Blog

Blog

11 de dez de 2012

Direto da redação - Fique por dentro!




Segredos das Sociedades Secretas

William Schnoebelen neste video fala sobre sociedades satânicas ás quais ele pertenceu.
Parece verdadeiro, ele revela informações complexas, as quais só um infltrado poderia saber...
Revela ainda alguns documentos.



Obama é Osama?

Existem vários videos sobre o Tema : Obama e Osama seriam o mesmo personagem.
No realidadeoculta algumas vezes comentei acerca da semelhança entre os nomes , de facto Obama e Osama são nomes quase iguais. E os videos de Osama Bin laden tinham sósias, era muito evidente.
Então seria Osama um simples personagem recriado por Obama ?
Hoje encontrei alguns videos, com algumas particularidades.
Há semelhanças no olhos, orelhas, nariz, dentes , Ambos são canhotos, etc.



Neste video vemos como as Autoridades utilizaram photoshop para manipular fotos de Bin laden morto. E alguns repórteres e o sr Mitt Romney (candidato à presidência) , confundiram o nome Obama com Osama.


Robot Kuratas

Vejam o que os Japoneses inventaram! Um robot de combate «Kuratas ».
Os filmes de ficção vão tornar-se realidade.




Empresa Suido Bashijuko

Esse robot serve apenas para "brincar", qualquer milionário poderá comprá-lo e entrar dentro dele e manobrá-lo, anda a cerca de 10km/hora, as armas são apenas para enfeitar. Não é uma máquina de guerra. Porém, muitas coisas no Mundo começaram como uma simples brincadeira até se tornarem sérias.
Se os Japoneses conseguem fazer esses robots de brincar, certamente o exército Japonês poderá produzir robots idênticos massivamente, para utilizar como armamento se assim desejarem.
Tecnologia á disposição e capacidade, já os japoneses possuem.

 


Porquê o «V »


Porquê  o «V» (vector) em tantos logotipos da Nasa? Porquê o «V » na série «V : Batalha final » .?


À beira do Precipício?


Estranha campanha do FSE ( Fundo Social Europeu ) . À beira do Precipício?



"Tendo observado médicos das unidades de emergência ressuscitarem pacientes em coma, ou cirurgiões lutando por horas para manter a vida de vítimas sérias de acidentes de carro, eu não concordaria que 'toda' a medicina está na idade das trevas", disse Dr. John Martin. Porém, muitas são as vozes que argumentam que há uma essência maligna nas firmas farmacêuticas, no Centro de Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) e no Centro para Controle de Doenças (CDC), as duas organizações mais poderosas, nos EUA, que controlam e dominam o mundo da medicina no Brasil e em todos os outros países. É importante enfatizar que as mesmas pessoas que estão envolvidas economicamente com as firmas farmacêuticas, trabalham no FDA e no CDC. A despeito da luz brilhante de dedicados médicos das unidades de emergência e UTIs, a medicina alopática ocidental está mergulhada numa era de escuridão de pensamentos e ações que será lembrada com vergonha por muitos séculos à frente.A medicina moderna está numa era de trevas e o FDA está no centro dessa escuridão. "O que mais me incomoda é que as pessoas pensam que o FDA as está protegendo. Não está. O que o FDA está fazendo e o que o público pensa que ele está fazendo são duas coisas bem diferentes, como dia e noite", escreveu Dr. Herbert, diretor do FDA. Muitas pessoas acham que a medicina começou a deixar sua própria escuridão para trás quando finalmente se ouviu Ignaz Semmelweis, em 1844, provar que o fato dos médicos lavarem suas mão e se manterem asseados preveniria a infecção e morte de mulheres durante o parto. Por seus esforços, Semmelweis foi demitido do hospital em Viena e, apesar de publicado, seu trabalho foi totalmente ignorado. No século vinte, o governo, grandes empresas e a medicina formaram um time para criar uma sujeira que levará todo o século vinte e um para limpar.Olhando a história recente, percebemos a direção que a medicina e as indústrias farmacêuticas começaram a tomar quando companhias como a Bayer (naqueles tempos chamada IG Farben), na Alemanha, começaram a construir e administrar locais como o campo de concentração de Auschwitz. 

