Blog

Blog

13 de dez de 2012

Os sete sinais




 Os 7 Sinais - Parte 1 - O Retorno a Israel




Os 7 Sinais é uma pequena série bíblica escatológica, em linguagem simples e acessível àqueles que não tem conhecimento prévio do assunto. Muitos dos assuntos tratados no blog têm por base nas profecias contidas na Bíblia (é daí que vêm nossa convicção em muitas das teorias da conspiração). As profecias são revelações de amor de Deus para com a humanidade. De fato, Deus é obrigado por Seu caráter a advertir o mundo do retorno iminente de Seu Filho. A razão é que Jesus está voltando em grande ira para “julgar e fazer guerra” (Apocalipse 19:11), e Deus nunca derrama Sua ira sem aviso. Nesta série, selecionaremos os sete sinais que consideramos os mais centrais que precedem a vinda de Jesus.


Deus está alertando os crentes da breve volta de Seu Filho através do que chamamos “sinais dos tempos”. Estes são profecias a respeito de eventos mundiais que nos é dito para aguardar, profecias que identificarão o tempo da volta do Senhor. A Bíblia está cheia desses sinais. Existem cerca de 500 profecias no Antigo Testamento que se relacionam com a Segunda Vinda do Messias. No Novo Testamento, um de cada 25 versos se refere à volta de Jesus. De fato, existem tantos sinais que é difícil perceber todos eles.
 

Os sinais relacionados ao estado de Israel são prolíficos e muito importantes. A profecia mais freqüentemente repetida no Antigo Testamento é a predição de que o povo Judeu será reunido dos “quatro cantos da terra” no final dos tempos (Isaías 11:10-12). A Bíblia declara que uma conseqüência dessa reunião será o restabelecimento do estado de Israel (Isaías 66:7-8). As Escrituras dizem que uma vez que os Judeus estejam de volta em sua terra, a própria terra experimentará um milagre de recuperação (Isaías 35). O deserto florescerá e as pessoas exclamarão, “Esta terra desolada tornou-se como o jardim do Éden” (Ezequiel 36:35). 

Outro milagre do tempo do fim será o renascimento da língua Hebraica (Sofonias 3:9). Muitas pessoas não se dão conta do fato de que quando os Judeus foram dispersos de sua terra em 70 AD, eles cessaram de falar a língua Hebraica. Os Judeus que se estabeleceram na Europa desenvolveram uma nova língua chamada Yiddish, uma combinação do Alemão com o Hebraico. Os Judeus que migraram para a bacia Mediterrânea criaram uma língua chamada Ladino, uma combinação de Hebraico e Espanhol.
Outros sinais significantes de Israel que nós é ordenado aguardar no tempo do fim incluem a reocupação de Jerusalém (Lucas 21:24), o ressurgimento do poderio militar Israelense (Zacarias 12:6) e a re-focalização da política mundial em Israel (Zacarias 12:3). 

Todos esses sinais se cumpriram neste século. A nação foi restabelecida, a terra foi reclamada, a antiga língua foi revivida, os Judeus estão de volta em Jerusalém e Israel é o ponto focal da política mundial.
Jesus diz em Lucas 21:28 que quando esses sinais começarem a acontecer, nós deveríamos “olhar para cima e erguer as nossas cabeças” porque “a nossa redenção está próxima”.
Se o vídeo estiver bloqueado em seu país, assista aqui: http://www.vimeo.com/27120394


 Os 7 Sinais - Parte 2 - Uma Nova Super-potência




Haverá uma nova super-potência mundial? Uma tão grande e conquistadora como foi Roma em seu tempo imperial? Por incrível que pareça esse sinal foi profetizado cerca de 1600 atrás pelo profeta Daniel, encontrado no Antigo Testamento. Os que acreditam na Bíblia sabem que o fim não chegará enquanto essa super-potência dominadora não se formar fechando, então, o ciclo descrito no livro do profeta. Deus encontrou uma forma bastante peculiar para revelar os acontecimentos que iriam acontecer em nossa época e revelou ao rei do Império Babilônico que o último império mundial constituiria de uma confederação de vários reinos que devolveriam o poder à Roma. De fato, a formação desse bloco já está no coração da elite: a União Europeia aparenta ser, no momento, a única em potencial para cumprir essa profecia. No entanto, teremos que esperar com calma o desenrolar da história, pois ainda há elementos importantes no contexto para que tudo ocorra com precisão. Entenda melhor como esse segundo sinal da volta do Messias está acontecendo.


