Blog

Blog

22 de set de 2013

Direto da redação - Edição da tarde!

Neste post reportamos algumas matérias! Para quem não viu!...


Maconha: A Crônica História

Já reparou que a maconha é a droga ilícita mais conhecida no mundo?
Sempre que vemos uma propaganda anti-drogas, ela é a marca estampada. Aquela folha grande e verde, é sempre a que mais aparece nos cartazes de divulgação de campanhas contra as drogas.
Mas alguma vez você já se perguntou o porquê disso?

É bem visto que a maconha é uma droga inofensiva, que não causa grandes problemas para a sociedade, lembrando que o álcool, que é legalizado, mata mais gente no trânsito do que qualquer outra droga. Mas ainda assim a maconha é ilícita e o que não falta são pessoas para apontar o dedo para os tais maconheiros.
Pois bem, mais uma vez o Mente Aguçada irá abrir espaço para um documentário sobre a questão da maconha, visto que é um tema que atinge e interessa a todos, independente da sua opinião.

John Lennon, cantor dos Beatles, fumava maconha
Existem grandes controvérsias na política do proibicionismo, isso é um fato. O álcool e o tabaco serem legais é um absurdo, já que são drogas perigosas e de alto dano a sociedade em geral. O argumento usado pelos chamados "caretas" é que são drogas menos pesadas e menos viciantes que a maconha. Isso não é somente uma calúnia, é uma falta de informação tremenda. O tabaco por exemplo causa um dano muito maior ao pulmão do que a maconha. Se não acredita em mim então leia um trecho dessa matéria publicada no G1 no dia 11/01/2012:
 
 "Fumar maconha é menos danoso ao pulmão do que consumir os cigarros tradicionais, de tabaco, segundo um estudo norte-americano publicado na terça-feira (10) pela revista científica “Journal of the American Medical Association”. Stefan Kertesz, autor do estudo, disse ao G1 que o consumo da maconha envolve mecanismos mais complexos, não só no corpo como um todo, mas também nos aspectos morais e culturais"


Não é justo que o álcool, responsável por brigas em bares e diversos acidentes, ou o tabaco, que mata milhões devido ao câncer de pulmão, serem legalizados, enquanto a maconha, a erva do famoso "paz e amor, bicho", seja ainda vista por boa parte da população como uma droga não só perigosa, mas também porta de entrada para outras drogas.
Brad Pitt fuma maconha
Se há de fato uma porta de entrada, sem dúvida nenhuma, inegavelmente, é o próprio álcool. Praticamente todos que usam algum tipo de droga experimentaram primeiro o álcool. A famosa cervejinha com os amigos, que passa na TV como um momento super bacana, descontraído, de confraternização, uma coisa alegre e legal, é essa a imagem que leva ao álcool. Já com a maconha, a coisa funciona completamente diferente: A maconha é passada como uma coisa péssima, marginalizada, criminosa, o próprio nome maconheiro já é estigmatizado na sociedade. Porém, quando os jovens geralmente fumam pela primeira vez sentem-se revoltados ao descobrirem que tudo aquilo que passaram para eles era mentira.

Chico Buarque fuma maconha
Somente nos EUA a maconha rende bilhões. A planta é multifuncional, não só dá barato aos maconheiros, como trata doenças sérias como o câncer, esclerose múltipla, além de diversas utilidades comerciais. 
A guerra às drogas nunca funcionou, uma causa perdida onde a perseguição à oferta não freia a demanda. O modelo de repressão simplesmente é falho e todos sabem disso, mas preferem continuar a perseguir traficantes, matar os aviõezinhos e prender os usuários, jogando a culpa nestes, que não querem guerra, pois o que mais lutam é por paz.
A desinformação leva a ignorância, não corra para o lado de quem está ganhando e sim de quem está certo. Informe-se, não seja mais um na multidão. Aprenda, e desconfie de tudo, não acredite logo de cara, procure em fontes confiáveis o que quer saber ao invés de ouvir meras palavras de quem se acha entendido em qualquer que seja o assunto.