Na Alemanha nazista os hospitais eram rotineiramente utilizados por médicos para matar centenas de milhares de indesejáveis, preparando a equipe médica para horrores ainda maiores nos campos de concentração. Após o Julgamento de Nuremberg, o terrorismo médico e farmacêutico ficou oculto e somente aparecia aos nossos olhos quando erros dramáticos eram cometidos. Mas agora, sessenta anos depois, os erros têm sido muito grandes, e a única forma de manter o status quo do sistema médico/farmacêutico é a negação total de suas barbaridades - mesmo quando milhões de pais, pelo mundo afora, choram seu desespero pela epidemia de autismo, por exemplo.Hoje, a podridão em que a medicina alopática se tornou é vista em várias áreas e é sustentada pelas mentiras e decepções que as autoridades médicas e a mídia propagam. Tais mentiras obscurecem a luz da verdade ainda manifestada através de muitos médicos e enfermeiras dedicados. Essas são alegações sérias, mas os fatos provam sua veracidade. A primeira grande mentira, que está sendo exposta por muitos cientistas e médicos ao redor do mundo, gira em torno da AIDS e seus coquetéis, que têm uma taxa de mortalidade de 100 por cento. A medicina moderna está assassinando milhões de pessoas, enquanto o governo e a mídia gritam para gastar mais bilhões de dólares em drogas que de fato, aceleram a destruição do sistema imunológico sem atuar sobre os fatores endotoxológicos pré-existentes que causaram o desenvolvimento da doença.O tratamento do câncer será, mais cedo ou mais tarde, colocado na mesma categoria que as lobotomias frontais, pois claro está que a guerra contra o câncer está perdida porque a medicina está perdida. Quimioterapia e radioterapia representam a pior abordagem ao câncer e ainda assim, devido à sua rentabilidade, o campo da oncologia tornou-se um tipo de fraude que leva milhões a mortes horríveis. Não deveria ser nenhuma surpresa que muitos oncologistas se recusariam a receber quimioterapia se eles desenvolvessem câncer e alguns médicos são conhecidos por se recusarem a inocular seus próprios filhos com vacinas, mesmo continuando a administrá-las a seus pacientes.Ainda pior são os pediatras, que estão sujeitando recém-nascidos a algo que o mundo nunca viu antes em sua longa história de barbaridades. As mesmas pessoas que por décadas recomendaram fórmulas alimentares para bebês, ao invés de leite materno, estão agora injetando bebês recém-nascidos, em seu primeiro dia de vida, com uma das mais perigosas vacinas conhecidas pelo homem, a vacina da hepatite B - apesar de não haver nenhum estudo científico de longo termo que certifique aos pais a sua segurança e não haver nenhuma necessidade racional para as crianças receberem essa vacina. Os médicos desses bebês preferem violentar a vulnerabilidade dessas crianças a olhar diretamente para a podridão que a sua medicina se tornou. O que a medicina faz para os adultos é uma coisa, porque adultos deveriam saber no que estão se metendo, mas os bebês são inocentes e vulneráveis. Algumas valentes enfermeiras escolares e outros profissionais deram um passo à frente e tentam alertar a comunidade sobre o que essas vacinas contra hepatite B estão fazendo às crianças. 

