Blog

Blog

15 de set de 2013

Você ainda não viu tudo!... Fique por dentro!




9/11 - a grande farsa terrorista entre tantas

Passados 12 anos do simulado ataque terrorista de todos os tempos, é necessário mais e mais a cada dia mostrar aos adormecidos que está na hora de despertar dessa hipnose coletiva.
Janeiro de 2009 - bomba de fósforo branco em uma escola da ONU na Faixa de Gaza lançada por Israel. 

Entender os motivos que levaram a essa trama diabólica fabricada pelo próprio Governo USA, poderemos enxergar outras guerras e “falsas bandeiras” alardeadas e propagadas para servirem de venda de armamentos e outros fins que não visam o bem estar da humanidade, muito pelo contrário.

Após oito dias de bombardeio aéreo intenso Israel usou bomba em sua invasão do Líbano em 2006, (teve que admitir o uso dessas armas proibidas antes da esmagadora evidência e os relatórios do direito humanitário e internacional). Além do uso de bombas de fósforo branco, Israel lançou mais de um milhão e meio de bombas de fragmentação (armas que o BRASIL o maior país CRISTÂO fabrica, mesmo contra um acordo internacional) que até hoje continuam a causar danos a civis em áreas bombardeadas.

De acordo com especialistas militares israelenses, essas armas são usadas para cobrir o avanço da invasão a Gaza – a região mais densamente povoada do mundo. As bombas de fragmentação podem ficar enterradas por anos, sem explodir, representando um risco para a população mesmo depois do fim de um conflito.

Partículas incandescentes de fósforo branco jogadas por Israel produzem profundas extensas e dolorosas queimaduras de segundo e terceiro grau. Queimaduras de fósforo transportam uma maior mortalidade do que as outras formas de queimaduras devido à absorção de fósforo no corpo através das áreas atingidas, resultando em órgãos internos danificados como o coração, fígado ou rim.


O Brasil produz, exporta e estoca bombas de fragmentação. Durante as negociações do tratado - o chamado Processo de Oslo – o BRASIL cristão permaneceu apenas como observador no alto da montanha. A assessoria de imprensa do Itamaraty informa que, segundo o governo brasileiro trata-se de "armamento necessário para a defesa nacional". Hoje países que mantém essa arma incluem China, Rússia, Estados Unidos, Índia, Israel, Paquistão e Brasil.

O Brasil já exportou munições cluster para o Irã, o Iraque e a Arábia Saudita. A última exportação de conhecimento público foi para a Malásia, em 2010. Outra polêmica estourou em 2011, quando a imprensa brasileira teve acesso aos registros antigos do Ministério da Defesa – com base na Lei de Acesso à Informação – e revelou que o Brasil havia exportado, em 2001, quase 6 milhões de dólares em bombas de fragmentação para o governo ditatorial do Zimbábue, país onde opositores ao regime são frequentemente mortos.

De acordo com o Monitor Internacional de Minas Terrestres e Munições Cluster, a única empresa brasileira que produz as bombas de fragmentação declarou em 2010 um lucro entre 60 milhões e 70 milhões de dólares por ano com exportações.

A pergunta a ser feita aqui: Por que diabos o GOVERNO americano não invadiu Israel ou pediu explicações sobre esse ataque com armas químicas sobre Gaza e outros?


A resposta? No íntimo você já deve saber...

Luzes misteriosas sao captadas em Vulcao Luzes misteriosas são captadas em Vulcão

Luzes misteriosas são captadas em Vulcão

Luzes misteriosas juntamente com colunas de fumaças são capturadas em um vulcão chamado Popocatepetl, no México, o fato ocorreu logo após uma erupção, segundo estudiosos as luzes não fazem parte da erupção ocorrida e estudos ainda estão sendo feitos nesta área.
Confira o vídeo das misteriosas Luzes em Popocatepetl:

Fonte:obviousmag

Segredos da aura humana revelados Segredos da aura humana revelados ?

Segredos da aura humana revelados?

Segredos da aura humana revelados ? Um cientista russo vem estudando o campo da energia humana e afirma que as pessoas podem mudar o mundo , simplesmente usando sua própria energia. Embora essa idéia não seja nova,  muitos tentaram sem sucesso provar cientificamente essas idéias, embora o campo da física quântica lance alguma luz poderosa sobre o tema ao longo dos anos. O Dr. Konstantin Korotkov, professor de física na Petersburg State Technical University St., afirma que quando pensamos pensamentos positivos e negativos, cada um tem um impacto diferente sobre o nosso meio ambiente.

