Blog

Blog

31 de out de 2013

Você ainda não viu tudo!... Fique por dento!



Cinco séculos depois das viagens épicas começadas em 1492, estão descobertas evidências conclusivas sobre a nacionalidade de Salvador Fernandes Zarco, português de Cuba, no Alentejo, mais conhecido pelo seu pseudônimo de "Cristóvão Colombo".

NASCIDO NO ALENTEJO

Antes de se casar com a sua prima Beatriz, o Infante D. Fernando e a filha de João Gonçalves Zarco chamada Isabel Gonçalves Zarco tiveram um romance. O produto dessa relação "foi baptizado" com o nome de Salvador Fernandes Zarco (Cristóvão Colon). 

CUBA DO ALENTEJO 

Nestas circunstâncias, o Infante D. Fernando fez o que os nobres faziam: despachou a moça para "longe" de Beja para ter o rebento. Foi assim que ela foi parar 20 km mais a norte, a uma terra chamada Cuba, onde o rapaz nasceu... Quando, em 27 de Outubro de 1492, Colon descobriu a ilha a que chamou Cuba, disse que era "o lugar mais bonito do mundo".

IDENTIDADE DUPLA

Não se sabe bem quando Salvador Fernandes Zarco passou a ser Cristóvão Colon, mas sabe-se que depois sempre assumiu ambos os nomes - e portanto as origens, incluindo a judaica - quando começou a assinar documentos e inventou, para isso, uma inteligente e bem elaborada sigla: o monograma que colocou à esquerda da sigla em muitos documentos, como o da imagem abaixo. Sílvia Jorge da Silva descobriu, em 1989, que o monograma é feito a partir da junção das letras "S", "F" e "Z", como em Salvador Fernandes Zarco, assim:




A propósito, como é sabido, Fernandes" significa "filho de Fernando" e nas situações como a do filho de Fernando e Isabel, era usual o varão tomar o apelido da mãe. Portanto, cá está o Salvador Fernandes Zarco. Quanto a demonstrar a sua portugalidade, parece suficiente, mas muito mais poderia ser acrescentado: por exemplo, o Papa Alexandre VI, numa bula de 1493, toda em latim, escreve o nome dele em português:




No "Pleyto de la Prioridad", duas testemunhas, Hernán Camacho e Alonso Belas chamam ao Almirante "o infante de Portugal";
O espanhol Ricardo Beltrán y Rózpide, presidente da Real Sociedad de Geografia, escreveu "el descobridor de América no nació en Génova", acrescentando que tinha nascido algures entre os cabos Ortegal (Galiza) e San Vicente (Algarve).

Todos os testemunhos dizem que falava espanhol com pronúncia portuguesa e escrevia textos cheios de portuguesismos.

Pelo monograma que incluiu em alguns dos seus escritos, acima das suas siglas, e que foi decifrado como correspondendo às iniciais S F Z, e por aquilo que o navegador, de verdadeiro nome Salvador Fernandes Zarco escreveu, não há dúvidas: “Fernandus, ensifer copiae Pacis Juliae, illaqueatus cum Isabella Sciarra Camarae, mea soboles Cubae sunt” ou seja “Fernando, duque de Beja e Isabel Sciarra da Câmara são os meus pais de Cuba”.
Vídeo explicativo (recomendo que pausem o vídeo para uma melhor leitura):







Tesla – Mestre dos Raios


Quando você pensa em eletricidade, pensa em Edson, quando pensa em rádio, pensa em Marconi. Mas existe um gênio da eletricidade que está quase esquecido, um homem que sonhou dar ao mundo um suprimento ilimitado de energia. Seu nome era Nicola Tesla e ele foi o mestre dos raios.


Maravilhas Modernas: Nikola Tesla


Os segredos de Nikola Tesla


A mutação do vírus H1N1 já aconteceu em vários países europeus.



Martelo das Bruxas


Embora a internet seja uma ferramenta maravilhosa que nos ajuda mais rapidamente na captação e distribuição da informação, por outro lado da mesma moeda, ela distribui e capta a DESinformação.

