Blog

Blog

31 de mar de 2013

Radarnet - Fique por dentro!




Reportagem do Domingo Espetacular: Cientistas alertam, o sol pode provocar um desastre sem precedentes

A ameaça que vem do céu. Uma grande tempestade solar está a caminho. E o pior: não há como saber com precisão quando e como ela vai atingir a Terra.


Domingo Espetacular: Ufólogo confirma aparição de disco voador na Baixada Fluminense (RJ)


Em Queimados, na Baixada Fluminense (RJ), câmeras de segurança de um sítio detectaram imagens de um objeto estranho durante a noite. Os registros foram levados a um especialista em analisar esse tipo de imagens. O ufólogo afirmou que nunca havia visto algo parecido.

Viagem à Lua : A Fraude do Meteorito e da Radiação


Como os astronautas atravessaram estes cinturões de radioatividade com roupas frágeis como as que utilizaram? 






HAARP TERIA LIGAÇÃO COM FENÔMENO NA ÍNDIA?

Fonte da imagem: HAARP

HAARP: o projeto militar dos EUA que pode ser uma arma geofísica
Futuro da comunicação ou arma de destruição em massa? Saiba o que envolve um dos projetos mais polêmicos do governo americano.

Em 1993, começou a funcionar no Alasca (Estados Unidos) o HAARP, um projeto de estudos sobre a ionosfera terrestre. O HAARP, que significa “Programa de Investigação de Aurora Ativa de Alta Frequência”, visa a compreender melhor o funcionamento das transmissões de ondas de rádio na faixa da ionosfera, parte superior da atmosfera.

Segundo relatos oficiais, o projeto tem como objetivo principal ampliar o conhecimento obtido até hoje, sobre as propriedades físicas e elétricas da ionosfera terrestre. Com isso, seria possível melhorar o funcionamento de vários sistemas de comunicação e navegação, tanto civis quanto militares (o que gera desconfiança em grande parte dos conhecedores do HAARP).

Para realizar estes estudos, as antenas de alta frequência do HAARP enviam ondas para a ionosfera visando a aquecê-la. Assim são estudados os efeitos das mais diversas interações de temperaturas e condições de pressão.
Por que no Alasca?
A criação das instalações foi possível graças a uma parceria entre a Força Aérea Americana, A Marinha dos Estados Unidos e também da Universidade do Alasca. Esta última foi escolhida a dedo, graças à localização: a ionosfera sobre o Alasca é pouco estável, o que garante uma maior gama de condições para os estudos.

Outro fator que pendeu para que os pesquisadores escolhessem o Alasca é a ausência de grandes cidades nas proximidades. Assim, não há ruídos na captura de imagens e sinais, pois os sensores ficam localizados ao alto de algumas montanhas.  Também há informações de que este local sofreria o menor impacto ambiental entre as áreas candidatas a receber o HAARP.

Ionosfera: íons e mais íons
Esta faixa recebe este nome porque é bastante ionizada, ou seja, perde e ganha elétrons com facilidade, o que a deixa em constante carregamento elétrico. O grande agente ionizador da ionosfera é o sol, que irradia muita carga na direção da Terra, mas meteoritos e raios cósmicos também influenciam bastante na presença dos íons.

                                          Fonte da imagem: Wikipédia                

A densidade dos íons livres é variável e apresenta alterações de acordo com vários padrões temporais, hora do dia e estação do ano são os principais pontos de variação da ionosfera. Outro fenômeno interessante acontece a cada 11 anos, quando a densidade dos elétrons e a composição da ionosfera mudam drasticamente e acabam bloqueando qualquer comunicação em alta frequência.

Reflexão ionosférica

Há frequências de ondas que são, quase, completamente refletidas pela ionosfera quando aquecida pelas antenas HAARP. Os pesquisadores do HAARP pretendem provar que essa reflexão pode ser utilizada como um satélite para enviar informações entre localidades, facilitando as comunicações e também a navegação, melhorando os dispositivos GPS utilizados atualmente.

O problema é que ainda não se conhecem as reais propriedades da reflexão ionosférica. Além disso, há o fato de as propriedades da ionosfera se modificarem durante a noite, por exemplo, quando a altitude dela aumenta e as densidades ficam mais baixas. Essas variações tornam difícil uma padronização para o envio de ondas, independente do comprimento delas.

HAARP: um novo modo de estudo
Há várias formas de estudo das faixas da atmosfera terrestre. Para as camadas mais baixas, até mesmo balões podem ser utilizados para capturar dados sobre diferenças nas condições naturais. A camada de ozônio, por exemplo, é verificada com balões meteorológicos que realizam medições das taxas de radiação que ultrapassam pela atmosfera.