Império Romano Profetizado

No livro de Daniel, lemos que Deus "remove os reis e levanta reis" (Daniel: 2:21). Deus está por trás da ascensão e queda das nações.

Daniel viu isso por si mesmo. Nascido no reino de Judá, Daniel foi levado cativo como um adolescente quando o poderoso Império Babilônico conquistou sua nação. Ali ele passou a maior parte de 70 anos.

Assim como Daniel viu a invasão e queda de seu país de origem, ele foi viver para ver a invasão e a queda da Babilônia, pois a Pérsia conquistou os "conquistadores babilônicos", em outubro de 539 aC.

Daniel sabia que isso iria acontecer. Deus usou para revelar-lhe o significado de um sonho do rei Nabucodonosor tinha. O sonho e a sua interpretação estão registradas no capítulo 2 do livro de Daniel. No versículo 39, Daniel explicou que outros três impérios grandes sucederiam o Império Babilônico. Vemos cinco versos depois que estes impérios culminaria no estabelecimento do Reino de Deus sobre a terra.

 O rei sonhou com uma grande estátua  de  quatro   partes  principais. A  cabeça  era  de  ouro, o  peito e  os  braços, de  prata  e o ventre  e os quadris,  de  bronze.  As  pernas  de  ferro  se apoiavam em pés feitos de uma mistura de  ferro e barro. A estátua  revelava os impérios futuros.

Alguns anos depois, o próprio Daniel teve uma visão semelhante, que lhe deu um entendimento mais profundo desses eventos profetizados. Em sua visão, Daniel viu quatro animais grandes (Daniel: 7:3). "Diferentes uns dos outros", quatro grandes impérios.

"O primeiro era como um leão" (versículo 4, a Babilônia), o "segundo, como um urso" (versículo 5, a Pérsia), o terceiro, "semelhante a um leopardo," retratado Alexandre, o Grande e seu Império Grego, o que teria "quatro cabeças", os quatro generais que estavam a dividir seu império após sua morte prematura (v. 6).

"Depois disso eu vi nas minhas visões noturnas, e eis que o quarto animal, terrível e espantoso, muito forte. Tinha enormes dentes de ferro ... Era diferente de todos os animais que apareceram antes dele e tinha dez chifres" (v. 7). O sucessor para a Grécia era Roma, séculos depois da visão de Daniel.

Como o Reino de Deus ainda não foi estabelecido na Terra, isto ainda é futuro.


Se o Império Romano é o último dos quatro animais referidos nos capítulos Daniel 2 e 7, e o Império Romano precede imediatamente o Reino de Deus, então é claro que os 10 chifres mencionados aqui são os remanescentes do Império Romano ao longo da história ou uma confederação de 10 países que será um último império. A ressurreição final do Império Romano foi profetizado no livro do Novo Testamento do Apocalipse, um livro que trata especificamente do fim dos tempos e eventos do Dia do Senhor.

A União Europeia foi fundada pelo Tratado de Roma. Sua intenção expressa é a de formar "uma união cada vez mais perto." O que começou como uma união econômica desenvolveu-se uma união monetária. Agora ele está se tornando uma união política plena. Fora dele virão as nações que formam o poder da besta profetizada, a remanescente final do Império Romano que ocasionará para o Reino de Deus.

Em Apocalipse 13:03 é mostrado que o mundo inteiro ficará espantado quando vir o Império Romano revivido. "E vi uma de suas cabeças como se tivesse sido mortalmente ferido, e a sua chaga mortal foi curada. E todo o mundo se maravilhou, seguindo a besta. Seu poder e autoridade afetará toda a terra."