Desinformação nesse caso, não se refere a uma informação “falsa” ou “verdadeira”, “certa” ou “errada” (isso não existe, tudo é informação), mas tende a desviar a atenção daqueles que não sabem o que procuram e se perdem na distração dos joguinhos e entretenimento fácil que a internet oferece.

Mas sem duvida alguma, a WEB usada com critérios de um pesquisador que sabe o que quer, e sabe separar o joio do trigo - abre um campo de experiências sem danos a cultura geral. Basta que você pegue o que acredita ser melhor para suas necessidades, e o que não está em sincronia com suas percepções do momento, descarte ou arquive para mais tarde.

E navegando por esses dias a procura de um tema, esbarrei em outra coisa que me intrigou. Se são “verdadeiros” ou não os relatos que investiguei, não vem a caso. O que me chamou muita atenção foi o “objetivo” por trás da história toda.

Jovens e crianças com olhos negros ou BEK (Black Eyed Kids)
Essa história sobre crianças com olhos inteiramente negros teve destaque a partir de 1988, começando com a narrativa de um jornalista de nome Brian Bethel que relatou uma reunião com duas crianças extraordinariamente confiantes e eloquentes que tentaram convencê-lo a dar-lhes uma carona em seu carro numa noite muito estranha.

Bethel disse que foi dominado por uma resposta de "luta ou fuga", foi tentado a permitir a entrada dos meninos no veículo, mas após se deparar os olhos "negro carvão", sem íris ou pupila, sem o branco ao redor, apenas um negro sem expressão, vazio, sem alma naquilo que pareciam apenas crianças, negou a carona.

Diante de uma sensação estranha, Bethel ficou momentaneamente paralisado de medo e assim que as crianças perceberam que ele estava receoso com o que viu, ficaram com raiva e insistentes, fazendo com que o jornalista acelerasse o carro e fosse embora rapidamente fugindo do local deixando aquilo que pareciam “crianças” pra trás.

Há muitos outros relatos de experiências semelhantes em outras partes do país que geralmente envolve pedido de crianças com olhos negros para deixá-los entrar em seu carro ou casa. As crianças se aproximam silenciosamente, mas com determinação. Elas insistem em querer entrar em sua casa para usar o telefone muitas vezes com a desculpa do - "Eu preciso ligar para minha mãe", ou de querer fazer xixi, pegar um gato fugitivo ou para obter apenas um copo de água. Muitas vezes no meio da noite.

O mais bizarro relatado nesse encontro com estas crianças é que elas emitem uma vibração assustadora que gera desconforto em que as atende, sentindo-se literalmente ameaçados, em pânico e até mesmo desorientados, sofrendo algum tipo de telepatia, geralmente na forma de responder a algo que a vítima estava pensando, ou dominação mental de algum tipo, sugerindo-as a fazer alguma coisa contra sua vontade.
E depois de muito pesquisar sobre esses encontros com os BEKs (Black Eyes Kids) pode se observar que a abordagem segue uma regra: Elas não podem ou não entram em um estabelecimento ou ambiente reservado sem serem convidados ou consentidos a entrar. Essa persistência para ser convidado a ter sua entrada no resinto é similar aos contos antigos sobre vampiros que, segundo narra a lenda, só podiam permanecer no local se fossem consentidos.

Agora pense bem, escolher a forma de uma criança é um bom álibi, pois quem deixaria uma criança no meio da noite à porta da sua casa desejando contato com sua mãe? Você deixaria?

Lembrando mais uma vez que temos o poder de dizer não a todo tipo de violação da nossa integridade, seja ela física, moral ou espiritual – “eles” têm que respeitar o livre arbítrio, sempre!

Resolvi trazer essa informação para que você mesmo tire suas conclusões. Tem muita coisa bizarra acontecendo ultimamente e descartar qualquer coisa apenas alegando ser “falso”, sem abrir critérios de pesquisa, nos remete a conceitos primários da era da caça as bruxas – onde saber mais e além, do que a maioria, fazia de você um “bruxo” merecedor de uma  bela fogueira.