Fonte da imagem: HAARP

Por ficar muito mais acima, balões meteorológicos e satélites não podem ser utilizados para realizar medições e análises sobre a ionosfera. Por isso o HAARP é tão importante, já que utiliza a maneira mais eficiente de contatar o setor: antenas de emissão de ondas de frequência altíssima.

Os resultados são utilizados para entender como o sol influencia no sinal de rádio em diversas faixas de frequência. Utiliza-se também um “Aquecedor Ionosférico”, conhecido como “Instrumento de Investigação Ionosférica”, ele transmite frequências altas para modificar a ionosfera e entender os processos produzidos em sua composição.

Fonte da imagem: HAARP

As antenas do Instrumento de Investigação emitem sinais para altitudes entre 100 e 350 Km. Outros aparelhos do mesmo projeto são responsáveis pela recepção dos sinais, interpretando-os e permitindo a criação de relatórios sobre a dinâmica do plasma ionosférico e também sobre a interação entre o planeta e o sol.

Aquecendo a ionosfera: riscos?
O HAARP não é o único aquecedor ionosférico do planeta. Há também um localizado na Noruega e outro na Rússia. Todos eles realizam o mesmo processo: utilizam antenas de alta frequência para aquecer a ionosfera e criar uma aurora artificial.


Fonte da imagem: HAARP
       


Vários UFOS em Vancouver, 29 de Março de 2013!

Enquanto filmava um vídeo de lapso de tempo do nascer do sol em 29 de março 2013 Eu capturei quatro UFOS de 6:25 -6:53 horas. 
A câmera foi criada para tirar fotos a cada 2 segundos.

                                      

Cientistas podem descobrir em quem você está pensando


Para isso, eles utilizam o resultado de análises do
funcionamento do seu cérebro.


Cientistas podem descobrir em quem você está pensando 
(Fonte da imagem: Reprodução/Gizmodo)
Em alguns filmes ou histórias futuristas, como em “Vingador do Futuro”, o cérebro das pessoas é analisado para que informações ou imagens possam ser capturadas. Você acha que isso é impossível atualmente? Nessa escala, é sim, mas uma pesquisa conduzida por cientistas da Cornell University está trabalhando para mudar esse cenário.

Segundo informações que foram divulgadas pelo site Scientific American, os primeiros resultados desse estudo são bastante promissores. Através do escaneamento do funcionamento do cérebro de voluntários e da análise desses resultados, os cientistas já conseguem descobrir em quem você está pensando.
Não satisfeitos com esse avanço tecnológico, os estudiosos que encabeçam o projeto estão começando a dar passos ainda maiores. Agora, eles querem tentar recriar a imagem que uma pessoa tem de um conhecido, utilizando somente a atividade cerebral do indivíduo como ponto de partida.

Entendendo a sua cabeça

Para chegar aos resultados que eles têm agora, os cientistas da Cornell University trabalharam com 19 voluntários. Cada um deles recebeu uma descrição detalhada de quatro pessoas imaginárias bem diferentes, o que inclui até mesmo os traços de personalidade desses personagens.


Enquanto os voluntários se lembravam dessas descrições, os estudiosos analisaram o funcionamento do cérebro deles através de scanners. Com isso, eles puderam identificar as áreas específicas que foram ativadas pelo órgão, resultando na reconstrução do personagem imaginário que foi descrito para a pessoa.
Possíveis aplicações
Em um futuro próximo, o pessoal da Cornell University vai conseguir entender melhor como as pessoas entendem e pensam sobre o que elas vivem, principalmente em relação aos laços feitos com amigos e familiares, por exemplo.

Dessa maneira, pessoas com distúrbios de interação social, como o autismo, vão poder contar com um atendimento médico e profissional muito melhor — ou seja, é provável que elas possam viver de forma mais integrada do que nos dias de hoje.



Mark Levin: DHS se prepara para motins prolongados nos EUA.

dhs_bullets

WND
  
As Agências Federais, não militares, observou o  radialista Mark Levin na semana passada, compraram munição suficiente recentemente, não só para atirar em cada americanos cinco vezes, mas também se envolver em uma guerra prolongada e doméstica.

Os números são baseados em relatórios recentes que colocam a compra de  munição federal total nos últimos 10 meses em aproximar dois bilhões de  cartuchos.