Maconha: A Erva Maldita?

Será que a maconha é tão má como dizem?
Está aberta a sessão de julgamento.
No banco dos réus, a maconha.



A planta mais polêmica e controversa do planeta, a erva psicoativa mais popular, a droga ilegal mais utilizada do mundo, a mais amada e a mais odiada, a maconha. De um lado, o promotor. Seus argumentos são que a cannabis é uma droga viciante, que causa danos cerebrais gravíssimos, além de ser porta de entrada para a utilização de outras drogas, matando seus usuários impiedosamente. Do outro lado, a defesa. Seus argumentos são exatamente o oposto, afirmando que a maconha não vicia, que os neurônios não são afetados pelo uso da erva e que ela nada tem a ver com a passagem para outras drogas, assim como contradizem categoricamente, que jamais na história da humanidade, alguém tenha sido vítima de uma overdose de maconha.


Quem está certo? A cannabis é a mocinha ou a vilã? Ela está aí para nos salvar ou para simplesmente nos destruir? Bem, muitas dessas perguntas já têm respostas há algum tempo, mas são muitos os que ainda não as aceitam, refutando qualquer prova que seja a favor da erva. O mais correto a ser feito é sempre aplicar uma visão científica, levando em conta estudos, pesquisas, e não a opinião pessoal, pois o que interessa na realidade são os fatos, independente do ponto de vista de cada um.

Toda droga tem seu potencial de dano, mas a maconha está muito longe de ser algo verdadeiramente perigoso. A planta é a maior de todas as vítimas, sendo julgada "culpada" por um crime que nunca cometeu, banida da sociedade de maneira preconceituosa e injusta. Mesmo após serem apresentadas todas as provas possíveis para provar sua inocência, é negada a sua "absolvição" e inúmeras pessoas pelo mundo não sabem a verdade sobre ela.
Mais uma vez, o Mente Aguçada abordará essa questão tão importante, trazendo o documentário Maconha: A Erva Maldita?, para que possamos chegar a uma conclusão sobre esta planta.




Faixa de áudio desativada




Opção Erva: A História da Marijuana

Óleo, alimentos, papel, tecidos, plástico, medicamentos, e de quebra, efeitos psicoativos.
Estas são apenas algumas das inúmeras funções daquela que se tornou a planta mais polêmica do mundo:
Para alguns, uma droga que representa uma séria ameaça aos adolescentes, vista como o ponto de partida para o uso de drogas mais perigosas. Para outros, uma benção da natureza, capaz de aliviar o stress da vida cotidiana de uma forma mais amena e segura que outras drogas, como álcool ou sedativos.


A cannabis, ou massa, barro, chá, ganja, é a droga ilícita mais utilizada em todo o planeta, além de ser uma das plantas mais rentáveis e úteis, tendo uma ampla gama de funcionalidades em diversos setores. Mas como tudo nesse mundo, nada é perfeito e com a maconha não seria diferente, tendo inimigos por todos os lados.
A ignorância e a falta de conhecimento são fatores predominantes nessa guerra travada contra a planta, pois na grande maioria dos casos, percebemos que as pessoas não conhecem sobre o que estão falando. A destruição dos neurônios é sem dúvida o maior dos equívocos que insistem em continuar nas mentes dos leigos no assunto, acreditando que fumar a erva "queima os neurônios" e isso é um verdadeiro pesadelo. 

