Blog

Blog

23 de jun de 2013

Radarnet - Fique por dentro!


 [Massacre em Newtown] Noticiário? Não. É a Velha Agenda




Sei, há muito tempo, que todo o noticiário nos EUA segue uma agenda. Pois hoje descobri que a mesma agenda que comanda o noticiário nos EUA, comanda também o noticiário no resto do mundo.

Por razões que minha razão não alcança, a rede Russia Today Moscou solicitou-me uma entrevista ao vivo, via Skype, sobre o tiroteio em Newtown, Connecticut, numa escola, em que morreram 20 crianças pequenas e vários adultos. Fiquei interessado em saber o que interessaria a Moscou, naquele caso, e concordei em dar a entrevista.

Para minha grande surpresa, o único interesse da rede russa era repetir a história oficial dos EUA sobre os tiros e perguntar a minha opinião sobre se “armas de assalto” deveriam ser proibidas depois do ‘evento’ em Newtown.

Inúmeros objetos podem ser definidos como armas de assalto. Um taco de beisebol, uma faca, um punho, um rifle .22 de um tiro, uma arma de cano duplo, um atiçador de lareira, um revólver de seis balas, um tijolo, uma espada, arco e flecha, lança. E a lista pode aumentar à vontade.

Os que defendem o controle de armas definiram “arma de assalto” como qualquer versão civil de armas semiautomáticas de uso militar, como a AR-15, versão civil da M-16 militar, e a AK-47. Durante o governo Clinton, não se permitia que a versão civil dessas armas apresentasse várias características inofensivas, apenas porque aquelas características davam aos rifles aparência de arma militar;  e as armas não podiam ter carregadores para mais de dez tiros.

Hoje, se compram carregadores de 20 e 30 tiros. Para um profissional, o número de balas no carregador é irrelevante. Com experiência, carregar armas é 

trabalho de um segundo. Aperta-se um botão, o carregador salta, insere-se um novo. Por razões que ninguém entende, os que advogam a favor do controle de armas pensam que carregador para dez tiros converteria a tal  “arma de assalto” em alguma outra coisa.

Disse à rede Russia Today de Moscou que os EUA são o mais completo estado policial que jamais houve na história da humanidade. Graças à tecnologia, Washington consegue espionar quem queira espionar, muito mais e melhor que Joseph Stalin e Adolf Hitler. Até a imaginação de George Orwell, no romance1984, já foi ultrapassada pelo que Washington faz hoje. A “guerra ao terror” é o pretexto para que continue a existir o Estado Policial Americano (EPA).

Mas que sentido teria um estado policial”, perguntei eu, “se a população estiver armada?”. Depois de já terem sido rasgadas todas as emendas constitucionais, a última que resta, a Segunda Emenda [“Sendo necessária à segurança de um Estado livre a existência de uma milícia bem organizada, o direito do povo de possuir e usar armas não poderá ser impedido.”] não sobreviverá por muito tempo.

Mas por que a rede Russia Today Moscou tanto se preocupa com “armas de assalto”? O acusado, Adam Lanza, foi sumariamente declarado culpado. Segundo a Associated Press, o médico da polícia de Newtown, Connecticut, Dr H. Wayne Carver, disse que “todas as vítimas foram mortas à queima-roupa, por vários tiros de rifle”.

Mas a rede Fox News diz que “repórter da CNN informa que a polícia recuperou três armas na cena do crime: uma Glock e uma Sig-Sauer, que são pistolas, além de um rifle 223 Bushmaster. O rifle estava no banco traseiro do carro que o atirador dirigiu até a escola. As pistolas estavam dentro da escola.

A mesma Fox News diz: “Medidas de segurança implementadas esse ano na escola Sandy Hook incluíam manter as portas trancadas durante as horas de aula. E era preciso tocar a campainha para entrar no prédio. Havia uma câmera que mostrava quem entrasse no prédio”. Se essa notícia está correta, como Lanza entrou, armado?