Estamos desenvolvendo a idéia de que nossa consciência faz parte do mundo material, e que, com a nossa consciência, podemos influenciar diretamente o nosso mundo, disse o Dr. Konstantin Korotkov. Nós não podemos ver a energia muito facilmente com o olho humano e, portanto, o mundo da energia invisível pode ser difícil para a mente para entender sem medições científicas a fim de verificar o que está ocorrendo.

Talvez por isso, o estudo da consciência esteja afetando nossa realidade e tem sido praticamente intocada por tanto tempo. Para ajudar a criar uma ponte entre o mundo físico e o invisível, experiências científicas usando uma técnica chamada bioelectrophotography estão sendo realizadas. Nesses experimentos, uma hipótese deve ser feita que afirma o corpo humano e consciência é energia constantemente emitida. Seguindo esta premissa, Bioelectrophotography visa capturar esses campos de energia visto como uma luz ao redor do corpo. 
No mundo metafísico esta emissão de energia é conhecida como uma aura, enquanto que no campo científico, é muitas vezes referenciada como nosso campo de energia.

O Dr. Korotkov não é o único a estudar os efeitos da mente humana, os pensamentos e energia em nosso meio ambiente. A Engenharia de Anomalias Research Laboratory Princeton (PEAR) também vem tentando envolver suas cabeças em torno do assunto e chegaram à conclusão de que a mente é que, de fato, têm uma capacidade sutil de influenciar a produção de dispositivos conhecidos como geradores de eventos aleatórios (REGs). Um projeto que inicialmente começou quando um aluno estava curioso para estudar os efeitos da mente humana e a intenção sobre o meio ambiente, se transformou em um laboratório de testes rigorosos onde o Dr. Robert Jahn e seu assistente de laboratório passaram muitas horas experimentando para determinar se ou não a mente tem um efeito sobre nosso mundo físico.

Jahn e seu assistente foram capazes de determinar que as interações da mente humana com as máquinas demonstraram uma relação que não era de natureza física. A mente é capaz de afetar e alterar os resultados da máquina de forma que estavam além do explicável. Em essência, a consciência estava tendo um efeito sobre o mundo físico. Para determinar os efeitos da intenção da mente  no mundo físico, eles construíram várias máquinas chamadas de um gerador de números aleatórios. A máquina iria, essencialmente, imitar um coin flip e registrar os resultados ao longo do tempo. A máquina realizaria 200 flips por segundo e produziu uma média  de 100, como seria de esperar. Deixado sem vigilância, a máquina continuaria a produzir resultados que sugeriam um 50/50 chance de produzir cara ou contos. 
 Enquanto os efeitos da mente sobre o que as máquinas não eram grandes, era o suficiente para que a física contemporânea fosse incapaz de explicar o que exatamente está acontecendo. Talvez este é o lugar onde o mundo quântico podesse esclarecer? As implicações desta pesquisa poderiam ter sobre a humanidade é muito fascinante dado que poderia chegar aos reinos da criação de um mundo de paz, uma vida saudável e alegria. Se as intenções e os pensamentos podem afetar alguma coisa do jeito que foi demonstrado acima, por que não exploram os limites de até onde isso pode ir? É minha convicção que criamos nossa realidade com os nossos pensamentos e intenções, eu sinto que a ciência está começando a confirmar isso e com o tempo vamos perceber o verdadeiro poder de nossas mentes e intenções. O vídeo abaixo é uma breve sinopse da Engenharia de Princeton Anomalias laboratório de investigação da Universidade de Princeton, cuja pesquisa sobre a interação mente-matéria constitui a base de Tecnologia Psyleron.

Estariam os segredos da aura humana revelados?



Vida alienígena: Fato ou uma grande farsa?

Vida alienígena, De fato haveria vida inteligente em outros planetas? Está é uma pergunta que intriga a humanidade há muitos anos e neste post colocaremos diante de você leitor fatos que apoiaram a sua existência e outros que em contraposição o desmistificaram, pedimos que coloquem suas opiniões e até mesmo suas experiências nos comentários.

Vida alienígena: os dois lados da história.