Imagine se os usuários de maconha perdessem seus neurônios pelo seu hábito de ficar chapado. Teríamos então uma legião de retardados e lerdos ao redor do mundo, pois temos muitos exemplos de maconheiros e sabemos que eles não são assim, como Brad Pitt, um ator talentoso e de renome no mundo artístico, Bob Marley, uma figura icônica no contexto da música, ou o governador do Estado do Texas, protagonista de vários filmes, Arnold Schwarzenegger. Todos eles são pessoas muito bem sucedidas e esclarecidas, assim como muitas outras comuns, médicos, advogados, psicólogos e todo e qualquer setor, estão em todos os lados, mesmo que ocultos.
Criou-se um estereótipo completamente distorcido sobre o tão mal falado maconheiro, o qual foi conhecido em outras épocas como revolucionário, pensador, mais humano. John Lennon foi um bom exemplo desse período e marcou a vida de muita gente com suas músicas de igualdade e paz. Mesmo após toda a repressão e à forte "lavagem cerebral" feita pelo governo em cima da erva, ainda existem aqueles que lutam em sua defesa. Muitas pessoas precisam dela, negá-las esse direito é uma verdadeira injustiça. Enquanto isso o álcool rola solto, destruindo muito mais famílias do que a maconha, que é proibida e reprimida não só pela polícia e pelo governo, mas pela própria sociedade. Uma planta tão valiosa, com tantas utilidades, ser perseguida de forma tão banal não faz o menor sentido.
É por isso que mais uma vez o Mente Aguçada terá a honra de abrir as portas para esse tema ainda em debate, com o documentário Opção Erva: A História da Marijuana, onde você ficará por dentro do quanto esta planta é valiosa para toda a sociedade e quais são os bens de abolir a proibição, dando fim a uma guerra que já dura muitas décadas.



Maconha Medicinal

Câncer, aids, esclerose múltipla, dor, glaucoma, ansiedade, insônia, epilepsia...
A maconha medicinal pode ajudar em vários problemas, mas ainda assim, é proibida.

A cannabis já demonstrou o seu potencial ao auxiliar no combate de inúmeras doenças, porém existe uma forte resistência quando o assunto é a legalização da erva. Milhões de pessoas ao redor do mundo estão sofrendo neste exato momento, mas poderiam ter sua dor reduzida com a utilização da maconha medicinal, voltada para o seu tratamento.

O que se criou na sociedade foi um tabu extremo, onde a cannabis é vista como uma verdadeira vilã, levando as pessoas a esquecerem o que de fato ela é, uma planta. Como proibir o uso de uma erva? Como reprimir o plantio de um pé de maconha?

Qualquer um que analise o caso um pouco mais a fundo, sem medo de adentrar as profundezas dessa droga, verá o quão absurdo isso é. Em primeiro lugar, é impossível reprimir o uso da erva, em segundo, aquele que defende a repressão e a proibição está dando um tiro no pé, ao não notar o mal que isso causa a diversas pessoas.

Se você já teve algum caso de câncer na família, ou até mesmo acompanhou alguém que teve a doença, sabe o quão doloroso é o tratamento quimioterápico. O paciente vomita com facilidade e constantemente, não sente fome, fica fraco, debilitado. Mas ao falar com o próprio doente, que está passando por um enorme sofrimento, sobre ele fazer uso de maconha medicinal para aliviar sua dor, o próprio nega fazê-lo devido a uma série de fatores, como a sociedade, a descriminação, o fato de ser crime, etc. Aquele que sugere o uso também sente-se impotente, pois o que está pedindo é que o paciente pratique um crime, de acordo com o código penal.

A verdade é que essa planta tem de longe o maior potencial já visto, com inúmeras aplicações, não somente medicinais. Os lucros que ela pode produzir são inestimáveis, é impossível chutar quanto dinheiro ela pode trazer para aqueles que a gerenciarem. É por isso que muitos empresários e empreendedores já estão de olho na erva e com o dedo no gatilho, prontos para assumir o controle assim que o dia chegar. Por mais perigoso que seja, não são poucas as pessoas que já perceberam com o que estão lidando. O palpite mais certo é que dentro da sociedade capitalista em que vivemos, cedo ou tarde o poder da maconha virá a tona e, nesse momento, não haverá como não se render a ela.




Vídeo de louvor a Obama causa indignação na Rede

Video de louvor a Obama causa indignacao na Rede Vídeo de louvor a Obama causa indignação na Rede

Vídeo viral do YouTube que captura um jovem orando  a Barack Obama despertou indignação no ciberespaço, gerando centenas de comentários negativos de telespectadores.