Assista ao segundo vídeo da série Os 7 Sinais:

 Os 7 Sinais - Parte 3 - A Nova Ordem Mundial


No vídeo anterior, falamos que, se nossa interpretação estiver correta, a UE finalmente consolidará sua unificação e se tornará uma "nova Roma". Essa suposição, no contexto atual, parece inconcebível ou até mesmo engraçada, visto que a Europa enfrenta sua pior crise econômica e não mostra chances de se recuperar a ponto de se tornar justo um império. Você precisa entender esta lógica: só há uma grande solução se houver um grande problema. Você precisa entender esta lógica: só há uma grande solução se houver um grande problema. A unificação da Europa e de todos os outros países, ou a tão falada Nova Ordem Mundial, não está sendo proposta como uma boa ideia a acrescentar, mas uma solução para os problemas sociais, políticos e econômicos do mundo. A crise na Europa é apenas um palco armado para pressionar a unificação definitiva da Europa. Em uma crise financeira, quem lucra são os banqueiros e a elite; o povo é quem perde. Vimos no vídeo anterior que as elites, em 2007, já estavam se reunindo em secreto para transformar a Europa em um super-estado. A atual crise na Europa é apenas uma parte dos planos da elite para trazer mais unificação e um líder que governe todos esses países. Noticiários, artigos de opinião e analistas econômicos já têm sugerido a integração total e definitiva entre os países da UE como a solução para a crise.

Uma Crise Fabricada


O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, em seus últimos discursos, tem falado bastante em integração. Disse ele que o bloco de 27 países membros enfrentará uma fragmentação se não houver mais integração econômica do bloco. O discurso foi feito ao Parlamento Europeu no dia 16 de novembro, como noticiaram agências internacionais. A autoridade espera que os países membros da união monetária possam se comprometer a novas metas de redução nos orçamentos estatais, que serão necessárias para enfrentar essa crise. No discurso, a integração econômica novamente foi pauta. Para o líder da comissão, não há possibilidade de se manter a moeda única retirando países do bloco econômico. “Não tornaremos o euro mais forte com a fragmentação da União Europeia”, disse. Segundo ele, a associação dos 17 que hoje são membros deve ser fortalecida, mas sem prejudicar os outros 10 integrantes da UE que ainda pretendem fazer parte do clube que utiliza a moeda europeia.

Se isso acontecer, o segundo sinal será cumprido logo em seguida. A integração maior da UE fortalecerá sua moeda e economia. A UE se tornará uma bloco super-potente, devolvendo o poder à Roma, e se estenderá mundialmente.

Em entrevista à Press TV, Max Keiser, um jornalista financeiro de Paris, comentou sobre os últimos desenvolvimentos em relação à crise económica na Grécia. Max afirmou que a crise a qual José Barroso se referia foi fabricada por bancos nos EUA e Reino Unido para trazer mais centralização e unificação.

" Assim, a Grécia crise econômica é um ataque a partir do exterior do país. É um ataque financeiro, a mesma coisa para a Irlanda."

"Assim, os países sob esse ataque financeiro...todo o continente está sob ataque financeiro. Barroso está simplesmente tornando mais fácil para os banqueiros de fora atacar países europeus individuais em um serviço de criação de um sistema financeiro europeu 
maisunificado, em que alguns banqueiros vão ficar extraordinariamente ricos e todos os outros países individuais vão perder a sua soberania e a população da Europa vão pagar impostos para esse novo nível de bancos europeucentrais."

"Lembre-se nos Estados Unidos não havia imposto de renda até 1913, quando a criação de um Banco da Reserva Federal veio à existênciaQue é quando o imposto de renda passou a existir."

"Agora, quando Barroso trouxer o Banco Central para a Europa, então isso significa que todos na Europa pagarão outra camada enorme de imposto que, claro, é grande para esses banqueiros criminosos."

Então, 
Barroso está meramente fazendo o que é chamado de capitalismo de desastreEles criam uma crise, a fim de extrair riqueza e roubar mais dinheiro de pessoas, utilizando o caos e os impostos."