Começaremos pela a história de Abigail Tyler que veio a tona e ficou mundialmente famosa com o filme “Contatos 4° grau”, pois bem vamos a eles:


 Vida alienígena: Fato ou uma grande farsa ?
O filme conta a história da Dra. Abigail Tyler e sua vida na cidade de Nome, no Alasca. Como psicóloga, ela começa a receber pacientes que viram uma coruja branca na janela do quarto e sonham toda vez com uma movimentação e imagens distorcidas. O marido de Abigail também era psicólogo e morreu anos antes em um acidente – não comprovado – de carro. Ambos trabalhavam juntos e faziam uma pesquisa sobre abduções, e vida aliengena pela região. Quando as coincidências aparecem, a doutora começa a ligar fatos que comprovam os seres ‘fora da Terra’ e investiga os fenômenos com sessões de hipnose nos pacientes.
Porém o que mais impressiona, além da morte misteriosa de seu marido é a suposta abdução de sua filha, confira os vídeos abaixo:

Porém esse suporto caso não foi o único nem o primeiro a virar filme, há também o misterioso caso de Travis Walton que diz respeito aos acontecimentos que envolveram o madeireiro estadunidense na noite de 5 de novembro de 1975, quando teria sido abduzido por um OVNI na Floresta Nacional de Apache-Sitgreaves, no Arizona, sob as vistas dos seus companheiros, reaparecendo somente após cinco dias de buscas intensas.
O caso de Walton recebeu considerável publicidade da mídia, sendo um dos exemplos mais conhecidos de alegada abdução alienígena, e um dos poucos com testemunhas oculares. ´Seria essa a prova que existe vida fora da terra ?Nunca antes um relato de abdução começou da maneira relatada por Walton e seus colegas de trabalho; além disso, o caso é singular no aspecto de que o protagonista desapareceu por dias a fio, com policiais à sua procura



Inúmeros vídeos de supostos aparecimento de Ovins continuam a aparecer na internet, porém de outro lado há evidências de farsas montagens e até mesmo conspirações, basta acessar a nossa vasta lista de teorias da conspiração, que apontam a Área 51, o caso Roswel...

 Vida alienígena: Fato ou uma grande farsa ?

Há ainda um fato muito intrigante uma notícia em que o “Irã” teria construído seu primeiro disco voador. Confira a notícia:
 Vida alienígena: Fato ou uma grande farsa ?

Chamado de “Zohal” ou “Saturno” em Inglês, disseram que a nave não tripulada foi projetada para “imagens aéreas”, mas acrescentou que pode ser usado para missões diferentes.

A notícia foi revelada pela imprensa oficial do país, no mesmo dia que lançaram um foguete em órbita com uma cápsula de teste capaz de carregar um macaco até o espaço. A agência de notícias Fars, ilustrou a sua história com uma foto de um disco voador, parecido com aquele que aparece em um filme B de Hollywood do ano de 1950, pairando sobre uma paisagem arborizada não identificada.
Para o presidente Mahmoud Ahmadinejad, os avanços demonstram a capacidade do país para seguir em frente com seu programa científico, apesar das sanções internacionais sobre seu programa nuclear.

Os relatórios não deram nenhuma indicação do tamanho da nave, mas informou que é pequena, um pouco estranha e que também, pode voar dentro de casa. É fácil de transportar, lançar e faz pouco ruído voando. Estas são algumas das vantagens do aparelho. O dispositivo pertencente à nova geração de aparellhos voadores verticais e foi projetado para fotografia aérea.
fonte : portalcwb.com

Inevitavelmente nos vem a pergunta de onde os cientistas iraniãnos teriam retirado tal tecnologia para a construção de um disco voador?

Ou até mesmo, se o Irã foi capaz de fazer um disco voador o que seria capaz de fazer um país que detivesse mais recursos com os E.U.A?
E você o que pensa sobre isso?Você é o juiz 

Cometa Ison, uma nave alienígena?

Cometa Ison uma nave alienigena Cometa Ison, uma nave alienígena ?
Cometa Ison, Descoberto Em setembro de 2012 por dois astrônomos russos  que acabou o batizado de C/2012 S1 ISON (apenas ISON, para os íntimos). Após sua órbita ser calculada, ficou bem claro que o ISON passaria muito perto do Sol, na verdade, a uma distância de 1,3 raios solares do seu centro. A esta distância o cometa passará pela atmosfera solar, uma região rarefeita mas muito quente do Sol chamada coroa solar.

Além disso, o cometa mostrou uma curva de brilho bem peculiar. A uma distância muito grande, além da órbita de Júpiter, ele já estava muito brilhante. Se essa curva de brilho se mantivesse, a expectativa era de que o ISON se tornasse tão brilhante quanto a Lua Cheia quando passasse perto da Terra no final do ano. Com uma expectativa dessas, o ISON logo ganhou o apelido de “cometa do século”.

A partir deste ponto muitas duvidas e teorias sobre o Cometa Ison foram levantadas.