O vídeo, Oração para o presidente Barack Obama, foi postada no domingo, e logo disparou em acessos logo após ser carregado. Um menino Afro americano chamado Steven apresenta a gravação como sendo a sua oração para Obama. “Barack Obama, obrigado por fazer tudo e todas as coisas tipo”, ele começa, a cabeça baixa, os olhos bem fechados. “Obrigado por todas as coisas  que nos ajudou com. Obrigado por ter a coragem e a responsabilidade por tudo que tem feito por nós. “ “Deus lhe deu um poder especial”, ele continua, “E você vai lidar com isso muito bem.” A oração do menino, em seguida, termina com uma exaltação . “Você é bom, Barack Obama. Você está ótimo “, diz ele. “E quando você envelhece, você será capaz de fazer grandes coisas.”
Video de louvor a Obama causa indignacao na Rede2 Vídeo de louvor a Obama causa indignação na Rede

O vídeo termina com o menino jogando as mãos no ar, proclamando: “Barack Obama!” “Enquanto estamos orando para Obama, permita-me acrescentar os meus sentimentos”, escreveu um espectador. “Obrigado Barack Obama por todas as crianças seus ataques aéreos mataram e vão continuar a matar. Obrigado por espionar cidadãos dos EUA em massa. Obrigado por minar a Constituição e a Bill of Rights cada chance que tiver. Sim, você é realmente ótimo! “ “Obrigado por um telefone gratuito Obama. Obrigado por ter milhões de norte-americanos no vale-refeição. Obrigado por uma economia que está no decair. … Devo ir em frente? “Outro publicado. “Ah, sim, e obrigado por mim e minha esposa estarmos  desempregados .” 

Confira o Vídeo abaixo:



“Uau, isso não é um sacrilégio ou uma blasfêmia de qualquer forma”, disse um espectador que escreveu sarcasticamente. “Eu me sinto mal por esse garoto ter sofrido uma lavagem cerebral.” “Orar como se Obama fosse um deus-Bom, ele é apenas um garoto, ele não sabia de nada”, escreveu outro. “Mas os pais que o induziram ele a  fazer isso. Para os pais:. Obama não é Deus, ok, ele é apenas um homem “ . Outras observações  duras e ataques com palavrões, Enquanto muitos ficaram chocados com o vídeo, a controvérsia sobre a adoração Obama percebida foi em erupção desde a eleição de 2008. . Além disso, para marcar o 100 º dia de Obama na presidência, o artista Michael D'Antuono revelou uma pintura que mostrava Obama no Salão Oval usando uma coroa de espinhos e levantando os braços como se na cruz. Durante  A convenção National Democratica  de setembro do ano passado, um número de vendedores ofereceram produtos que mostravam Obama como uma espécie de messias. Um cartaz que foi vendida no DNC exibida a cabeça de Obama, que desapareceu em um gráfico de uma Bíblia aberta com a palavra “Barak”, destacou. Acima de Obama foi a manchete “Profetiza cumprida”.camisetas também foram vendidas por vendedores que citam o Salmo 110:1, que diz: “O Senhor disse ao meu Senhor: 'Senta-te à minha direita até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés . “Além disso, os calendários de Obama foram para a venda, que usou as Escrituras para cada mês do ano para apontar para Obama. Antes do período eleitoral de 2012, Florida A & M professora Barbara A. Thompson também escreveu um livro intitulado O Evangelho segundo o Apóstolo Barack na qual ela afirmou que ela foi dada uma série de sonhos por Deus, onde ela foi capaz de perceber o propósito de Obama como o líder do mundo livre. “Eu aprendi que Jesus caminhou sobre a terra para criar uma sociedade mais civilizada; Martin (Luther King ) andou na terra para criar uma sociedade mais justificado, mas, Apóstolo Barack, o nome que ele foi chamado em meus sonhos, seria andar na terra para criar uma sociedade mais justa para a classe média e trabalhadores pobres “, escreveu Thompson. “Apóstolo Barack , o próximo líder jovem, com uma nova causa, tinha sido levado para o topo da montanha e permissão para ver do outro lado. Ele tinha as respostas para desbloquear o reino de “céu aqui na terra” para seus seguidores. “






