Blog

Blog

5 de out de 2013

Direto da redação - O seu fim de noite!





As Fitas do Ateísmo

Você acredita em Deus?
Não?
Então não precisa mais se preocupar, você não está sozinho nessa.


A série As Fitas do Ateísmo é praticamente um complemento à série Ateísmo: A Breve História da Descrença, onde aprendemos sobre a origem deste pensamento de convicção na descrença do divino. Nesta série, formada por seis pequenos episódios, assistiremos aos diálogos gravados com os filósofos, historiadores, cientistas e escritores que participaram das gravações do documentário.



Conversas muito interessantes e intelectuais, com pessoas demasiadamente inteligentes e esclarecidas, como o biólogo inglês Richard Dawkins, o filósofo americano Daniel Dennet, o teólogo de Cambridge, Denys Turner, o dramaturgo americano Arthur Miller, o filósofo inglês Colin McGinn e o físico americano ganhador do Nobel, Steven Weinberg. Esses diálogos são muito profundos e exprimem diversas ideias desses grandes pensadores, em conversas livres entre Jonathan Miller, o apresentador da série, e os entrevistados, que expõem seus pensamentos sobre as correntes religiosas, o que pensam em relação à fé em entidades divinas, suas preocupações quanto à isso e respondem o que acreditam serem os motivos de tais ações.


A grande maioria dos ateus, sem dúvida é formada por pessoas com um certo esclarecimento intelectual, aqueles que tiveram a capacidade para enxergar o falso mundo da fé religiosa e compreender que tais ideias são na verdade fruto de nossos poderosos cérebros e seu incrível potencial de imaginação. A simples ideia de deixarmos de existir já causa terrível agonia e um profundo sentimento de tristeza, pois nossos planos, esperanças e sonhos, seriam simplesmente perdidos. Então nada melhor do que uma ideia que nos traga conforto e paz espiritual, um descanso às nossas mentes castigadas, que lutam para não sucumbirem a este mundo perverso e desiludido em que vivemos. A fé religiosa é uma bengala para os cansados, um apoio, um encosto, para conseguirmos caminhar sem tropeçar, dando-nos forças para nos manter na batalha, mentindo para nós mesmos sobre coisas que no fundo sabemos que não são reais.


Cada um tem a sua ideia própria, a sua razão, a sua crença, religiosa ou não, porém a fé é uma espécie de desistência frente à dificuldade em responder determinadas perguntas para qual não sabemos responder. Quando determinadas pessoas se deparam com algo muito complexo, algo que não compreendem totalmente, elas preferem atribuir aquilo à criação divina, antes mesmo de pensar em entender do que se trata. 


A explicação do criacionismo, de uma força superior que nos observa ou até mesmo interfere em nosso mundo, é não só irracional como ignorante. Tal ideia não deveria sequer ser cogitada, é muito tolo crer em algo que obviamente não pode nem mesmo ser provado ou demonstrado cientificamente, algo em que precisamos nada mais e nada menos do que acreditar e ter convicção de sua existência, mesmo que pareça uma coisa completamente ridícula. Não há como encontrar explicações convincentes se dermos a mesma resposta para todas as perguntas, é um equívoco invocar uma entidade para argumentar sobre algo que ainda não se compreende. Devemos sim esquecer tais pensamentos e nos focarmos na busca pelo conhecimento real e não ilusório, evidências concretas que nos expliquem: o que é tudo isso?
De fato evoluímos bastante nesse quisito e temos respostas muito mais convincentes e de maior riqueza do que a simples criação. Os ateus possuem algo que os religiosos não adquiriram e muitos jamais adquirirão, que foi a capacidade de percepção e aceitação de que não há nada além do tudo.


Veja os vídeos




















Se não fosse por ela, as torres gêmeas ainda estariam aqui

Em busca da verdadeira cruz

Insetos Aterrorizantes - Matar ou Curar 



Alienígenas do Passado – Alienígenas(Anjos caídos) e Monstros(Nephilins)

Figura acima, os gigantescos nephilim, filhos dos anjos caidos.

Seriam os monstros históricos apenas criaturas míticas, fruto de imaginação, ou eles foram reais e viveram em um passado distante?

No final a pesquisadora afirma:

”Nós já temos a tecnologia necessária para criar a ”Quimera” ou monstro mas não temos a tecnologia  controlá-los, mais isso é uma questão de tempo”
Obs: Quimera é uma figura mística caracterizada por uma aparência híbrida de dois ou mais animais e a capacidade de lançar fogo pelas narinas, sendo portanto, uma fera ou besta mitológica.
Representação de uma quimera em um prato de cerca de 350-340 a.C.

Aparência 

Sua aparência é descrita de forma diversa nas várias narrativas mitológicas ou nas artes plásticas. Por exemplo:
  • Cabeça e corpo de leão, com duas cabeças anexas, uma de cabra e outra de serpente;
  • Cabeça e corpo de leão, com duas cabeças anexas, uma de cabra e outra de dragão;
  • Duas cabeças ou até mesmo uma cabeça de leão e cabra, corpo de leão e cauda de serpente.
  • Cabeça de Leão,corpo de Cabra,rabo de serpente e solta fogo pelas narinas.
  • Cabeça de Leão,cabeça de cabra,cabeça de dragão,corpo de leão e cauda de serpente.



Mandela o homem por trás da lenda