A Nova Ordem Mundial

A integração maior (econômica e política) da UE que os bancos estão pressionando (até mesmo o Vaticano tem mostrado interesse) é parte dos planos da Elite para trazer ao mundo uma nova ordem política, econômica e religiosa. A UE se unificará primeiro em uma grande potência, devolvendo o poder à Roma. Aos poucos, as outras nações começarão a se agrupar em blocos que, por fim, farão parte de um só bloco com a UE. Não é porque a Nova Ordem Mundial terá grande destaque da Europa que ela é um plano exclusivamente europeu. As elites dos EUA estão por trás da crise atual, para ajudar a empurrar a Nova Ordem Mundial.

A Nova Ordem Mundial consiste em 3 pilares básicos: política, economia e religião. O terceiro pilar é raramente enfatizado, mas é o por meio dele que a NOM se concretizará de vez. Uma nova religião está sendo formada, que será uma espécie de filosofia sob a qual todos estariam debaixo. Essa filosofia teria raízes iluministas e já estaria sendo ensinadas por meio da indústria do entretenimento e pela educação básica. A crença de que todas as religiões são caminhos igualmente válidos para o mesmo destino está sendo ensinado em casas de culto e de instituições religiosas em todo o globo. Este "movimento inter-religioso" está sendo promovido por ONGs, "fundações de caridade" e  os políticos de topo estão apoiando isso com dinheiro em todo o planeta. Algumas igrejas dos EUA estão tentando levar as coisas para esse nível. Em 26 de junho de 2011, a Catedral Nacional em Washington DC e aproximadamente 50 outras igrejas em 26 estados dos EUA fizeram uma leitura pública do Alcorão durante seus cultos de domingo.
A Nova Ordem Mundial será socialismo. Leia as declarações das Nações Unidas e os tratados para a prova deste fato. O indivíduo será subserviente ao estado. Os documentos das Nações Unidas para  todos falam do coletivismo. Eles afirmam que a propriedade privada e gestão da propriedade não são em benefício da raça humana. Essas coisas são envoltas em uma linguagem agradável, e a maioria das pessoas são iludidas e enganadas. No entanto, poucos se  preocuparam em estudar esses documentos.

Na Nova Ordem Mundial as pessoas estarão em servidão à elite controladora! Você não terá liberdade e direitos. O Estado vai cuidar de seus interesses. Você vê como os governos do mundo livre estão lentamente se tornando mais envolvidos na vida cotidiana? Isso é exatamente o que o socialismo é. O governo torna-se envolvido em cada aspecto da vida pessoal. Hoje precisamos de uma licença para tantas coisas. Na Austrália, os agricultores agora exigem permissão para cultivar a terra que possuem. Isto não é liberdade. Na Nova Ordem Mundial, propriedade privada será abolida. Você só vai possuir o que você precisa "depois de tudo isso ser melhor para o mundo."

Assista ao terceiro vídeo da série e entenda como os pilares da Nova Ordem Mundial estão sendo montados e como eles se alinham com as profecias bíblicas para o cumprimento do terceiro sinal que iremos destacar.



 Os 7 Sinais - Parte 4 - A Vinda do Anticristo


Desde os tempos antigos, há mistérios em torno dos acontecimentos do fim dos tempos que permearam a existências de diversos povos antigos. Civilizações em todo mundo registraram, de algum modo, sua escatologia, muitas por meio da mitologia, mas nenhuma foi tão precisa quanto os registros bíblicos proféticos que se encontram hoje a nossa disposição. Na escatologia bíblica, existe um figura central que, segundo essas profecias, dominará o mundo nos  últimos dias antes que haja a segunda vinda de Cristo. Esse personagem escatológico, segundo muitos, é fruto de uma linhagem sanguínea selecionada para esse propósito e que trará ao mundo grande transtorno e tribulação. Ele é o anticristo.

O Anticristo é descrito na Bíblia como o "filho da perdição" e "besta" será como Hitler, que foi um dos arquétipos de anticristo da história. Ele terá um grande carisma e habilidade de falar, "uma boca que falava grandes coisas". O Anticristo subirá ao poder em uma onda de euforia mundial, enquanto ele temporariamente salva o mundo de seus desesperadores problemas econômicos, militares e políticos com um plano de sete anos brilhantes para a paz mundial,  estabilidade econômica e liberdade religiosa.