Fontes:youtubedailymail

Os Quatro Cavaleiros do Ateísmo

O ateísmo sempre foi mal visto pela maior parte da sociedade. Chamados de anti-cristo, demônios, bruxos.
Existem cerca de 8 milhões de deuses. Todas as pessoas que crêem em alguma divindade, que seguem alguma religião, de certa forma estão rejeitando os outros 7999 deuses. Bem, um ateísta é descrente desses mesmos 7999, mais 1. O ateu não crê na existência de nenhuma divindade.
Os ateus são céticos, descrentes em relação a afirmações sobrenaturais, devido a falta de evidências empíricas. Se assemelham aos cientistas, que realizam testes e observações para comprovar suas crenças.
Esse vídeo mostra os quatro maiores nomes do ateísmo: Richard Dawkins, Daniel Dennett, Sam Harris e Christopher Hitchens, num debate altamente intelectual sobre o ateísmo.


Eminente zoólogo, etólogo, evolucionista e popular escritor de divulgação científica britânico, natural do Quênia, além de ex-professor da Universidade de Oxford. Conhecido principalmente pela sua visão evolucionista centrada no gene, exposta em seu livro O Gene Egoísta, publicado em 1976. Escreveu muitos outros livros sobre evolução e apareceu em vários programas de televisão e rádio para falar de temas como biologia evolutiva, criacionismo e religião. É famoso por sua defesa e divulgação de correntes como o ateísmo, ceticismo e humanismo. Também é um entusiasta do movimento bright e, como comentador de ciência, religião e política, um dos maiores intelectuais conhecidos no mundo. Esses assuntos são retratados em Deus, um delírio, livro de sua autoria que se tornou best-seller em várias partes do mundo.



Proeminente filósofo estadunidense, suas pesquisas se prendem principalmente à filosofia da mente (relacionada à ciência cognitiva) e da biologia. Dennett é ainda um dos mais proeminentes ateus da atualidade. Ele foi eleito para a Academia Americana de Artes e Ciências, em 1987. Co-fundador (1985) e co-diretor do Software Studio Curricular na Tufts University, contribuiu para a concepção que o museu exibe em computadores para o Smithsonian Institution, o Museu da Ciência, em Boston, e Museu do Computador, em Boston. Ele é um humanista laureado da Academia Internacional de Humanismo e um Fellow da Comissão de Inquérito Skeptical. A Associação Humanista Americana chamou-o de Humanista do Ano 2004.
Escritor, filósofo, e neurocientista estadunidense. É o autor de O Fim da Fé (2004), laureado com o prêmio PEN/Martha Albrand em 2005, e de Carta a Uma Nação Cristã (2006), uma resposta elaborada às críticas que o livro anterior recebeu. Em 2009, ele completou o seu doutorado em neurociência na Universidade da Califórnia em Los Angeles. A mensagem básica de Harris é a de que chegou a hora de questionar livremente a ideia de fé religiosa. Ele entende que a sobrevivência da civilização está em perigo devido ao tabu de não se permitir questionar as crenças religiosas. Sua posição é a de que o ateísmo não é uma visão de mundo ou filosofia, mas a "destruição de ideias más". Declara que a religião é especialmente cheia de ideias más, chamando de "um dos mais perversos maus usos de inteligência que nós já inventamos"


Jornalista, escritor e crítico literário britânico e americano, escreveu para uma variedade de publicações incluindo a Vanity Fair, The Nation, Harper's, e The New Yorker. É frequentemente considerado um dos mais proeminentes expoentes do moderno ateísmo e é descrito como parte do movimento do "novo ateísmo". Seu livro "Deus não é grande – como as religiões envenenam tudo", publicado em 2007, o alçou a essa posição de grande destaque.
É humanista e antiteísta, descreve-se como um crente nos valores filosóficos do Iluminismo. 
Seu principal argumento é o de que o conceito de Deus ou de um ser supremo é uma crença totalitária que destrói a liberdade individual, acreditando que a livre expressão e a investigação científica deveriam substituir a religião como um meio de ensinar ética e definir a civilização humana.

