando pensam sobre este fato.


Comparação entre o tamanho dos primeiros dois exo-planetas cerca do tamanho da Terra e planetas do nosso sistema solar.  Créditos da imagem:NASA/Ames/JPL-Caltech


A NASA anunciou que astrónomos descobriram os dois mais pequenos planetas fora do Sistema Solar, com dimensões semelhantes à Terra e a orbitar uma estrela parecida com o Sol, revela a revista científica "Nature", citada pelas agências internacionais.

O método de precisão usado permitiu à sonda norte-americana Kepler, da NASA, detectar os pequenos exo-planetas (planetas fora do sistema solar), que orbitam uma estrela baptizada como Kepler 20.

O diâmetro de um dos pequenos planetas ultrapassa pouco mais (três por cento) o da Terra e o do outro é ligeiramente mais pequeno (três por cento).

Bem mais próximos da sua estrela do que a Terra do Sol, os dois novos exo-planetas percorrem a sua órbita em menos de uma semana ou um mês. São rochosos como a Terra, mas as suas temperaturas à superfície são demasiado elevadas para permitir vida.

O sistema extra-solar da estrela Kepler 20, situado a mil anos-luz da Terra, inclui mais três planetas, maiores, com tamanho similar ao de Netuno.




De acordo com os astrónomos, apenas três exo-planetas se encontram em "zona habitável", onde a água pode ser detectada em estado líquido e, desta forma, a vida ser possível: Kepler 22, a cerca de 600 anos-luz da Terra, e Gliese 581d e HD 85512b, a dezenas de anos-luz do «planeta azul».

Lançada em Março de 2009, a sonda Kepler tem por missão observar mais de cem mil estrelas semelhantes ao Sol, visando a detecção de planetas-irmãos da Terra susceptíveis de acolher vida.

O aparelho já descobriu 28 exo-planetas e recenseou 3.326 "planetas candidatos", que continuam por confirmar por outros métodos.
Somente há duas semanas, como descrevemos neste site, os cientistas relataram a descoberta de um planeta orbitando outra estrela na zona habitável.  Aquele planeta, que acredita-se ter 10 vezes o tamanho da Terra, seria perfeito para conter água no estado líquido, que é considerado essencial para a vida, tal como a conhecemos.
Os cientistas dizem que as chances são muito boas de logo encontrarmos um planeta que seja de tamanho certo e temperatura ideal para abrigar a vida.

“Em menos de 20 anos, fomos de não conhecer se existia qualquer outro planeta no universo, para sermos capazes de olhar no céu nocturno e perceber que essencialmente qualquer estrela que possamos ver tem pelo menos um planeta, e um bom número deles provavelmente sejam habitáveis,” disse um cientista.  “Esta é uma revelação que o público em geral ainda não percebeu, e mesmo os astrónomos se surpreendem quando pensam sobre este facto.”

FONTE: NASATVI.24UFOblogger


Apresentamos a seguir o resumo de uma nova teoria sobre os movimentos dos corpos celestes no universo elaborada por Nassim Haramein, da Fundação "Resonance Project".

O vídeo dá-nos uma explicação de como a Terra, para além de rodar sobre o seu eixo e girar à "volta" do sol, ela "segue" o movimento do sol através da galáxia Via Láctea, numa espiral contínua, e não num mero plano elíptico. Podemos então perceber que nos encontramos num universo em três dimensões, em oposição ao universo aceite de duas dimensões.




Reveja a seguir apenas a animação feita por Nassim Haramein e a Fundação "The Resonance Project", comparando o antigo modelo convencionalmente aceite e o novo modelo proposto.



O cientista Físico Nassim Haramein passou a maior parte da sua vida pesquisando a geometria fundamental do hiperespaço, estudando uma variedade de campos desde a física teórica, cosmologia, mecânica quântica, biologia e química, até a antropologia e antigas civilizações. Combinando o seu conhecimento com uma observação perspicaz do comportamento da natureza, ele descobriu um conjunto de geometria específica que verificou ser fundamental para a criação e a partir da qual emergiu a base para a sua Teoria do Campo Unificado.