O mais famoso manual de Caça às Bruxas é o Malleus Maleficarum (Martelo das Feiticeiras) de 1484. Ao contrário do que se acredita a caça às bruxas foi uma perseguição social e religiosa que começou no final da Idade Média e atingiu seu apogeu na Idade Moderna.

Embora supostas bruxas tenham sido queimadas ou enforcadas num intervalo de quatro séculos — do século XV ao século XVIII — a maioria foi julgada e morta entre 1550 e1650, nos 100 anos mais histéricos do movimento - bem no apogeu do nascimento da "Idade da Razão" (Iluminismo).

No início do século XIV, na parte central da Europa, surgiu rumores e pânico acerca de “conspirações malignas” que estariam tentando destruir os reinos cristãos através de magia e envenenamento; falava-se de conspirações por parte dos muçulmanos e de associações entre judeus e leprosos ou judeus e bruxas. Já ouviu isso antes?

Depois da Peste, espalhou-se pela comunidade a ideia de que tomar banho frequente desprotegia a pele e trazia doenças para o corpo através da água. Perceba que a contra informação está sempre em pauta. Quando não se sabe o TODO, uma parte ganha dimensões assustadoras.

Supõe-se que o número de vítimas de acusação de bruxaria é algo superior a 60 mil pessoas. Numa média, 25% das vítimas foram homens, para 75% mulheres. Até onde se sabe, algumas vítimas adoravam entidades pagãs, eram parteiras ou “curandeiras”.

Lembrando que ninguém poderia curar, se não fossem médicos cubanos.

Ir contra os ditames da igreja fazia mal a saúde. Você não iria acabar bem.
Ptolomeu dizia o que a igreja queria ouvir – que a Terra era o centro do Universo e essa ideia foi adotada pelos teólogos medievais e mantido e ensinado durante quase 14 séculos. Só no século 16 Copérnico o substituiu pelo sistema heliocêntrico depois confirmado por Galileu.

Mas o esperto do Copérnico que afirmava que a Terra não era o centro do Universo, e sim o Sol, teve que bancar o maluco para não parar na fogueira da Inquisição. Mas Galileu deu “mole” e em 1633 resolveu confirmar suas teorias e foi a julgamento o que o levou oficialmente a ser condenado por "grave suspeita de crime de heresia", ficando 8 anos em prisão domiciliar próximo a Florença, onde veio a morrer. 

Em muitos casos a igreja alegava "bruxaria" e "possessão demoníaca" com o fim de se apropriar ilicitamente de bens alheios ou como forma de vingança por alguém decidir enfrenta-la. Mas isso são águas passadas. Os representantes dos deuses não usam mais essa tática, agora eles usam “laranjas” para fazer o serviço sujo. Não dá pra “queimar” todo maluco que aparecer negando as verdades da igreja.

Não temos como saber se uma coisa é “verdadeira” se não temos provas que algo assim possa ter existido. O fato é que, um grupo está DESESPERADAMENTE tentando ocultar outras dimensões dessa mesma realidade. Por quê? Porque se não soubermos quem somos e o poder que temos, fica fácil nos controlar. Mas como eu disse, está ficando muito difícil esconder as coisas ultimamente.

29 de maio de 2008 

Pegada petrificada de um suposto ser humano que caminhou entre 5 e 15 milhões de anos sobre o altiplano andino da Bolívia – America do Sul - foi dado como oficialmente crível em 2008. Essa prova foi encontrada nas proximidades do Lago Titicaca, a cerca de 70 km a oeste de La Paz, entre as cidades de Tiwanaku e Guaqui, habitada por indígenas aimarás.

Perfeitamente impressa em uma pedra de um metro de largura e 3 metros de comprimento e cerca de 30 centímetros de espessura tornando-se visível a pegada humana, tal qual na areia molhada. Estudos morfológicos asseguram que a pegada é de um homem que calçaria tamanho 39 com altura mediana de 1,70m, com um peso de 70 quilos. Um modelo normal e perfeito de equilíbrio, peso e altura. 