Neste vídeo você terá a honra de ver esses quatro gigantes, sentados numa pequena mesa redonda, apenas conversando, num debate pra lá de interessante sobre ateísmo.


Deus, Um Delírio - O Debate


A religião nos ensina a nos contentarmos com o não entendimento. Quando você observa a beleza do mundo e se pergunta como ele veio a ser o que é, você naturalmente se enche com um sentimento de redenção, um sentimento de admiração. E você sente a vontade de adorar alguma coisa. Todos nós sentimos isso. Outros cientistas como Carl Sagan sentem isso, Einstein sentiu isso.

Todos nós compartilhamos uma espécie de reverência religiosa para as belezas do universo, para a complexidade da vida, para a magnitude do cosmos, a magnitude do tempo geológico. E é tentador transportar esse sentimento de admiração e adoração em um desejo de adorar alguma coisa em particular, uma pessoa, um agente.

Queremos atribuir isso a um fabricante, a um criador. O que a ciência alcançou é uma emancipação desse impulso de atribuir essas coisas a um criador.

Os humanos têm um desejo enorme de achar que eles explicaram alguma coisa, ao atribuir isso a um criador. Estamos tão acostumados a explicar as coisas em nosso próprio mundo como tudo que fabricamos, as roupas que usamos, as cadeiras em que nos sentamos. Tudo que vemos ao nosso redor é um objeto manufaturado. Então é tão tentador acreditar que as coisas vivas, as estrelas, as montanhas ou os rios tenham sido feitos por alguma coisa. Foi uma conquista suprema do intelecto humano entender que existe uma explicação melhor para essas coisas. Que essas coisas podem surgir por pura causa natural.
Quando a ciência começou, o alvo a ser alcançado existia, mas não sabíamos o suficiente.
Hoje em dia, no início do século XXI, nós ainda não sabemos tudo. Mas alcançamos uma quantidade enorme no que diz respeito a compreensão.

Sabemos que somos primos de todos os animais e plantas. Sabemos que somos descendentes de um ancestral comum que deve ter sido algo do tipo da bactéria, sabemos o processo pelo qual surgimos.

Não sabemos os detalhes, mas entendemos essencialmente como surgimos. Ainda existem lacunas em nosso entendimento. Nós não entendemos como o cosmos veio a existir em primeiro lugar. Mas estamos trabalhando nisso. O empreendimento cientifico é uma busca ativa. Uma busca ativa pelas lacunas em nosso conhecimento.

 Mas a religião nos ensina a nos contentarmos com o não-entendimento. Cada uma dessas questões difíceis que surgem, a ciência diz: "Certo vamos arregaçar as mangas e trabalhar nisto". A religião diz: "Não precisamos trabalhar nisto, foi Deus quem fez". A religião interrompe o impulso de entendermos, porque a religião nos fornece uma explicação superficial e fácil e ela nos impede de trabalhar no problema.

Essa é a visão de Richard Dawkins no livro Deus, um Delírio.
Muitos religiosos discordam de suas idéias. Então, nada mais justo do que promover um debate entre ateísmo e religião, para que os dois lados tenham direitos iguais e opinem sobre questões controversas.

Richard Dawkins e John Lennox

Deus, um Delírio - O Debate traz Richard Dawkins e John Lennox ao palco para debaterem os princípios básicos do best-seller escrito por Dawkins.






Para muitos, as plantas podem parecer entediantes.
Mas ao entrarmos em seu mundo descobrimos o quão fascinantes elas podem ser.