Mas os seus gritos estão caindo em ouvidos surdos. Tal é a natureza da medicina em sua era atual de escuridão. As autoridades médicas não podem mais escutar ao chamado da verdade.É claro que há muitas outras áreas onde a escuridão de pensamentos e atos prevalece na prática médica dos dias atuais. Há muitas questões, como o fato do aspartame estar sendo empurrado dentro de milhares de produtos e a medicina não ter dito nem uma palavra a respeito. "A existência de doenças causadas pelo aspartame continua a ser negada pelo FDA e entidades corporativas poderosas. Entretanto, a magnitude deste problema deveria levar à proibição da utilização deste químico, como uma eminente ameaça à saúde pública", escreveu Dr. H.J. Roberts. Tão grande é a dependência à medicina química que os médicos perderam sua habilidade de perceber que químicos agressivos são perigosos à saúde humana. Desde o açúcar, flúor, pesticidas, herbicidas, hormônios bobeados nas galinhas e bifes, os horrores químicos da produção moderna de laticínios, remédios, conservantes em alimentos, produtos de limpeza doméstica, vacinas, alimentos refinados em geral, tudo o que não é natural tornou-se normal e a medicina ocidental se pergunta por que as pessoas estão se tornando mais e mais doentes. A medicina alopática tornou-se apenas mais um jogador no grande genocídio químico da espécie humana.O que nós podemos esperar da era de trevas da medicina a não ser, como Dr. Howenstine coloca, que "A medicina tornou-se contaminada"? É realmente um grande problema, pois as pessoas estão capturadas pela medicina e a aceitam cegamente, como se ela fosse uma nova religião - quando ela na realidade é o maior engodo já forjado por capitalistas imorais que tomaram seu controle, há cem anos atrás. É fundamental entender que os cuidados com a saúde estão quase que completamente sob o controle das indústrias farmacêuticas e a função primária do FDA é assegurar a rentabilidade das firmas farmacêuticas, indústrias químicas e dos grandes conglomerados de agricultura.Até que a Era da Trevas da Medicina termine, milhões e milhões serão levados cegamente às câmaras de massacre dos hospitais e clínicas médicas por todos os cantos. É um fato conhecido que nos Estados Unidos 250 mil pessoas perderão suas vidas devido às práticas médicas, e esses números representam estatísticas conservadoras. Essa escuridão planejada tem sido tão bem sucedida que as massas são completamente enganadas e não há mais necessidade dos trens da morte dos nazistas, campos de concentração e câmaras de gás. As pessoas entram nesse horror médico por  sua própria e livre vontade e, em sua ignorância, sujeitam mesmo suas crianças a uma forma de violência médica (as vacinas) da qual muitas nunca vão se recuperar.As autoridades médicas chupam o dedo enquanto a ocorrência do autismo se agiganta entre a população jovem e agora, ao invés de trabalhar para mudar qualquer coisa, os médicos, psicólogos e educadores tentam conter essa maré de problemas entre as crianças com ainda mais drogas e vacinas. Mudanças, infelizmente, somente virão com a confrontação, com a verdade sendo comunicada em círculos cada vez maiores e de forma ainda mais forte e direta. Tal confrontação é uma forma de amor, que é ao mesmo tempo compassiva e dura. A falha em confrontar a escuridão da fraude e da falsidade é um ato de covardia e medo, ou mesmo egoísmo. A confrontação do que se tornou a religião da medicina pode ser o mais alto exercício e demonstração de amor, pois o propósito disso é parar com os sofrimentos e mortes desnecessárias de milhões de pessoas.

 QUEM É QUE MANDA NO MUNDO?


Os 12 cidadãos acima são uma espécie de tribunal superior, instância última na guarda dos segredos do governo invisível dos EUA. É o Conselho de Inteligência dos EUA (USIB), que à época desta foto, no governo do presidente Richard Nixon, era presidido por William Colby, então Diretor Central de Inteligência (e da CIA) – o terceiro, a partir da esquerda. Para críticos do excesso de sigilo – como o National Security Archive (NSArchive), grupo privado que funciona na Universidade George Washington – o governo Obama tem de buscar transparência na prometida revisão dos exageros, que a dupla Bush-Cheney levou ao extremo.