Tentei explicar à rede Russia Today Moscou que essas notícias indicavam que o atirador acusado, já morto, e que não poderá ser interrogado, se, digamos que seja, foi o responsável, ele matou as crianças com pistolas, não com algum “rifle de assalto” deixado no carro, embora o médico tenha falado de tiros de rifle.

Nada faz sentido. Ou as notícias estão erradas, ou o médico está errado, ou as criança não foram assassinadas por Adam Lanza.

Foi demais, para a entrevistadora da rede Russia Today Moscou. Ela cortou-me a palavra, dizendo que fato era que as crianças estão mortas. Interrompeu-me, isso sim, porque o foco da entrevista eram os “rifles de assalto”. Minha suspeita confirmou-se em seguida, quando me pediram para continuar conectado, para uma pergunta pós-entrevista.

A pergunta que Russia Today Moscou tinha a fazer era se eu achava que armas de assalto seriam banidas. Respondi que, na minha opinião, todas as armas devem ser banidas, inclusive as do Pentágono. Já havia dito também, durante a entrevista, que penso que todas as armas devem ser tiradas das mãos de cidadãos norte-americanos, mas que não acredito na eficácia de nenhuma lei, para essa finalidade. Contei a ela que, no início do século 20, os EUA, com sua infinita sabedoria, criaram leis que proibiam completamente bebidas alcoólicas. E havia bebida por todos os cantos. A “Lei Seca” foi o berço (e a fortuna) dos sindicatos do crime. Hoje, as drogas são ilegais, já há décadas. E há drogas por toda parte, e os sindicatos da droga ganham bilhões. Proibir armas terá idêntico destino. Há lei que proíbe porte de armas na Inglaterra, e todos os criminosos andam armados. Hoje, até a polícia britânica, que tradicionalmente era desarmada, já está pesadamente armada. Quando vivi na Inglaterra, as armas não eram proibidas, e a política tinha cassetetes, não armas de fogo.

Mas o foco nas “armas de assalto” é intrigante também por outra razão. Segundo os noticiários, Lanza sofreria de desordem de personalidade, ou de desordem mental, ou, talvez, fosse apenas diferente. Seja como for, tomava remédios. Quero dizer: a culpa é da arma, ou do remédio? Mas, como a agenda, hoje, é banir armas... a culpa é da arma.

No tiroteio anterior, no cinema, no Colorado, cada testemunha viu uma coisa, todas as coisas diferentes do relato oficial; segundo os noticiários, o suspeito estaria envolvido numa espécie de experimento do governo sobre controle da mente. Depois do tiroteio, ele foi encontrado sentado num carro, no estacionamento do cinema.

O tiroteio na escola de Connecticut também tem aspectos estranhos. Em depoimento à polícia, no local, um professor diz que viu “duas sombras correndo por trás do ginásio”. O relatório da política também fala de dois homens numa van que foram parados e detidos; e vários noticiários disseram que a polícia prendeu um homem no bosque próximo. O homem diz: “Não fui eu”. Mas como um homem, no bosque poderia saber que alguém fizera alguma coisa? No bosque, não há televisores; mas o homem negou que tivesse matado crianças. Muito estranho.

O que sempre acontece é vários relatos errados, que começam no primeiro momento, como, no caso de Connecticut, a notícia de que a mãe de Lanza era professora na escola, que foi morta na escola, Lanzatambém matou o pai, que o irmão de Lanza poderia estar envolvido. As discrepâncias da história oficial misturam-se com as falsas notícias, e vice-versa, e é impossível saber o que realmente aconteceu. As pessoas aceitam a versão oficial, porque não há outra.

Tudo isso considerado, mesmo assim, é quase inacreditável que o Russia Today Moscou siga, sem qualquer crítica, o que diz a imprensa nos EUA, e ponha-se a repetir a história oficial, mesmo tendo a dura experiência de ver como a mídia ns EUA distorceu, deliberadamente, todas as notícias da guerra Georgia-Rússia, guerra que foi iniciada pela ex-república soviética da Georgia, mas a imprensa norte-americana noticiou que a culpa foi da Rússia.

Será que Russia Today Moscou realmente acredita no que lê na imprensa dos EUA? Que os mísseis das bases dos EUA que cercam a Rússia fazem mira contra o Irã?