“Para oferecer alguma perspectiva,” Levin observou, “os especialistas estimam que, no auge da guerra do Iraque as tropas americanas estavam disparando cerca de 5,5 milhões de cartuchos por mês.  Nesse ritmo, o [Departamento de Segurança Interna] está armado agora para uma guerra no Iraque de 24 anos.” Uma  guerrade 24 anos igual a do Iraque! “

O que as agências federais precisam com toda esta a munição  ?
Única explicação oficial do governo para a compra de munição maciça é que os agentes de aplicação da lei nas respectivas agências precisam das munições para “obrigatórias qualificações trimestrais de armas de fogo e outras sessões de treinamento.”

O número surpreendente e falta de detalhes na explicação oficial, no entanto, levou a especulação desenfreada, incluindo as preocupações do DHS está se armando para combater a insurreição entre os americanos.

“Eu vou dizer o que eu acho que está acontecendo”, Levin ofereceu.  ”Eu não acho que a insurreição nacional.Aplicação da lei e agências de segurança nacional, eles jogam com vários cenários.  Eu vou dizer o que eu acho que eles estão simulando: o colapso do nosso sistema financeiro, o colapso da nossa sociedade e o potencial de violência generalizada, saques, matança nas ruas, porque é isso que acontece quando uma economia entra em colapso.

“Eu suspeito que seja esta a causa por conta de nossa situação fiscal, nossa situação monetária, colapso, e seguido o colapso da sociedade, do fim do estado de direito , eles querem estar preparados ,” Levin disse. “ Eu sei por que o governo está se armando:E não é só por causa de uma insurreição, mas porque nossa sociedade estás e despertando.


 O Controle Mental Monarca - Suas Origens e Técnicas

 
A Programação Monarca é um método de controle mental utilizado por numerosas organizações para fins ocultos. É uma continuação do projeto MK-ULTRA, um programa de controle mental desenvolvido pela CIA, e testado em civis e militares. Os métodos são incrivelmente sádicos (todo o seu propósito é traumatizar a vítima) e os resultados esperados são horríveis: a criação de um escravo de mente controlada que pode ser acionado a qualquer momento para executar qualquer ação exigida pelo manipulador. Enquanto a mídia de massa ignora essa questão, mais de 2 milhões de americanos têm passado pelos horrores desse programa. Este artigo mostra as origens da Programação Monarca e alguns dos seus métodos e simbolismos.

A Programação Monarca é uma técnica de controle mental que compreende elementos de abuso em rituais satânicos (Satanic Ritual Abuse) e Transtorno de Personalidade múltipla (Multiple Personality Disorder). Ela utiliza uma combinação de rituais, neurociência, psicologia e ocultismo para criar dentro dos escravos um alter-ego que pode ser acionado e programado por manipuladores. Escravos Monarcas são utilizados por várias organizações ligadas à elite mundial, em áreas tais como a escravidão sexual, militarismo e a indústria do entretenimento. Este artigo irá atentar às origens da Programação Monarca, suas técnicas e seu simbolismo.

Origens

Durante todo o curso da história, várias casos foram registrados, descrevendo rituais e práticas semelhantes ao de controle mental. Um dos primeiros escritos dando referência à utilização do ocultismo para manipulação da mente pode ser encontrada no Livro Egípcio dos Mortos. É uma compilação de rituais, muito estudada por sociedades secretas de hoje, que descreve os métodos de tortura e de intimidação (para criar o trauma), o uso de poções (drogas) e da feitiçaria (hipnotismo), resultando na escravidão total do iniciado. Outros eventos atribuídos à magia negra, bruxaria e possessão demoníaca (em que a vítima é animada por uma força externa) são também anteriores à Programação Monarca.

É, no entanto, durante o século 20 que o controle mental se tornou uma ciência no sentido moderno do termo, na qual milhares de pessoas têm sido sistematicamente observadas, documentadas e já a têm experimentado.

Um dos primeiros estudos metódicos no controle mental baseado no trauma foi realizado por Joseph Mengele, um médico que trabalhou nos campos de concentração nazista. Ele inicialmente ganhou notoriedade por ser um dos médicos da SS que supervisionava a seleção dos reclusos que chegavam, determinando quem seria morto e quem viria a se tornar um trabalhador forçado. No entanto, ele é conhecido principalmente pela realização de terríveis experimentos em humanos, presos nos campos de concentração, incluindo crianças, por quem Mengele era chamado de "Anjo da Morte".


Joseph Mengele, 1935

Mengele é famoso por seus sórdidos experimentos em prisioneiros humanos, nos campos de concentração, especialmente em gêmeos. Uma parte do seu trabalho que raramente é mencionado, no entanto, foi sua pesquisa sobre controle mental. Muitas de suas pesquisas nesse campo foram confiscadas pelos aliados e ainda são classificadas até os dias de hoje.


