Blog

Blog

14 de dez de 2012

Assim dormem nossas crianças


A idéia de se saber como dormem as crianças parece inócua no início, mas numa inspeção mais profunda, essas imagens revelam histórias incríveis de coragem, desespero, e - para poucos privilegiados - alegria. A fonte destas fotografias é um livro incrível. Eu o descobri recentemente na biblioteca da minha cidade, se estiver ao seu alcance, leia-o.  É chamado  " Where Children Sleep  "  do autor e fotógrafo  James Mollison.

Risa, 15 anos – Quioto, Japão

Japan2



Risa vive com treze mulheres em uma casa de chá em Quioto, onde ela treina para ser uma gueixa. Ela escolheu ser gueixa, após vê-las na TV. Ela treina todos os dias por horas praticam a cerimônia do chá, elocução, canto e dança. Ela é a mais jovem maiko (alguém que passou no teste para treinar como uma gueixa) no Japão. Ela tem dois dias de férias a cada mês.

Dong, 9 anos – Yunnan, China


chinese2
chinese1


Dong divide um quarto com suas irmãs e pais. Sua família é proprietária de terras suficientes apenas para a subsistência. Dong recebe uma educação gratuita, seus pais pagam somente por seu uniforme e matrícula. Quando crescer, Dong quer ser um policial para que ele possa "pegar  ladrões".

Alex, 9 anos – Rio de Janeiro Brasil



Brazil2
Brazil1
Alex não vai para a escola, ele passa os dias nas ruas. Ele também rouba,  quase sempre  de pessoas idosas ou em carros nas sinaleiras. Ele é viciado em cheirar cola e dorme em qualquer banco vazio ou sofá abandonado.

Anônimo, 9 anos – Libéria, África Ocidental


Liberia2 Liberia1
Este menino (que permanece anônimo para a própria segurança) foi um menino-soldado durante a guerra civil na Libéria. Ele tornou-se um soldado porque a oferta de alimentos e  dinheiro era muito difícil de se recusar. Agora, ele frequenta uma escola para crianças que pegaram em armas. Ele é órfão, tem três irmãos e quer ser  professor quando  crescer.

Lay Lay, 4 anos – Mae Sot, Tailândia


Thailand2 Thailand1


Lay Lay é birmanesa, mas mora na Tailândia como refugiada. Ela é órfã e vive num orfanato que tem duas peças - salas de aula de dia e quartos à noite. Na hora de dormir, as carteiras são empurradas para o lado e a sala de aula se transforma num quarto compartilhado por 21 outras crianças da mesma idade de Lay Lay. Cada criança tem uma pequena caixa para guardar seus pertences, no caso  de Lay Lay, poucas peças de roupa.

Yiftach, 10 anos –  Bat ayin, Palestina ocupada

Palestine2 Palestine1
Yiftach vive em uma  impressionante casa de madeira construída por seu pai, um judeu sionista que acredita que a terra em que vive, é um presente de Deus ao povo israelita. Yiftach gosta de estudar a energia solar e a natureza. Quando crescer, quer ser  piloto do exército israelense. Seu pai sempre carrega uma arma, porque acredita que seus filhos não estão seguros com os palestinos  vivendo nas proximidades.


Douha, 10 anos – Hebron, Israel


Israel2Israel1

Douha vive em um campo de refugiados palestinos porque seu irmão, Mohammed, matou 23 civis em um ataque suicida contra  Israel. O governo israelense retaliou destruindo a casa da família e de todos os seus bens. Douha mantêm um pôster de seu irmão na parede do quarto.

Netu, 11 anos – Katmandu, Nepal


Nepal2 Nepal1

Netu foi mandada de sua casa, na Índia, para morar com a tia no Nepal, porque a família não podia alimentar mais uma boca. No Nepal, a situação não é muito melhor. Netu luta contra a fome todos os dias. Sua casa é um barraco feito de folhas de plástico e papelão; tem quatro metros por seis, é compartilhada com outras 11 pessoas.

Roathy, 8 anos – Phnom Penh, Camboja




Cambodia2 Cambodia1


Roathy e sua família vivem num lixão . Eles reutilizam qualquer lixo que podem encontrar para sobreviver, incluindo restos de alimento. A cama de Roathy é feita de pneus velhos. O lugar, onde cinco mil pessoas vivem e trabalham, é repleto de moscas e ratos. A única fonte de renda é a venda de materiais recicláveis para uma empresa local.

Jasmine, 4 anos – Kentucky, Estados Unidos


USA2
USA1


Jasmine, que prefere ser chamado de "Jazzy" vive com seus pais e três irmãos em uma grande casa no campo. Seu quarto está cheio de coroas e faixas que ela ganhou em concursos de beleza infantil. Ela participa de um concurso quase todo fim de semana ao custo de  1.000 dólares por evento. Ela adora ser tratada como uma princesa. Quando  crescer, Jazzy quer ser uma estrela do rock.

Obs.: Enquanto muitas crianças dormem em lindos quartos a maioria das crianças dorme (foto acima) assim!...

MENINO DE RUA


Numa fria madrugada
dessas do corpo tremer, 
eu decidi em fazer, 
uma breve caminhada: 
Um agasalho, vesti, 
pelas ruas saí, 
a cumprir a minha jornada. 


Não demorou muito e me vi,
diante de uma triste cena,
uma criança pequena,
estava no chão a dormir:
Dela me aproximei,
o agasalho, tirei,
o seu corpinho eu cobri.

Afaguei-a de mansinho
e suavemente a chamei,
pra criança eu perguntei,
com palavras de carinho:
"Porque dormes aqui, menino"?!
Ele respondeu-me: "O destino, 
me deixou no mundo, sozinho. 

Decidido em conversar
com aquele menino de rua, 
que dormia a luz da lua, 
o convidei a lanchar; 
Enquanto ele comia, 
o coração me dizia
“Quanta falta faz um lar".

Perguntei a certa altura, 
se já havia estudado, 
e o garoto, coitado, 
me olhando com ternura: 
“Sim, eu estudo, senhor, 
o mundo é o meu professor, 
o meu diploma, a sepultura”. 

Com a alma comovida
fiquei a olhar a criança,
pobre sem quase esperança
de um dia vencer na vida;
Sem o apoio de ninguém,
aquela criança só tem,
paz, quando adormecida.

Do alto da sua inocência
não tem direito a escola,
vive de pedir esmola,
pra sua sobrevivência;
Marginalizado, sofrido,
mais tarde vira bandido,
seu mundo é a violência.

Cumprindo humildemente
o que lhe reservou o destino,
aquele pobre menino
é mesmo um forte, um valente,
vive a vida mendigando, 
comendo o que está sobrando,
na mesa de muita gente.

Enfrenta o frio, o calor,
passa noites mal dormidas,
calçada é a sua guarida,
papel de jornal, o cobertor,
a miséria, a sua cama,
mas de nada ele reclama,
nem, mesmo a falta de amor.



Sem ter como ajudar
aquele garoto pobre,
de gestos meigos e nobres
só me restou ir buscar...
Uma justa explicação,
pra o futuro da Nação, 
ter que dormir ao luar.