Os americanos vivem bem armados há vários séculos. Mas a “violência das armas” é novidade. Por quê?

Haverá hoje mais gente mentalmente perturbada? Mais gente que toma remédios? Os norte-americanos teríamos perdido completamente o autocontrole? Nossa consciência moral? Os norte-americanos estaremos sendo adestrados por filmes violentos, videogames violentos e onze anos de massacre ininterrupto – o governo dos EUA massacrando povos pelo mundo? Os norte-americanos perderam completamente a capacidade de solidariedade, de amor ao próximo?

Tom McNamara, conferencista da Academia Militar Nacional da França, lembra: “Mas a miséria e o tormento que desabaram sobre Newtown têm de ser multiplicados por mil, para que se saiba o que acontece no mundo árabe. As políticas e as ações dos EUA resultam ali na morte de milhares, se não de centenas de milhares de inocentes. A morte de cada uma daquelas crianças é crime de guerra e é crime contra a humanidade, dos mais evidentes. São crimes que nos chocam e nos ofendem. Que nos obrigam a exigir imediata mudança na política exterior dos EUA. Mas, para que isso aconteça, temos, antes, de aprender que os árabes também choram seus filhos mortos. Isso, os EUA ainda não sabemos.”

O tiroteio na escola em Connecticut é tragédia em vários sentidos. Crianças mortas, famílias que perdem os filhos, e essas tragédias estão sendo usadas para desarmar os norte-americanos. É como nos entregar, rendidos e desarmados, à fúria de um estado policial que só cresce em força e no alcance da ameaça.
 

Veja o vídeo no RT news abaixo (em inglês):

Ative o CC para o português


Tradução: Vila Vudu

Fontes:
Paul Craig Roberts: Agenda Driven News
SGT Report: UPDATE: Was the Sandy Hook Massacre A False Flag Operation? Early Eyewitness 
Reports From Newton, CT Suggest So
- Counter Punch: Do Arabs Cry For Their Children Too?
- FOX News: 20 children, suspect's mother dead in CT elementary school shooting

 DAN BURISH


Dr. Burisch foi um Operativo/Cientista Sênior, primeiro responsável do Comitê da Maioria e do Majestic 12 (1986-2003), depois só para o Majestic 12 (2003-2005), antes de ser interrompida (October 12, 2005).
Ele acabou sendo designado para ser o líder do Grupo de Trabalho do Projeto Aquarius, R-4800, Papoose S-4 no local de teste de Nevada, no mesmo local como Robert Lazar (apenas brevemente quando Lazar estava lá), mas atribuído a uma posição de liderança, por volta de 1994. Ele trabalhou no laboratório subterrâneo biológica que tinha sido instalada no Nível 4. Os procedimentos de segurança para entrar na área incluía escaneamento de retina óptico e identificação de impressão de voz. Tomar banho, fazer a barba, descontaminação, e mudança de roupa foi exigido antes de entrar no laboratório como que havia classificado a um nível de segurança de Bio '5 'que não está listado nos manuais da OSU.
Aqui está uma descrição de Biossegurança nível 4 " :
Práticas, equipamento de segurança e instalações são aplicáveis ​​para trabalhar com agentes perigosos e exóticos que representam um alto risco individual de doença fatal. Todas as manipulações de materiais de diagnóstico potencialmente infecciosos, isolados, e os animais naturalmente ou experimentalmente infectados apresentam um alto risco de exposição e infecção para o pessoal do laboratório. vírus da febre de Lassa é representativo dos microorganismos designados para o nível 4.
Entrar em contato com forma de vida extraterrestre é um nível adicional de risco. Micróbios desconhecidos podem ser transferidos a partir do host para os trabalhadores.

