Blog

Blog

5 de mar de 2013

GUERRAS E RUMORES DE GUERRAS; Rio da morte: 65 executados em Aleppo – Síria



Um grupo de integrantes da FSA (Free Syrian Army) diz que foram encontradas 65 pessoas, aparentemente com um tiro na cabeça e com mãos amarradas, na cidade de Aleppo, Síria. No entanto, o pessoal dos Direitos Humanos Sírio, disse que o número por subir tão alto quanto 80. As fotos, foram divulgadas por ativistas, mostrando corpos enlameados, de vários homens  deitados a margem de um pequeno rio. Dado um close em alguns corpos, mostra-se que tinham ferimentos que pareciam ser causados por projéteis na cabeça.
Ainda não se sabe a autoria deste massacre.

A luta na Síria, que começou a quase dois anos, já custou algo em torno de 60.000 vidas. Os grupos de Direitos Humanos acusam as forças governamentais e os rebeldes de realizar execuções sumárias.


 AS GUERRAS NOSSAS DE CADA DIA 


Cá está o método usado pelo povo mais covarde e filho da p@#$%* do planeta: Os Norte-Americanos, para matar pessoas que tentam defender suas famílias e seu país da invasão em busca de petróleo e recursos naturais.
A câmera FLIR/DTV (Daylight TV) é uma câmera infravermelha acoplada originalmente em muitos caças/bombardeios estratégicos, e neste vídeo, vemos uma em um AH-64D LongBow Apache:
apache_64d_longbow
E o armamento usado é uma metralhadora .30 M230 (Chain Gun) com 1.200 tiros, e os foguetes que vemos são o CRV-7 (70mm) Air-To-Ground Rocket, guiado por laser.

Ah, você achou legal? Acompanhe a carnificina que fizeram nas montanhas Adi Ghar, em Kandahar, Afeganistão:
Sacanagem… E as cabras que sobraram são testemunhas.
O que a maioria do povo falha á entender (ou releva), é que os Norte Americanos filhos da puta, SÃO OS NAZISTAS DO MUNDO ATUAL, e a mídia corporativa mundial os apóia, mentindo que os “bandidos” e “terroristas”, são as nações invadidas por eles.
Só que não é uma limpeza étnica, é uma guerra por recursos naturais. E quando eles interessarem-se por nossos aquíferos, e estiverem voando por sobre nossas cabeças, será tarde demais.