“Cada país estrangeiro de importância relevante do primeiro e terceiro mundos tem uma espécie de derivação ou filial do Conselho de Relações Exteriores norte-americano. Os membros de cada país interagem com os demais países das derivações do CFR através da instituição mundial ‘Bilderburgers’, para mais facilmente alcançar seus fins. Os membros estrangeiros da Comissão Trilateral pertencem às suas respectivas organizações. Uma investigação superficial efetuada pelo mais inexperiente investigador conseguirá inclusive constatar que os membros do Conselho de Relações Exteriores e da Comissão Trilateral controlam as maiores organizações, fundações, além de todos os interesses das principais publicações, dos meios de informação, da informática, e inclusive controlam os maiores bancos e as maiores corporações e multinacionais. Todos os altos escalões dos governos e muitos outros interesses vitais estão nas mãos deles! Os membros do CFR e do 1t são apontados e são eleitos para todos os cargos, porque eles são donos de todo o dinheiro! E, como não pode deixar de ser, têm um interesse todo especial em cuidar do capital. De todo esse poder e vantagens, as pessoas comuns estão excluídas, principalmente os países mais pobres. De qualquer modo e a nosso entender, os membros do CFRe do TC são totalmente antidemocráticos [e exercem um despotismo nunca jamais visto e sequer suspeitado], e de maneira nenhuma representam a maioria do povo dos Estados Unidos da América [e muito menos dos demais países envolvidos]. 
Esses são os pretensos ‘eleitos’ que, com a vinda do pandemônio final dos tempos, pretendem decidir quem haverá de sobreviver ou não...” [Suspeito que estas denúncias não promanam de M.W. Cooper, mas sim de  altas patentes militares norte-americanas não comprometidas, e que estão inconformes com a tirania que essas entidade para-governamentais exercem nos EUA...



As Bases Materiais do Governo Clandestino 

“Os ‘Bilderburgers’, o Conselho de Relações Exteriores e a Comissão Trilateral, e outras instituições britânicas poderosíssimas, constituem exatamente o governo oculto, ou o governo clandestino, ou o governo  secreto que manda nos EUA e no resto do mundo. E o pretenso grupo de estudiosos Wise Men, conhecidos como a Sociedade Jason ou Jason Scholars, incluindo s altos escalões comprometidos e assentados nos postos-chaves do Governo, mandam nos Estados Unidos da América [e no resto do mundo também. Valem-se também de um Majority 12 [disfarçado dc Majestic-12], e que praticamente é sempre constituído só por membros dessas congregações...” 

O Conselho de Relações Exteriores e a Comissão Trilateral, por sua vez, não só e praticamente controlariam a tecnologia daqueles seus aliados alienígenas nefastos, como inclusive controlam totalmente a economia das nações. Eisenhower foi o último presidente americano que teria chegado a quase conhecer a totalidade do panorama ufológico ou dilema dos alienígenas nefastos [aliados de uns poucos que constituem a anti-raça humana] e alienígenas neutros ou até mesmo benevolentes. Aos presidentes sucessivos apenas se lhes dizia aquilo que a Comunidade de Informações [ou espionagem, ou seja a , NSA, MJ-12, , etc da vida] queria que eles conhecessem e acreditassem. E nunca se lhes contava a verdade nua e crua!” [Sinceramente, eu até duvido que Eisenhower tenha tido esse tal conhecimento panorâmico da Ufologia.



Os Governantes Invisíveis 



Os homens que se encontram no primeiro plano da vida política têm realmente o poder entre suas mãos? Para Serge Hutin, autor de Governantes Invisíveis e Sociedades Secretas, o destino das nações depende, freqüentemente de grupos de homens que não estão investidos de cargos oficiais. Trata-se de sociedades secretas, verdadeiros governos ocultos que decidem o nosso destino sem o nosso conhecimento. 
Pesquisa de Iliana Marina Pistone 

Ao observarmos um formigueiro, as formigas parecem perambular a esmo, numa atividade febril e inútil, quando, de fato, todas as ações individuais têm como fim o mesmo alvo comum, cujas constantes são determinadas da forma mais categórica pela "alma coletiva" do formigueiro. Observando-se toda a seqüência da história, repleta de acontecimentos humanos, de contínuas reviravoltas que se manifestaram durante séculos, somos levados a perguntar se tudo isso tem algum sentido de coerência e se esse conjunto aparentemente caótico constituído pela humanidade pode ser comparado a um imenso formigueiro. 