  • ● Projeto Sigma: (TS / Orcon) PROJETO SIGMA: (PROWORD):. AQUARIUS . Originalmente criado como parte do Proj ect XXXXXX em 1954 Tornou-se um projeto separado em 1976. Sua missão era estabelecer a comunicação com os estrangeiros . Este projecto reuniu com positiva sucesso (sic) quando, em 1959, os Estados Unidos estabeleceram comunicação com os primitivos estrangeiros . Em 25 de abril de 1964, um oficial da inteligência da USAF encontrou dois estrangeiros em um local pré-estabelecido no deserto do Novo México. O contato durou cerca de três horas. XXX [por mais de meia linha] XXX o oficial da Força Aérea conseguiu trocar informações básicas com os dois estrangeiros (Atch 7). Este projeto continua em uma base da Força Aérea, no Novo México. (OPR): XXXXXX (Do Aquário documento).

Projeto Sigma no S4 foi associado com satélites e vigilância por satélite.
  • ●     Projeto Galileo: . Lidou com sistema de Propulsão a S e foi a principal área de estudo para Lazar Ele foi levado para a sala de imprensa e disse para estudar os relatórios sobre propulsão e o papel da gravidade como meio de propulsão. Aproveitando, amplificador, e de lente gravitacional 'Gravidade A' básico onda tem muitas outras possibilidades.

  • ●     Sidekick Projeto: Lidou com um potencial arma de feixe do artesanato e da tentativa de um protótipo. alguma forma, usando a gravidade e de lentes que, a fim de colimar o feixe. Uma vez que o feixe é direcionado de forma triangular em um determinado ponto , a opção s de destruição são infinitas.

  • ●    Projeto Aquarius: Um "guarda-chuva" do projeto com foco no estudo das EBEs (ENTIDADES BIOLÓGICAS EXTRATERRESTRES).O Projeto Aquários foi o nome dado ao estudo do J-Rod e as informações recebidas do estudo.

  • ●     Projeto Looking Glass: Lidou com a física de ver os efeitos de uma onda de gravidade artificialmente produzidos no tempo. Este - como com os outros projetos – tem o controle do espaço / tempo como o elemento-chave.

Dan Burisch relata amplos contatos com dois grupos de J-Rods, ambas as raças do humano do futuro, que viajaram de volta no tempo, para o nosso mundo. Um grupo, chamado pelo Majestic de P45s (uma abreviação para Presente + 45.000 anos), veio de 45.000 no futuro. Um outro grupo é chamado de P52s, e veio de 52.000 anos no futuro.

Os P45s também são chamados pelo Majestic de 'os bandidos', e têm agenda própria - o que não acontece com os P52s. Os P45s são comumente relatados em ufologia como 'os Grays (Cinzas)', o grupo que tem levado avante muitas ou todas as abduções. De acordo com Dan, os P45s têm intenção em 'justificar a história deles' e QUEREM que as catástrofes aconteçam como isto ocorreu na história deles e foi importante para a criação deles como uma raça. O propósito das abduções, Dan explicou na recente entrevista ao Projeto Camelot, é um estudo derivativo da genética longitudinal de longo termo que ajudará apenas a beneficiar a espécie deles. Os P52s são mais altruístas e retornaram para tentar ajudar na nossa presente situação.

Também há um terceiro grupo, chamado pelo Majestic de P52 Orions. Esses também são conhecidos na ufologia, em relatórios de contatados com os 'Nórdicos', se parecem muito com os humanos e são uma raça muito espiritual. Dan apenas os encontrou em tratados de negociação e declarou na entrevista recende com o Projeto Camelot que ele os admirou e gostaria de ter passado algum tempo com eles.

As diferenças em filosofia ocorreram após a catástrofe - que em nosso calendário ainda não aconteceu - causada por um grupo (dos P45 e P52 J-Rods) instalados no subsolo da Terra para sobreviverem no mundo pós-apocalíptico até, eventualmente, eles emigrarem para Zeta Reticuli, enquanto o outro grupo (os P52 Orions) deixaram a Terra logo após a catástrofe para se aventurarem na Lua, depois Marte e outros sistemas estelares distantes que se tornaram a nova casa deles. Fatores ambientais e outros criaram a marcante diferença nos dois genomas após vários dezenas de milhares de anos se passarem. Os P52 Orions estavam em boa forma, enquanto os P45 e P52 J-Rods tinham degenerado substancialmente.