"DR. GREEN (Dr. Joseph Mengele): Foi o programador mais significativo, talvez pudessemos dar-lhe o título de pai da programação Monarca, Joseph Mengele, um ex-nazista, médico dos campos de concentração. Milhares de escravos de controle mental monarca dos EUA tinham o "Dr. Green" como o programador-chefe. "

Instalação de programas de controle mental dependem da capacidade da vítima para dissociar, o que permite a criação de novas personalidades para "segurar" e "esconder" a programação. Já as crianças dissociativas são "candidatas" perfeitas para a programação". - 5


A seguir está uma lista parcial das formas de tortura:
1. Abuso e tortura

2. Confinamento em caixas, gaiolas, caixões, etc, ou enterro (muitas vezes com uma abertura ou tubo de ar de oxigênio).

3. Contenção com cordas, correntes, algemas, etc.

4. Quase-afogamento.

5. Extremos de calor e frio, incluindo submersão em água gelada e queima de produtos químicos.

6. Esfolamento (apenas camadas superiores da pele são removidas em vítimas destinadas para sobreviver).

7. Fiação.

8. Luz ofuscante.

9. Choque elétrico.

10. Ingestão forçada de fluidos corporais ofensivos e matéria, tais como sangue, urina, fezes, carne, etc.

11. Pendurado em posições dolorosas ou de cabeça para baixo.

12. Fome e sede.

13. A privação de sono.

14 Compressão com pesos e dispositivos.

15. Privação sensorial.

16. Drogas para criar ilusão, confusão e amnésia, frequentemente administradas por injecção intravenosa.

17. Ingestão ou substâncias químicas tóxicas intravenosas para criar dor ou doença, incluindo agentes quimioterápicos.

18. Membros puxados ou deslocados.

19. Aplicação de cobras, aranhas, larvas, ratos e outros animais para provocar o medo e o nojo.

20. Experiências de quase-morte, comumente asfixia por sufocamento ou afogamento, com reanimação imediata.

22. Forçado a realizar ou testemunhar abusos, torturas e sacrifício de pessoas e animais, geralmente com facas.

23. Participação forçada em escravidão.

24. Abuso para engravidar; o feto é, então, abortado para uso ritualístico, ou o bebê é levado para o sacrifício ou a escravidão.

25. O abuso espiritual para causar vítima a se sentir possuída, perseguida e controlada internamente por espíritos ou demônios.

26. Profanação de crenças judaico-cristãs e formas de culto; dedicação a Satanás ou outras divindades.

27. Abuso e ilusão para convencer as vítimas que Deus é o mau, tais como convencer uma criança que Deus abusou dela.

28. Cirurgia a tortura, experimento, ou causar a percepção de bombas físicas ou espirituais ou implantes.

29. Dano ou ameaça de dano à família, amigos, entes queridos, animais, e outras vítimas, para forçar o cumprimento.

30. Uso de ilusão e realidade virtual para confundir e criar uma divulgação não-credível 8.

"
A base para o sucesso da programação de controle mental Monarca é que personalidades diferentes ou partes da personalidade chamados de 'alter egos', podem ser criadas e elas não conhecem umas as outras, mas que podem administrar o corpo em momentos diferentes. As paredes de amnésia que são construídas por traumas, formam um escudo protetor de sigilo que protegem os abusadores de serem descobertos, e impedem que as personalidades que administram o corpo por muito tempo saibam como seu sistema de 'alter egos' está sendo usado. O escudo do sigilo permite que os membros da seita vivam e trabalham em torno de outras pessoas e permaneçam totalmente despercebidas. A persona do dia-a-dia pode ser a de um cristão maravilhoso, e os 'alters'mais profundos podem ser o pior tipo de monstro satânico inimaginável, um efeito tipo Dr. Jekyll e Mr. Hyde. A grande preocupação é manter sigilo das agência de inteligência ou dos grupos ocultistas que estão controlando o escravo. A taxa de sucesso desse tipo de programação é alta, mas quando ela falha, as falhas são eliminadas através da morte do escravo monarca. Cada trauma e tortura serve a um propósito. Uma grande parte dos experimentos e das pesquisas se propuseram a descobrir o que se pode e o que não se pode fazer. Gráficos foram feitos mostrando o quanto de tortura um dado peso corpóreo em uma determinada idade pode suportar sem matá-lo ". 9

 Controle da Mente - [1 de 5] - Cientistas confirmam as Teorias da Conspiração


  

Controle da Mente - [2 de 5] - Cientistas confirmam as Teorias da Conspiração