Essa é a questão principal levantada por Serge Hutin, na tentativa de explicar os grandes enigmas da história através da existência de governantes invisíveis e sociedades secretas, que regeriam o mundo. Examinando-se a história humana de um ponto de vista geral, notamos, de um lado, o equilíbrio, a ordem harmoniosa, a organização sintética. De outro lado, o caos completo, a desorganização, a desagregação. Hutin questiona se essa continuidade de eventos pertence ao acaso ou se até mesmo as forças caóticas não estariam obedecendo a diretrizes detalhadas, sob a orientação de governantes invisíveis. 

Robert Payne, um autor inglês, publicou, em 1951, o livro intitulado Zero, The Story of Terrorism, no qual relata a existência de dirigentes ocultos que, à sombra de governos visíveis, manejavam essa terrível arma do terrorismo, sobrepujando até os poderosos grupos econômicos, cujo papel secundário limitava-se ao financiamento. Fatos estranhos passaram a acontecer após a publicação do livro, desde a compra de todos os estoques disponíveis por misteriosos emissários, até a quase falência da Wingate , uma das sólidas editoras no mercado londrino e, finalmente, a morte inexplicável do autor, alguns meses depois. 

UMA PIRÂMIDE DE TRÊS DEGRAUS 

Quanto a isso, Jacques Bergier, pesquisador dos enigmas da humanidade, revelou a existência de uma lista de assuntos proibidos para a imprensa, minuciosamente relatados em um caderno preto. Segundo ele, a proibição é de alcance mundial e universal, não levando em consideração o regime político dos vários países, e todo diretor de jornal importante tem uma cópia desse caderno, seja ele de tendências comunistas ou capitalistas. 

Entende-se por sociedade secreta um grupo mais ou menos numeroso de pessoas, que se caracteriza por manter reuniões estritamente limitas a seus adeptos, e também por manter o mais absoluto sigilo a respeito das cerimônias e dos rituais onde se manifestam os símbolos que esta sociedade se atribui. As finalidades das sociedades secretas são as mais variadas: políticas, religiosas, espirituais, filosóficas e até criminosas. 

Em 1945, em Paris, Raoul Husson (1901-67), fisiólogo e psicólogo, publicou um livro, sob o pseudônimo de Geoffroy de Charnay, nome de um dos grandes templários franceses, condenado à morte pelo fogo, em 1314, junto com o grande mestre Jacques de Molay. Nesse livro, Husson revelou que as sociedades secretas mundiais formavam uma pirâmide de três degraus. No primeiro degrau, de fácil acesso, encontram-se os homens considerados úteis. No segundo degrau, o acesso é mais selecionado e seus adeptos desempenham papéis importantes, influenciando no plano nacional e internacional. No cimo da pirâmide estariam as sociedades secretas superiores, que agem por trás dos bastidores. Todos os assuntos importantes da política internacional estariam nas mãos dessas sociedades. 

CEMITÉRIOS REPLETOS DE GENTE INSUBSTITUÍVEL 

Gurdjieff, o conhecido "mago" caucasiano, teria sido, no século 20, um destes personagens que chegaram ao ponto mais alto do domínio invisível dos assuntos humanos. De fato, Gurdjieff declarou: "Tive a possibilidade de me aproximar do sancta sanctorum de quase todas as organizações herméticas, ou seja, sociedades religiosas, ocultas, filosóficas, políticas ou místicas, e que são vedadas aos homens comuns". 