De acordo com Dan, foram os P52 Orions que se encontraram com Eisenhower em 1954, e que, naquela epoca, eles julgaram mal a capacidade dos militares de assumir a responsabilidade pela tecnologia que eles tinham entregado naquela reunião. Depois disso, os P52 Orions re-avaliaram a situação e insitiram que as negociações do tratado deviam começar. Os P45 J-Rods não sabiam da existência do grupo Orion até eles os encontrarem neste período. É apenas no contexto das negociações do tratado, em que Dan jogou um papel importante, que os três grupos (quatro, incluindo os humanos do presente) se encontram.

Parece haver um complexo emaranhado e interconectado de linhas de tempo que foram criadas na tentativa de 'consertar' essa situação. Como Henry Deacon, que confirma o testemunho de Dan, nos explicou pessoalmente, a essência dos problemas da linha de tempo é que se viajarmos de volta no tempo e matarmos o avô - o famosos 'paradoxo do avô' - não se deixa de existir na presente linha de tempo. Em vez disso, o paradoxo é evitado por outra linha de tempo paralela sendo criada no ponto da morte do avô. Pode existir qualquer número de tais linhas paralelas e futuras linhas de tempo (criadas por seres do futuro viajando de volta no tempo para fazer mudanças) existe apenas os potencias para nós e não as realidades fixas predeterminantes. Isto é metafisicamente importante, já que a escolha e o livre arbítrio são preservados em todos os tempos.
Após a catástrofe (na linha de tempo, na história deles), os J-Rods analisaram porque isso tinha ocorrido. A conclusão deles foi que era quase certo que o efeito de amplificação dos dispositivos artificias do Stargate e do Looking Glass (distintos dos stargates naturais, que não são um perigo) tinham precipitado a catástrofe.

A missão dos P52 J-Rods e P52 Orions era voltar no tempo para nos aconselhar fortemente a descontinuar esses dispositivos até após o período de perigo ter passado - cerca de 2005 a 2017, para dar uma boa margem de segurança. De acordo com Dan, isso ocorreu. Veja a recente entrevista dele com o Projeto Camelot para maiores detalhes. Dan que de acordo com os dados do Looking Glass (a última data obtida antes dos dispositivos serem desligados) a probabilidade da catástrofe ter sido evitada era de 81%, com um confidência de 85% na precisão dos cálculos.


ENTREVISTA DE DAN BURISH PARA O PROJETO CAMELOT


PARTE 1/4


PARTE 2/4


PARTE 3/4


PARTE 4/4

 A MÍDIA E O FIM DO MUNDO

QUEM SE BENEFICIA COM O FIM DO MUNDO?


Discovery compartilha plano da América para Fim do Mundo

Fim do Mundo, América, Discovery, Doomsday

Após a passagem do furacão Sandy sobre os EUA, o Discovery Channel vai exibir no próximo domingo um documentário com informações consideradas ultra-secretas de planos e instalações criados pelo governo  norte-americano para enfrentar um cenário apocalíptico.

Plano da América para o Fim do Mundo mostrará um avião feito especialmente para preservar a vida do presidente dos EUA em situações de emergência, abrigos nucleares em várias partes do país e um plano de continuidade da administração federal em caso de catástrofe.

O Discovery Channel também divulga pela primeira vez ao público detalhes do plano Doomsday de administrações passadas. Durante a administração Reagan, por exemplo, novos bunkers foram abertos nos EUA para o presidente e para membros de seu gabinete. Grande parte do foco naquele momento envolvia os impactos de uma guerra nuclear entre EUA e União Soviética.


Segundo o especialista e escritor de assuntos apocalípticos, Marc Ambinder, que participou da produção do documentário, muitas teorias abordadas sobre a crença de um cenário do governo pós-Fim do Mundo inclui planos para um governo extralegal militar, bem como suspender a Constituição. Ambinder diz que não encontrou nenhuma evidência disso, mas admite muitos detalhes permanecem classificados.