 Os 7 Sinais - Parte 5 - A Reconstrução do Templo

Aqui está a quinta, e mais esperada, parte da série Os 7 Sinais. Na verdade, esse capítulo já estava sendo produzida em janeiro, mas devido ao retorno das minhas atividades profissionais em fevereiro e inúmeras outras mudanças em minha rotina, não encontrei mais tempo para editar vídeo, visto que essa é uma atividade que demanda muito tempo e paciência (os editores de vídeo que o digam). No entanto, pretendo encerrar essa série em breve, com mais dois episódios.
O quinto sinal é a reconstrução do Templo de Salomão. Depois que a Nova Ordem Mundial estiver instaurada (parcialmente ou não) e o Anticristo revelado, o mundo se encontrará em um estado político e social quase que inimaginável. Na primeira metada de seu governo, o Anticristo apaziguará os conflitos e as guerras, na promessa de trazer paz ao mundo. Sabe-se que hoje, a maior "bomba-relógio" que existe no planeta encontra-se em Israel; portanto, o ditador imediatamente deverá intervir  no assunto e propor paz no conflito judeu-muçulmano por meio de acordos e alianças. Segundo o pacifista Uri Avnery, que lançou um livro de ensaios sobre os conflitos no Oriente Médio, não haverá paz enquanto não houver estado palestino. Então, o Anticristo fará algum tipo de acordo ou aliança com Israel que beneficie ambos os judeus e muçulmanos. Sabe-se que o maior sonho judeu é ver o Templo (de Salomão) re-erguido no mesmo local em que acreditam que existiam os outros dois. Desse modo, o líder da NOM poderia reconstruir o Templo, dentro dos moldes judaicos, como forma de agradar os israelenses, bem como fazer o mundo crer que ele é o Messias. Esse desejo de reconstruir o Templo também encontra-se dentro da Maçonaria e algumas empresas já cuidam da planta e dos objetos que farão parte desse terceiro templo. No entanto, essa tarefa ainda encontra-se difícil no momento, os muçulmanos possuem duas estruturas consideradas muito sagradas que foram erguidas no local do Templo e não estão dispostos a abrir mão. Como então se cumprirá o quinto sinal?


 Os 7 Sinais - Parte 6 - A Invasão de Israel



Os acontecimentos posteriores ao início da Nova Ordem Mundial deixaram o mundo descaracterizado e irreconhecível. O estado político, social e econômico tornou-se caótico; um mundo onde as massas foram oprimidas debaixo de um governo tirano, mantidas vigiadas e monitoradas o tempo todo, desprovidas de sua liberdade básica de professar sua fé no Deus em que elas creem. Muitos foram mortos durante esse período por terem se recusado a adorar o ditador. Os recursos naturais tornaram-se escassos e a Terra escureceu-se, perdendo algumas de suas características naturais vitais. A vida no planeta tornou-se insuportável para aqueles que conseguiram sobreviver. Alguns até mesmo blasfemaram Deus pelo estado caótico em que se encontra a Terra. Outros se rebelaram contra o governo ditador formando pequenos grupos civis que realizaram ações de insubordinação contra o governo dessa Ordem. A Bíblia fala que em um dado momento, um grupo de governantes e países, que provavelmente não estarão mais contentes com o andamento dessa Ordem Mundial, e com a estabilidade financeira que Israel terá, apesar da falsa bondade do Anticristo, formarão alianças entre si para atacar e destruir a nação e o povo de Israel. Em Ezequiel, capítulos 37 a 39,  Israel estará na sua terra como uma nação e que um grande país com seus aliados a invadirão. Apesar de Israel ser invadido, essa invasão será frustrada. Deus promete garantir a proteção a Israel  Quais serão esses países? Qual será a consequência desse ataque? Assista ao sexto vídeo da série.


Obs. A última parte no Youtube