Muito já foi dito da ação, freqüentemente ignorada, mas poderosa, das sociedades secretas que "dominam o mundo". Como exemplo, há a franco-maçonaria e seu desempenho marcante ao longo da Revolução Francesa. Outro grupo de ação notável foi o dos iluminados da Bavária, no século 18, cujo "poder oculto" teria levado Napoleão Bonaparte ao poder. Havia, entre os iluminados, Goethe, Herder, o alquimista rosacruciano Eckartshau-sem e muitas outras personalidades que não desconfiavam em absoluto dos verdadeiros objetivos políticos da seita. 

Bonaparte teria alcançado o mais alto grau na Ordem dos Iluminados, além de Ter sido maçom e alto dignitário de outras ordens fraternais ; entre elas a Fraternidade Hermética, que ele conheceu na época da campanha egípcia. 

Gérard Serbanesco, terceiro volume de sua obra Historie de la Franc-Maçonnerie Universelle, reproduz o relato de Napoleão sobre a cerimônia de sua iniciação. 

Lamentavelmente, a partir do momento em que Napoleão se deixou dominar pela sua ambição pessoal, não sendo mais o executador de planos secretos, a boa sorte o abandonou e o seu destino mudou. 

Outra personalidade que recebeu iniciação numa seita de filiação templária foi Cristóvão Colombo, que, contrariamente à teoria tradicional, não teria iniciado sua viagem às cegas. Em Les Mystéres Templiers, Louis Charpentier conta como Colombo recebeu, dos navegadores a serviço do Templo, o conhecimento de uma rota que levava ao novo mundo e a missão da descoberta. Charpentier reuniu, a esse propósito, provas realmente interessantes. 

Questões podem ser igualmente levantadas quanto à fulminante carreira de Joana D'Arc. Numa época em que todas as mulheres eram categoricamente excluídas de qualquer atividade política, todas as portas, até as mais fechadas, abriram-se para ela. Apesar de ser mais fácil explicar a sua atuação através da santidade, pode-se também supor que a sua missão tenha sido apoiada, se não preparada, pela intervenção de uma poderoso sociedade secreta. A que estaria relacionado o grande segredo que ela só quis confiar ao futuro Carlos VII? 

Por outro lado, toda vez que algo ou alguém parece obstacular o determinismo cíclico da evolução do mundo, a ação dos governos invisíveis, que agem implacavelmente, faz-se presente. Desse forma, vários atentados políticos, atribuídos a fanáticos isolados, foram reconhecidos como execuções friamente decididas. Nesses casos, o assassino existe, mas ele é somente o agente que executa uma tarefa decidida por um poderoso grupo oculto. 

O assassinato do presidente Kennedy permanece ainda hoje envolto em mistério, e a impressão que se tem é de que "alguém" não quer vê-lo esclarecido. Quanto a isso, Hutin menciona quatro pontos inquietantes: 

1) "Por acaso", somente o prédio de onde saíram os tiros fatais não estava sendo vigiado pela polícia de Dallas. 

2) Vários assassinos estavam em posições estratégicas, e suas atuações eram sincronizadas pelos gestos que um misterioso "diretor de orquestra" estava fazendo com seu guarda-chuva, sobre uma elevação (fotos que revelam isto foram publicadas por várias revistas, entre as quais a Paris Match); na eventualidade de Lee Oswald errar o alvo, um dos outros atiradores teriam entrado em ação 

3) Já preso, o sicário foi convenientemente liquidado por um "justiceiro", que, por sua vez, morreu convenientemente de "câncer generalizado". 

4) Por uma série de estranhas coincidências, um número impressionante de testemunhas do crime desapareceu e, em todos os casos, foi por acidente. 

Não seria interessante levarmos em conta a intervenção de estranhos "invisíveis"que seguram o fio da história? 

Bastante elucidativa é a sentença que diz: "Os cemitérios estão repletos de gente in-substituível". 

