Blog

Blog

15 de fev de 2013

Mais vídeos com novas imagens sobre a queda de um meteorito ocorrido hoje na Rússia!


Meteoro na Rússia: Vídeo exclusivo feito no local da queda!

Meteorito na Rússia afeta mais de 500 pessoas O meteorito caído na região de Chelyabinsk nesta sexta-feira (15) pesava dezenas de toneladas, disse o pesquisador sênior do Observatório de Pulkovo em São Petersburgo, Serguei Smirnov. O número de vítimas causadas pela queda passa de 500, segundo o Ministério das Situações de Emergência da Rússia. "Até o presente momento, na região (de Chelyabinsk) foram registrados 514 casos de pessoas afetadas, onze delas foram hospitalizadas, incluindo duas crianças. A maioria dos afetados têm contusões e cortes e, portanto, não precisam de hospitalização. Os afetados receberam os cuidados médicos necessários", diz-se num comunicado difundido pelo centro de imprensa.



Rússia: queda de meteorito causa explosões no céu e fere mais de 950 pessoas

Explosões no céu da região dos Montes Urais, na Rússia, geradas pela queda de um meteorito, causaram pânico e danos em ao menos seis cidades, segundo informações divulgadas pela agência RT nesta sexta-feira. Mais de 500 pessoas, incluindo crianças, ficaram feridas, sendo ao menos três delas com gravidade.
Testemunhas disseram que casas estremeceram, janelas explodiram, a energia elétrica caiu em alguns locais e celulares pararam de funcionar.
A Agência Espacial Europeia (ESA na sigla em inglês) confirmou que o evento não tem relação com o asteroide 2012 DA14, que tem de 45 a 95 metros e deve passar próximo à Terra nesta sexta-feira.
O objeto caiu a 80 quilômetros da cidade de Satki, no distrito de mesmo nome. O fenômento atmosférico, porém, gerou consequências também registradadas nos municípios de Chelyabinsk, Yekaterinburg e Tyumen, entre outros.
Os locais foram atingidos por fragmentos do meteorito, que danificaram residências, prédios e fábricas, além dos efeitos da corrente elétrica. Há relatos de que uma parte do meteorito caiu no fundo de um lago.


No vídeo abaixo morador registra o impacto do meteoro ao tocar o solo Russo:

 

Em Chelyabinsk, moradores reportaram que as explosões foram tão fortes que causaram um tremor de terra e trovões ao mesmo tempo, além de uma cortina de fumaça. Há relatos de objetos em chamas que caíram do céu.
Por conta das janelas estouradas, a população tem recorrido a plásticos para proteger suas casas, já que a média de temperatura nos arredores dos Montes Urais nos próximos dias séria de - 14º C.
O susto fez com que prédios fossem evacuados na região. De acordo com o Ministério para Situações de Emergência da Rússia, o fenômento foi a queda de um meteorito, mas, a princípio, a população acreditou se tratar da explosão de mísseis ou até um ataque de extraterrestres.
Alguns veículos da imprensa chegaram a informar que uma chuva de meteoritos teria caído sobre os Urais, porém a notícia foi revisada posteriormente.
"Não foi uma chuva de meteoritos, mas um meteorito que se desintegrou nas camadas baixas da atmosfera", disse à agência Interfax a porta-voz do Ministério para Situações de Emergência da Rússia, Elena Smirnij.
A porta-voz ministerial também informou que o incidente não alterou os níveis de radiação, que se mantêm dentro dos parâmetros frequentes para a região.

Em Chelyabinsk foi declarado o estado de emergência

Ouvem-se as sirenes de alarme, nos painéis eletrônicos estão passando textos informando da eventualidade de radiação.
Os trabalhadores da Administração da cidade receberam ordem de fechar janelas e fazer uma reserva de água, mantendo-se nos locais de trabalho. É extremamente indesejável sair à rua. Só as pessoas com filhos são autorizadas a sair do trabalho para recolherem as crianças.
Os moradores locais temem que a chuva de meteoros possa ter trazido micróbios desconhecidos e perigosos para os seres humanos.


RUSSIA METEORITE

Meteoro parece não ter relação com asteroide que passará pela Terra
                   

A onda de choque provocada pela queda de um meteoro na manhã desta sexta-feira na região dos Montes Urais, na Rússia, fez com que muitos se lembrassem do asteroide 2012 DA14, que vai passar hoje pela Terra a uma distância de 28 mil quilômetros, mas alguns especialistas dizem não haver correlação entre os dois fatos. 
Donald Yeomans, gerente do Programa de Monitoramento de Objetos Próximos à Terra, da agência espacial norte-americana (Nasa), acredita que o que aconteceu foi provavelmente um "evento de explosão de bola de fogo". "Se os danos em solo puderem ser verificados, podem indicar que um objeto cujo tamanho original tinha a extensão de vários metros antes de entrar na atmosfera terrestre, fragmentando-se e explodindo em razão da diferença de pressão nas partes da frente e de trás", afirmou ele por e-mail à Associated Press. 

"Ainda é muito cedo para fazer estimativas sobre a energia desprendida ou fazer uma avaliação sobre o tamanho original do objeto", acrescentou ele. 

Meios de comunicação russos destacaram a coincidência de o evento ter acontecido no mesmo dia em que o asteroide vai se aproximar do nosso planeta, mas a Agência Espacial Europeia publicou, em sua conta no Twitter, não há relação entre os dois eventos. 

Pequenos pedaços de objetos espaciais - geralmente partes e cometas e asteroides - que estão em rota de colisão com a Terra são chamados de meteoroides. Quando os meteoroides entra na atmosfera da Terra, são chamados de meteoros. A maioria deles queima na atmosfera, mas, caso sobrevivam ao calor provocado pela fricção com o ar e caírem na superfície terrestre, ganham o nome de meteoritos. 

Os eventos desta sexta-feira resultaram numa série de reações de importantes figuras políticas russas. O primeiro-ministro Dmitry Medvedev afirmou, durante um fórum econômico realizado na cidade siberiana de Krasnoyarsk, que o meteoro pode ser um símbolo para o fórum, mostrando que "não apenas a economia está vulnerável, mas todo o planeta". 

Já o líder nacionalista Vladimir Zhirinovsky, conhecido por suas declarações veementes, disse à agência de notícias RIA Novosti que "não é a queda de um meteoro, é o teste de uma nova arma dos norte-americanos". As informações são da Associated Press e da Dow Jones.