E daí?
Daí que essa pequena pegada de mais de 5 milhões de anos contradiz tudo que a comunidade científica internacional prega e nos faz acreditar nas instituições de ensino superior. Segundo narra a lenda oficiosa, a espécie humana “surgiu” na África cerca de apenas 2 milhões de anos e a formação rochosa que apresenta a pegada, segundo estudos, pertence ao Mioceno do período terciário, o que significa que é a mais antiga pegada humana descoberta no mundo até essa data que vos narro essa historia.

"É uma pegada paleontológica muito antiga do período terciário, quando a Cordilheira dos Andes estava se formando e especialmente, as montanhas, perto do Lago Titicaca", acrescentou o relatório da Unidade Nacional de Arqueologia. 

E pensar que tem gente que passa anos defendendo tese sobre a origem da raça humana...

Não sei você o que pensa, mas a cada dia percebo que existe um “mundo” paralelo que estava oculto da nossa compreensão e que está se descortinando e revelando, nos mostrando como fomos iludidos e embriagados, dopados durante tantos séculos. As informações foram desviadas, descategorizadas, ocultadas, destruídas, fragmentadas, modificadas e QUEIMADAS conscientemente por um grupo que não deseja que saibamos realmente o que aconteceu e o que acontecerá com a nossa existência nessa dimensão.

Que “grupo” é esse? Todos que cultuam os deuses.


O termo catedral vem do latim cathedra que quer dizer cadeira ou trono de quem ensina, tendo sido depois aplicado ás sedes episcopais, no tempo de Carlos Magno.

Com a morte do imperador Carlos Magno o poder político fragmenta-se, passando do rei para o controle da nobreza. Os bispos abandonam os castelos dos senhores feudais que os protegiam e regressam aos núcleos urbanos, onde as catedrais voltam a ter sentido.

A passagem do estilo românico de catedrais sólidas e escuras do século VIII para estilo gótico de linhas leves e de grande luminosidade, não está ainda bem explicada, mas percebe se uma mudança de ponto de vista sobre a função da “cátedra”.

A ordem da cisterciense opinava que as igrejas deveriam ser templos de luz, já que esta estava “intimamente ligada com a divindade”. A casa de Deus (ou dos deuses) deveria ser o templo de luz e, para tal, era necessário aligeirar as paredes e abrir-lhes grandes janelas com vitrais coloridos o que só era realizável com abóbadas de arcos cruzados e arcos em ogiva para iluminar todo o interior dos prédios. 

O abade de Saints Denis aplicou esta teoria na construção da sua basílica, começando assim o estilo gótico que rapidamente se espalhou por toda a Europa.
Sabedores da Geometria Sagrada
Mas somente os monges tinham os conhecimentos necessários sobre essa construção das catedrais, e ela não poderia ser passada a qualquer um, mas em breve apareceriam os mestres de obra e os operários especializados como pedreiros ferreiros, carpinteiros, vidreiros e outros que agrupados em diferentes grêmios, trabalhavam como uma só equipe (leia-se maçons) mantendo todo controle do conhecimento em suas várias etapas da vida.

Ou seja, o PODER central dos Reis foi dividido estrategicamente por grupos com o controle de toda a informação e a pirâmide foi estabelecida.

Gárgulas e outros bichos
Durante o século 12, quando as gárgulas apareceram na Europa, a Igreja Católica Romana foi ficando mais forte e convertia muitas pessoas. A maioria da população nessa época era analfabeta e, portanto, as imagens foram muito importantes para transmitir ideias sobre a representação do mal.

No mundo medieval muitas criaturas tinham poderes místicos atribuídos a eles. Grotescos são muitas vezes confundidos com gárgulas, mas a diferença é que gárgulas são figuras que contêm uma bica de água pela boca, enquanto grotescos são apenas figuras bizarras para “espantar” maus espíritos.

Arquitetos frequentemente utilizavam várias gárgulas em edifícios para dividir o fluxo de água da chuva do telhado para minimizar o dano potencial de uma tempestade.  A palavra holandesa para gárgula é waterspuwer, que significa "cuspidor de água" ou "vomitador de água." 