As plantas são seres vivos muito mais interessantes do que estamos acostumados a ver. Na verdade, acompanhamos a vida delas na nossa escala de tempo, o que acaba tornando-as monótonas, pois seu mundo funciona muito mais devagar. Entretanto, quando exploramos as maravilhas de seu reino nos deparamos com sua diversidade e eficácia para se manterem vivas em condições adversas. São encantadoras, atraentes, quase hipnotizantes. Como um feitiço, elas têm o poder de causar tamanha admiração naqueles que as estudam que é impossível não dar atenção ao seus extraordinários mecanismos de sobrevivência.
Royal Botanic Gardens de Kew
E para explorar esse mundo tão diferente nada melhor do que adentrar as portas do Royal Botanic Gardens de Kew, onde cerca de 90% de todas as espécies de plantas conhecidas são representadas de uma forma ou de outra. Na série Reino das Plantas, câmeras 3D vão revelar os segredos em torno desse universo fantástico, mostrando tudo aquilo que nós frequentemente desconhecemos. Apresentada pelo ilustre David Attenborough, a série é composta por 3 episódios incríveis, que farão você se espantar com as técnicas desenvolvidas pelas plantas para se manter em seus habitats.
Veremos espécies de extrema complexidade, desde cactos do deserto a flores que comem ratos inteiros. Acompanharemos os sistemas utilizados pelas plantas e sua cooperação com outros animais. Conheceremos os mistérios que ainda as rodeiam e saberemos como seu funcionamento é imprescindível para o resto do mundo. Iremos acelerar o tempo e ampliar as imagens para ver com mais precisão, desvendando um universo pouco conhecido por muitos, o magnífico e deslumbrante reino das plantas.



Mensagem contundente

It´s just a ride.
É realmente espectacular o carisma de Bill Hicks. Muito pouco conhecido entre nós, podemos dizer dele e tendo em atenção o post anterior, que foi um verdadeiro Jocker. Talvez tenha "acordado" os poderes obscuros que nos (des)governam e daí a sua morte prematura com 32 anos de idade. A brincar se dizem muitas verdades. Vale a pena pensar nisto.
E tenha um bom fim de semana!






Jornada da Vida


Como ela aconteceu?
De que maneira a vida evoluiu até se tornar o que é hoje?

De onde as milhões de espécies existentes no mundo vieram? Plantas, peixes, crustáceos, insetos, anfíbios, répteis, aves, mamíferos, todos eles estão ligados, mas como isso é possível? Se você sempre procurou por essas respostas, tentando entender como a evolução funciona, então é nesta fantástica série que encontrará as respostas. O Mente Aguçada apresenta Jornada da Vida, uma série composto por 5 episódios, dirigido pela BBC, esta obra prima contém imagens majestosas e uma narrativa atraente para descrever o processo evolutivo até os dias atuais.
Entenderemos a evolução como uma árvore, uma árvore com muitos galhos e ramificações, ligada a um tronco, onde todas as linhagens são ligadas, mas cada galho leva a um novo ser, com novas características, com suas qualidades e seus defeitos. Nós humanos somos apenas um pequeno ramo de um braço da gigante árvore da árvore da vida, somos apenas um de 10 milhões de tipos de vida, cada um representando diferentes espécies, e a maneira como se conectam revela como cada uma e toda forma de vida está relacionada.



Mandíbula de um Megalodon, com mais de 2 metros de largura
Olhar para o passado utilizando exemplos do presente, com seres quase idênticos aos dos tempos primitivos, fazendo uma forte análise sobre aquilo que os cientistas acreditam ter ocorrido para que estas formas de vida fossem forçadas a mudar. Nesta série você ficará surpreso com a recriação dos primórdios e acompanhar a história da vida nunca mais será a mesma coisa. Sua mente se tornará mais aguçada após adquirir este conhecimento, sua compreensão sobre a seleção natural, a sobrevivência do mais forte, ganhará aperfeiçoamento requintado para fazer sua existência ganhar um novo sentido, ter uma nova visão. 
O DNA tem sua história imprimida em si próprio e é através deles que encontramos as respostas para as nossas maiores perguntas. Vamos compreender como a vida evoluiu na água e dali passou para a terra, seguindo até os céus e atualmente, ao espaço. Viajaremos de volta ao principio da vida, 3,8 bilhões de anos atrás e daremos início a uma incrível jornada pela sobrevivência, a jornada da vida.