Blog

Blog

8 de dez de 2012

Fundamentalismo católico e o debate gay



O padre  Luís Corrêa Lima     que também é mestre em História Social da Cultura pela PUC-Rio, onde é professor desde 2004, e doutor em História pela Universidade de Brasília , Formado em Administração, Filosofia e Teologia diz discordar da visão católica e preconceituosa contra gays que ainda existe na igreja.

Para ele leis que se usava há mais de dois mil anos atrás na religião judaica não pode servir para a igreja contemporânea, porque ela estava inserida dentro de uma cultura própria que nada tem haver com a modernidade, por exemplo as leis daquele tempo eram cruéis, admitia a pena de morte para homossexuais, e para quem quebrasse algumas leis que hoje são totalmente toleradas na nossa sociedade.

Por outro lado outro padre já diz exatamente o contrário, ele ataca a união entre dois homens como sendo uma  "ideologia gay" defende o sexo não como fonte de prazer e sim de procriação.

Ele ainda reduz a atração sexual pelo mesmo sexo e o amor   apenas como sendo uma fonte de devassidão sexual que gera morte,doenças e outros males.
Só que muita gente discorda da opinião deste padre porque as estatísticas revelam que o número de infectados com o vírus da Aids aumentou muito entre heterossexuais, muitos transam sem uso de preservativo, porque  inclusive a própria igreja condena.


A prostituição é um fenômeno bastante alto entre heterossexuais, isto porque a igreja só admite que sexo legítimo é apenas aquele praticado dentro do casamento, oque vai além disto é um tipo de fornicação e até prostituição.


Muitos acreditam que a igreja católica não tem moral para estabelecer doutrinas  ou estabelecer oque é certo ou errado no campo da  sexualidade, até porque em muitos países católicos existem vários  casos de pedofilia e homossexualismo entre os próprios padres.