Pensa-se que as gárgulas foram usadas ​​para assustar as pessoas a entrar nas igrejas, lembrando-lhes que o fim dos tempos estava próximo e que a sua presença fiel assegurava que o mal estaria mantido fora dos muros da igreja. 

No século 12 um líder de igreja chamada St. Bernard de Clairvaux foi famoso por falar contra gárgulas.

"O que são esses monstros fantásticos fazendo nos claustros diante dos olhos dos irmãos enquanto eles leem? Qual é o significado desses macacos imundos, estes leões selvagens estranhas e monstros? Para que finalidade são colocados aqui estas criaturas, metade animal, metade homem, ou estes tigres manchados? vejo vários corpos com uma cabeça e várias cabeças com um corpo. Aqui está um quadrúpede com uma cabeça de serpente, há um peixe com cabeça de um quadrúpede, então, novamente uma metade cavalo animal, metade bode ... Certamente, se nós não corarmos de tais absurdos, devemos, pelo menos nos arrepender do que passamos com eles. "

O leões foram os animais não-nativos mais comuns trabalhados como uma gárgula no período medieval. O leão foi de longe o mais popular animal não-europeu a ser usado em igrejas e catedrais na Idade Média. Eles eram populares como gárgulas durante os tempos mais antigos - Pompéia está cheia deles - pois simbolizavam o sol

O Leão é um signo importante para a humanidade, regido pelo Sol, que por sua vez rege todos os mistérios solares que governa todas as expressões humanas através de Sirius. O Sol cria e sustenta as condições para o desenvolvimento da vida como experiente através de Leão. Leão é o Rei, entidade soberana que tem domínio sobre si mesmo. Propósito espiritual mais profundo do signo de Leão é a de expressar a Vontade Divina. Este signo é um sinal peculiarmente humano e está ligado de uma forma definitiva, com o aparecimento da humanidade na Terra

Maurice Cotterell acredita que nós somos afetados por campos mais poderosamente no tempo que somos concebidos do que no dia em que nascemos. Sua pesquisa estabeleceu que a atividade de manchas solares corresponda a ciclos de fertilidade humana e com o apogeu e declínio de grandes civilizações e impérios.

Cientistas como Cotterell, têm também descoberto que humanos tem um relógio interno que está em sincronia com o Sol. Em resumo, o efeito do Sol na vida humana é fundamental e bem além de sua óbvia contribuição de calor e luz.

Imagine o poder que você teria para manipular a raça humana se você soubesse os ciclos de energia do Sol e dos outros planetas e como eles afetam a consciência humana. 

Você saberia quando as pessoas estariam mais propensas a raiva, agressão, dúvida e culpa, portanto, armados para fazer suas guerrascolapsos econômicos e assim por diante.

Ter conhecimento sobre tudo que nos cerca não é bom nem ruim, mas necessário, pois abre um leque de opções. Controlar a história de alguém (ou de um povo) é ter poder sobre ele, pois a percepção que damos a seu passado constrói o terreno para que possa influenciá-lo na percepção do seu presente/futuro.

O poeta da Grécia antiga, Hesíodo, descreveu o mundo de uma 4ª Dimensão.

"Os homens viviam como Deuses, sem vícios ou paixões, tormento ou trabalho árduo. Em feliz parceria com seres divinos, eles desfrutavam seus dias em tranquilidade e alegria, vivendo juntos em perfeita igualdade, unidos por mútua confiança e amor. A Terra era mais bela do que agora, e espontaneamente produzia uma abundante variedade de frutas. Os seres humanos e animais falavam a mesma língua e conversavam entre si. Os homens eram considerados meros garotos aos 100 anos de idade. Eles não tinham nenhuma das enfermidades da idade para preocuparem-se e quando eles faziam a passagem para regiões de vida mais elevadas, isto era em uma suave soneca”
O Martelo das Bruxas


Avô de G. W. Bush seria um Bruxo?