O especialista também diz que 30 por cento do trabalho da FEMA, uma organização criada especialmente para evitar e administrar desastres trabalha com programas de continuidade secretos.
Parte do mundo da FEMA é um segredo como a existência de um centro de operações em Virgínia chamado Tempo Monte. É um dos vários locais de realojamento destinados a funcionários de alto nível militar durante uma catástrofe. O centro inclui um sistema de rádio de alta frequência projetado para a comunicação entre os órgãos de segurança pública e estados durante um desastre.

No documentário, os telespectadores vão poder ver ainda um avião da Força Aérea que é parte essencial do plano Doomsday, com um centro de comando estratégico. O Boeing 747 foi projetado para permitir que o presidente comande o país a partir do ar durante um tempo de catástrofe.





FONTE: http://portuguese.ruvr.ru/2012_11_03/discovery-compartilhou-planos-dos-eua-para-fim-do-mundo/

 CIENTISTAS DESCOBREM PORTAIS ELETROMAGNÉTICOS OCULTOS NA TERRA

Espiral no céu da Noruega em 09/12/2009

De acordo com a NASA, Jack Scudder — um pesquisador da Universidade de Iowa — descobriu “portais ocultos no campo magnético da Terra [que] abrem e fecham dezenas de vezes por dia.” Alguns deles ficam abertos por longos períodos.

Scudder diz que esses portais “criam um caminho ininterrupto que levam do nosso planeta à atmosfera do Sol a 149 milhões de quilômetros.”
Chamados pontos-X ou regiões de difusão de elétrons, eles estão localizados a “algumas dezenas de milhares de quilômetros da Terra.” Os portais são criados através de um processo de reconexão magnética no qual linhas de força magnética de ambos os corpos celestiais se misturam e se cruzam através do espaço. Os cruzamentos criam esses pontos-x.
Os portais são “invisíveis, instáveis e elusivos,” abrindo e fechando sem qualquer aviso. Quando eles se abrem, são capazes de transportar partículas energéticas a altas velocidades da atmosfera do Sol à da Terra, causando tempestades geomagnéticas.

Existe uma forma de localizá-las e Scudder a descobriu. Ele usa dados da nave THEMIS, da NASA, e de naves Cluster da ESA, seguindo pistas cruciais encontradas em dados da nave Polar, da NASA, que estudou a magnetosfera terrestre no final dos anos 1990.

“Usando dados da Polar, nós descobrimos cinco combinações simples do campo magnético e medidas de partículas energéticas que nos dizem quando vamos cruzar com um ponto-x ou uma região de difusão de elétrons. Uma única nave espacial, com os equipamentos apropriados, pode realizar esses cálculos.”

A NASA está preparando essa nave em sua Missão Multiescala da Magnetosfera. Um esquadrão delas: quatro naves que serão colocadas ao redor da Terra e “cercar os portais para observar como eles trabalham.” A missão será enviada em 2014. [NASA].



Fonte: Gizmodo

 CURIOSITY E A SAGA DA NASA PARA OCULTAR O QUE TODO MUNDO JÁ SABE


Marte: Curiosity encontra moléculas orgânicas simples



Curiosity, Marte, moléculas orgânicas, rover, espaço


O jipe Curiosity encontrou moléculas orgânicas simples em Marte, anunciou hoje Charles Elachi, o diretor do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL), responsável por esta missão de investigação, em uma conferência especial.

"Sem dúvida, essas conclusões são preliminares e necessitam de confirmação", disse o perito, indicando que todos os dados estarão disponíveis para o JPL em 3 de fevereiro.
Entretanto, caso as informações sobre a descoberta de moléculas orgânicas em Marte sejam confirmadas, isto permitirá aos especialistas estabelecer se existiu ou não alguma forma de vida no Planeta Vermelho.

FONTE: VOZ DA RUSSIA

Enquanto isso em Marte:





Ativar o CC para o idioma português

 DEMONSTRAÇÃO DE HIPERCUBO DA DIMENSÃO 0 A 6

Parece fácil para você? Então se concentre e deixe sua mente fazer todos os transportes de uma dimensão para outra com todos os movimentos...