Blog

Blog

5 de fev de 2013

Radarnet - Fique por dentro



As Linhas de Nazca

Localizadas no sul do Peru, as Linhas de Nazca são desenhos sulcados no solo que revelam imensas figuras geométricas, linhas que seguem por vários quilômetros, espirais e vários desenhos de animais e figuras humadas, medindo centenas de metros, e nos fazem questionar: Como e quem, há milhares de anos atrás, as desenhou, se a única forma de visualizá-las é a 300 metros de altura? Quais eram as intensões de quem as fez?

Linhas de Nazca
Existem inúmeras teorias para o surgimento dessas linhas, mas os pesquisadores não possuem uma resposta definitiva para o feito. Muitos acreditam que alienígenas estejam envolvidos, afirmando que o povo da época não era suficientemente inteligente e nem tinham as ferramentas adequadas para realizar os desenhos. Mas o mais provável é que foram os próprios Nazca quem desenharam as linhas. Há teses que sustentam que elas serviam para fazer corridas a pé, que serviam de calendário (até porque foram identificados nos desenhos alinhamentos astronômicos) ou tinham propósitos religiosos.

Linhas de Nazca
Os desenhos permaneceram intactos por muito tempo, devido ao fato da superfície do deserto ser de pedra e o solo sendo escuro absorve mais calor, protegendo os desenhos dos ventos e erosão.



Linhas de Nazca
Segue abaixo um breve documentário a respeito das Linhas de Nazca.






A Faixa de Buracos


Você já provavelmente conhece as Linhas de Nazca, no Peru. São grandes desenhos esculpidos no solo arenoso que revelam figuras de animais e formas geométricas. Tais desenhos possuem quilômetros de extensão e só podem ser vistos do alto. Quem os fez e porque ainda é um mistério.

Linhas de Nazca

E só estamos falando desses desenhos nesse artigo porque ali perto está localizado um outro grande mistério, embora menos conhecido, mas igualmente intrigante. Trata-se da denominada “Faixa de Buracos”, que se estende vários quilômetros no deserto peruano.

Faixa de Buracos
Os buracos possuem entre 6 e 10 metros de diâmetro, 2 metros de profundidade e há cerca de 10 mil deles, todos muito semelhantes entre si. Os buracos estão dispostos em linha reta, mas assim, como as linhas, só podem ser vistos de uma altura considerável nessa disposição, daí o nome Faixa de Buracos.

Faixa de Buracos
Os buracos parecem ter sido feitos por alguma máquina, como um grande trator, mas os incas provavelmente não tinham tais veículos há milhares de anos atrás. Os buracos possuem a mesma idade das Linhas de Nazca e provavelmente possuem alguma relação entre si, assim como também com Machu Picchu.

Os pesquisadores tem debatido sobre o motivo daquela faixa de buracos estar ali, e várias hipóteses foram levantadas, como as de que os caçadores estavam procurando animais enterrados, que alguma máquina passou pelo território ou ali havia algum tipo de mineração ou plantação. Alguns vão mais longe e dizem que um robô extraterrestre gigante pousou na Terra em uma nave e recolheu matéria prima como ouro da região.

Faixa de Buracos
É incrível como os buracos permanecem ali sem ser afetados pela erosão, e a teoria de que estes são formados pela própria natureza é prontamente descartada pelos pesquisadores, que lembram a perfeição da disposição dos buracos e o fato de que só podem ser vistos em sua total beleza do céu.


As misteriosas ruínas de Puma Punku


Mais de mil anos antes de Machu Picchu ser erguida na Cordilheira dos Andes, no Peru, Tiwanaku surgiu como uma grande área de atividade econômica, política e religiosa nas margens do Lago Titicaca, na Bolívia. E à 1 quilômetro dali, estão localizadas mais algumas interessantes e misteriosas ruínas que chamam a atenção pelo grande nível de detalhes e refino no tratamento da pedra muito resistente.

Puma Punku

Descoberta nos anos 70, somente há poucos anos atrás que as ruínas de Puma Punku passaram a ser escavadas e exploradas pelos arqueólogos. Elas são muito estranhas, possuem grandes escadarias invertidas e construções desconhecidas, totalmente viradas de cabeça pra baixo, como se ali fosse um palco de uma guerra.
Os pesquisadores acreditam que existia uma pirâmide, hoje em ruínas. Ali estão localizadas as maiores pedras já encontradas em antigas construções na América do Sul, sendo que as maiores chegam a ter um peso de mais de 400 toneladas, todas compostas por granito e diorita (um dos minerais mais duros que existe).
Outra curiosidade a respeito da construção é o seu sistema de junção dos blocos de pedra, nunca vistou em outra região da América. Foram utilizados ranhuras em forma de “I”, onde há cobre e chumbo derretido, que age como uma espécie de cola para prender as pedras.
Alguns pesquisadores afirmam que essas ruínas são o que sobrou de uma grande construção que desabou provavelmente por causa de um forte terremoto.


Puma Punku

Segundo algumas análises, os pesquisadores concluíram que a fonte dessas gigantes pedras estava localizada à cerca de 16 quilômetros dali, e como em Stonehenge e na Ilha de Páscoa, perguntas como “Como as pedras foram transportadas para a região?” ainda desafiam a explicação dos arqueólogos, já que se sabe que naquela época ão havia tecnologia que pudesse transportar e erguer tais blocos de pedra, isso sem falar sobre como estes foram cortados e lapidados.
Abaixo um mini-documentário sobre as ruínas:


E você leitor, o que acha sobre as ruínas de Puma Punka.

Construções antigas: Projeto alienígena ou coincidência?


Por todo o mundo ainda há mistérios que desafiam uma explicação lógica dos pesquisadores e arqueólogos. Falando nisso, um dos maiores mistérios que podemos citar é o perfeito alinhamento entre todos os planetas do Sistema Solar e as Pirâmides do Egito.

Há ainda Stonehenge, que ainda guarda seus mistérios. Quando visto de cima, o grande monumento localizado na Inglaterra, segundo pesquisadores, mostra a órbita dos 9 planetas do nosso Sistema Solar (sim, agora são 8, mas antes, Plutão também estava na conta).
Será que essas e muitas outras magníficas construções de antigamente foram mesmo obras de civilizações terrestres? Confira a opinião de alguns pesquisadores nesse mini-documentário.