O Código das Piramides


Código das Pirâmides é uma série documental de 5 episódios que explora os campos das pirâmides e templos antigos no Egito, bem como sítios megalíticos antigos em todo o mundo à procura de pistas sobre a consciência matriarcal, o conhecimento antigo e sofisticado tecnologia de uma Idade de Ouro. 

A série é baseada em extensa pesquisa feita pela Dra Carmen Boulter na Divisão de Pós-Graduação de Investigação em Educação da Universidade de Calgary em 23 viagens ao Egito e em outros 50 países em todo o mundo.

Foram entrevistados proeminentes estudiosos e autores em áreas multidisciplinares para ajudar a entender o todo e não somente a parte que sabemos. Muitos especialistas em campos distintos foram consultados como a geologiafísicaastrofísicaarqueologiaengenharia biológica, a teoria do campo magnético, os hieróglifos, e egiptologia.

A série explora questões que a ciência atual não nos conta, apenas floreiam. E ainda assim estão longe da verdade, mas ajuda a diminuir a distancia da velha crença e do ceticismo antigo.
  • Quem eram os antigos e o que eles sabiam? 
  • Será que as pirâmides são muito mais velhas do que Egiptologia tradicional nos querem fazer crer? 
  • Será que os antigos eram mais avançados tecnologicamente do que somos hoje? 
  • Por que temos tão pouca compreensão dos antigos egípcios? 
  • Ainda há segredos escondidos à vista de todos? 
  • Diante de novas descobertas teremos que fazer uma nova cronologia? 
  • Será que somos realmente a civilização mais avançada de todos os tempos na Terra? 
Episódio 1: O guardião da Paz 

Este episódio levanta questões sobre a finalidade das pirâmides que desafiam a Egiptologia tradicional história conta. Veja imagens raras de 6 locais distintos pirâmide perto da Grande Pirâmide com evidência de tecnologia superior e conhecimento sofisticado da ciência e do cosmos. 

Episódio 2: Tecnologia de Alto Nível 

Neste episódio, a evidência indica que os antigos egípcios usavam tecnologia de alto nível para a construção de pirâmides e templos. Os cientistas discutem a fonte deste poder e suas aplicações no mundo antigo

Episódio 3: Sagrado

Cosmologia Decifrando o significado dos símbolos estranhos na arte egípcia dá uma visão sobre o conhecimento da antiga cosmologia sagrada. Uma nova maneira de interpretar os hieróglifos é apresentado indicando que os antigos tinham conhecimento sofisticado de física, biologia e mecânica celeste. A equipe vai em uma expedição no deserto aberto em busca de um local remoto de extrema antiguidade chamado Nabta Playa. Neolíticos círculos de pedra foram encontrados marcando o movimento das mesmas estrelas como foram monitorados na civilização faraônica. 

Episódio 4: Poder da Humanidade 

Propõe que os construtores das pirâmides estavam vivendo em uma Idade de Ouro, eles tinham sentidos mais refinados, experimentou altos níveis de consciência que lhes deu habilidades superiores do que nós temos hoje. 
O sagrado feminino foi homenageado e existia em equilíbrio com o sagrado masculino. 

Episódio 5: A Nova Cronologia

Depois de examinar as provas apresentadas na série, parece claro que as datas indicadas por Egiptologia tradicional não se encaixam. Considerar cuidadosamente os ciclos de tempo através do Ouro, Prata, Bronze e Idade do Ferro do Grande Ano de Platão, uma nova cronologia está emergindo que ilumina o Egito antigo.
Infelizmente tudo que é bom não está disponível para terceiro mundo.
O documentário está em Inglês e há ferramentas para legendar em várias línguas, apesar da coisa sair sem pé nem cabeça, mas ainda sim é uma ajuda.
O fato é que; não deixe de assistir a esse material, mesmo que você não entenda a língua. Faça como eu, veja as figuras. Uma imagem vale mais que mil palavras, certo?
Se você souber de alguém que consiga esse material legendado, não se esqueça de me avisar, mudarei tudo rapidinho para que todos possam entender o conteúdo dessas informações – as mudanças estão aceleradas e perder um dia, pode custar toda uma existência...