O seguinte vídeo foi criado pelo "The Venus Project".
Resumidamente, o Projecto Vénus é uma organização que propõe um realista plano de acção para uma mudança social, para um sistema global sócio-económico holístico chamado de "Economia Baseada em Recursos", que promove uma civilização global pacífica e sustentável. Estabelece uma alternativa no esforço para que os direitos humanos não sejam apenas proclamações no papel, mas sim uma forma de vida.






O "Projeto Vênus" defende uma visão alternativa para uma civilização de um novo mundo sustentável, como nenhum outro sistema sócio-económico o foi no passado. Ele aponta para uma nova recriação de uma cultura em que os velhos erros da guerra, pobreza, fome, dívida e desnecessário sofrimento humano são vistos como evitáveis, mas totalmente inaceitáveis.

O Projecto Vénus apresenta uma visão não do que será o futuro, mas daquilo que pode ser se aplicarmos aquilo que já sabemos de forma a alcançar uma nova civilização mundial sustentável.

Ele dá-nos a visão de um futuro próximo onde, dinheiro, política, interesses nacionais e pessoais foram extinguidos. Embora esta visão possa parecer idealística, ela é baseada em anos de estudo e pesquisa experimental.
Engloba uma variada gama de aspectos, desde educação, transportes, fontes limpas de energia, até sistema total de cidades.

Saiba mais sobre o "Projecto Vénus" em:
http://www.thevenusproject.com/pt


Faça circular esta espectacular música como se fosse um vírus a toda a gente que conhece!





Esta música está em perfeita sintonia com os movimentos "Occupy Wall Street" e "Thrive".
Quando o povo começa com canções deste tipo em forma de "revolução" ou "contestação", é porque as coisas estão mesmo a começar a mudar significativamente.

Sente-se cada vez mais que a supressão desta tecnologia de Energia Livre está a chegar ao fim e muito breve a sua aplicação no dia a dia alterará completamente a nossa forma de viver neste planeta. Brevemente colocaremos aqui neste sítio mais informação sobre esta tecnologia. 

Créditos do vídeo para o original do canal "Elevate":

"Free Energy" é o primeiro lançamento de uma série de vídeos de música produzidos por "Elevate", com a participação do grupo "Luminaries" e da cantora "Aishah".
A série pretende consciencializar o público para importantes questões e soluções globais. "Energia Livre" foi produzida em conjunto com "Pachamama Alliance". A equipa de produção da música foi constituída por  Will Bystrov, Felipe Soares, J Pullano, Kevin Carpenter e Mikki Willis.

Saiba mais sobre os criadores desta música em:
ELEVATE
LUMINARIES
AISHAH

"EU NÃO ME MOVO" - Ocupar Wall Street



Está na hora de fazer referência ao movimento "Occupy Wall Street", que começou há cerca de 2 meses em Nova Iorque e se espalhou já por mais de 1500 cidades em todo o mundo.
Este pacífico movimento que se manifesta contra o actual sistema de governo e de sociedade em que vivemos não recebeu ou está a receber da imprensa toda a atenção que merece, não tendo a sua verdadeira mensagem chegado ainda ao ouvido de muitas pessoas.

Apresentamos um pequeno vídeo que demonstra a hipocrisia e mentiras do governo americano relativamente à forma como tem lidado com este movimento.

Não se esqueça da nossa força, a força do povo: Nós somos muitos, eles são poucos!








Drunvalo Melchizedec explica como podemos obter seja o for que desejamos, criando a partir do coração em vez do cérebro.
Este vídeo é um pequeno excerto da série de vídeos "2012 As Profecias do Coração", que pode ser vista na integra no Vimeo.






Saiba mais sobre Drunvalo Melchizedek em:


Nos últimos anos, Carter Emmart tem coordenado os esforços de cientistas, artistas e programadores no "Planetário Hayden" do Museu Americano de História Natural para construir uma visualização completa a 3D do nosso universo conhecido. Ele apresenta esta espantosa visita e explica como tem sido partilhada em instituições à volta do mundo.




Carter Emmart é o Director de Astrovizualização no Museu Americano de História Natural, onde dirige os mais recentes programas do espaço e lidera o desenvolvimento do atlas interactivo em 3D chamado "O Universo Digital".

Saiba mais em:
  • http://www.amnh.org/ 
  • http://www.haydenplanetarium.org/index.php