Os jovens políticos que conhecem as manobras complicadas que se passam por trás dos bastidores são muito raros, e, quando certas figuras começam a atrapalhar os planos secretos que estão sendo executados, quer tenham ou não consciência disso, são tomadas as medidas necessárias, que podem ser sumárias ou secretas, para eliminá-las. Via de regra, os atentados políticos da história se caracterizam pela presença de um assassino fanático, instrumento de um grupo poderoso e insuspeito que permanece fora de cena. Em seguida, esses fanáticos são eliminados depois do atentado (por policiais ou pelo próprio povo) ou, quando presos com vida, se há dúvidas quanto à garantia de seu silêncio, são eliminados de forma definitiva. Foi isso o que teria acontecido a Lee Oswald, o assassino de Kennedy. 

Em 15 de setembro de 1912, Revue Internationale des Sociétés Secrètes relata uma sentença dita por uma personalidade importante, uma espécie de eminência parda da política européia, que se teria manifestado da seguinte forma, a respeito do arquiduque Francisco Fernando, da Áustria: "É um bom moço. É uma lástima que esteja condenado. Vai morrer nos degraus do trono". Esse tipo de declaração nos faz refletir: o destino do arquiduque Francisco Fernando, cujo assassinato em Serajevo daria ensejo à deflagração da Primeira Guerra Mundial, já estava decidido dois anos antes do fato. Quem teria tomado a decisão? Voltamos novamente aos governantes invisíveis. 

Dessa forma, tudo leva a crer que a guerra de 1914 já estava sendo esperada, preparada e "programada", dois ou três anos antes do seu início. Muitos acontecimentos mostram o contínuo esforço, através de slogans e de imagens, para exacerbar o entusiasmo bélico das massas na investida contra o inimigo. 

A SINARQUIA DO IMPÉRIO 

Para se reconhecer, entre os personagens conhecidos ou desconhecidos da grande história, quais deles teriam recebido suas tarefas diretamente dos governantes invisíveis, é preciso distinguir duas categorias de personalidades: uma constituída por homens que tiveram papel de destaque no plano histórico e que estavam a par dos grandes segredos, tais como Richelieu, Benjamin Disraeli, o primeiro-ministro da rainha Vitória, e Lenin. 

A segunda categoria compreenderia os personagens que não aparecem em nenhum livro de história: tiveram um papel ativo, apesar de secreto, influenciando a situação histórica e política. 

Timothée-Ignatz Trebitsch, um aventureiro judeu, foi uma eminência parda, utilizado para facilitar o advento do nazismo na Alemanha. Outra personalidade que parece ter tido um papel importante no campo da política secreta é o "mago" inglês Aleister Crowley (1875-1947). Num passado mais remoto, vamos encontrar as enigmáticas figuras do conde de Saint-Germain e de Cagliostro. 

O nome "sinarquia", pela sua etimologia grega, pressupõe a realização de uma ordem sagrada num equilíbrio perfeito, de uma harmonia complexa, que seria o reflexo das leis cósmicas. Está associado a uma das mais misteriosas sociedades secretas modernas de governantes invisíveis, tendo sido introduzido pelo grande esoterista Alexandre Sain-Yves, que viveu entre 1842 e 1909. Recebeu do papa o título de marquês de Alveydre e tornou-se conhecido como Saint-Yves d' Alveydre. Viu-se escolhido pelos governantes invisíveis do mundo para executar seus planos, tendo deixado um número de obras muito estranhas: Mission des Souverrains, Mission des Juifs, Mission de l'Inde, L'Archéomètre. Saint-Yves apregoava o ideal de uma sinarquia universal, a Sinarquia do Império, e não restam dúvidas de que manteve contato direto com os mais altos governantes secretos. 

A Sinarquia do Império tinha uma estrutura hierárquica, essencial para o sistema, e que era resumida no seu símbolo: um triângulo em quatro níveis , mostrando, em seu interior, um olho, e cujo vértice coincidia com a extremidade de uma estrela de cinco pontas. Em todas as sociedades secretas realmente poderosas encontramos sempre esta estrutura hierárquica, cujos diferentes níveis de atividades são estritamente separados, de forma que cada grupo atue no seu nível e para que os chefes supremos possam agir sem nunca serem percebidos.