Confira o vídeo abaixo sobre o cometa isso e saiba o porque ele causou e ainda causa tantas dúvidas:


Fontes:hla.stsci.edug1
Isaac Asimov teria previsto o futuro Isaac Asimov teria previsto o futuro ?

Isaac Asimov teria previsto o futuro?

Isaac Asimov teria previsto o futuro ? Em artigo escrito em 1964, o autor de “Eu, robô” imaginava carros autônomos, teleconferências e um avanço nos transplantes utilizando aparelhos mecânicos e eletrônicos.
Há quem ainda se volte para a ficção científica buscando predições para futuros próximos e distantes. Embora em grande medida esse gênero se pareça mais com um retrato perfeitamente disfarçado da época em que foi escrito — veiculando críticas ocultadas por raios laser e geringonças interplanetárias —, fato é que alguns escritores conseguem mesmo prever ou chegar bem perto dos desdobramentos reais da tecnologia.
Um belo exemplo disso pode ser o artigo escrito em 1964 pelo cientista e escritor de ficção científica Isaac Asimov para o jornal The New York Times. Na ocasião, Asimov abandonou temporariamente suas tramas ancoradas nas três famosas leis da robótica e seus textos acadêmicos para se debruçar na seguinte questão: “Como será o ano 2014?”.
Bem, se para nós, hoje, ainda é razoavelmente difícil predizer com um mínimo de exatidão os caminhos percorridos pela sociedade à luz da tecnologia em constante expansão, o que se pode esperar de um texto com mais de 50 anos?
Certamente há ali algum deslumbramento típico de uma sociedade ainda às voltas com as possibilidades quase míticas da miniaturização e, é claro, não poderiam faltar os carros flutuantes. Entretanto, ao imaginar uma “Feira Mundial” para 2014, Asimov também provou que nem toda futurologia precisa se parecer com um episódio dos Jetsons. Confira abaixo:

Isaac Asimov teria previsto Paredes luminosas

“Em 2014, painéis eletroluminescentes serão de uso comum. Tetos e paredes trarão um brilho suave com cores variadas que se alternarão ao apertar ou tocar um botão.”
“Na mosca”, alguém poderia dizer. De fato, há hoje as modernas tecnologias de iluminação por LED, sucessoras em larga medida mais interessantes do que as lâmpadas incandescentes e fluorescentes.



Quanto à variação de cores, basta lembrar do bulbo anunciado há não muito tempo pela Philips. O chamado Hue é capaz de projetar cores sobre a parede atrás do televisor, em variações que se alternam conforme o conteúdo exibido na TV — o que talvez represente um passo além em relação à previsão de Asimov.

Os primeiros robôs para trabalhos domésticos?

“Os aparatos eletrônicos continuarão a abster o gênero humano dos trabalhos tediosos. (…) Os robôs ainda não serão comuns e nem bons em 2014, mas eles já existirão. Computadores miniaturizados lhes servirão como ‘cérebro’. De fato, o estande da IBM na Feira Mundial de 2014 deve trazer, como uma de suas principais atrações, uma empregada doméstica robótica — grande, desajeitada, atrapalhada e lenta, mas capaz de executar tarefas gerais, pegando, arrumando, limpando e manipulando diversos aparelhos.”
Mesmo com a imprevisibilidade de uma indústria movimentada por visionários do naipe de um Steve Jobs, é pouco provável que nós encontremos as tais faxineiras robóticas nas prateleiras no anos que vem.



Mas sim, em alguma medida pelo menos isso já existe. Basta se lembrar do hoje popular Roomba, da iRobots. Ok, ele não traz formas antropomórficas, parecendo-se muito pouco com um ideal estilo “Rosie”. Porém, o robozinho em disco ainda é perfeitamente capaz de manter o chão da sua casa limpo — e sem a parte do “atrapalhado”, já que o mapeamento do pequeno autômato é razoavelmente preciso.

Filmes em 3D

“O stand da General Electric na Feira Mundial de 2014 mostrará filmes em 3D sobre os ‘Robôs do Futuro’, de forma elegante e simples, enquanto seus aparelhos de limpeza embutidos realizam todas as tarefas rapidamente. (Ainda haverá uma espera de três ou quatro horas para ver o filme, já que algumas coisas nunca mudam).”
É bem verdade que o cinema 3D já rolava quando Asimov destilou suas previsões. É claro que ele foi um pouco além, predizendo ainda uma espécie de “cubo televisivo”, o qual provavelmente deveria flutuar na sua sala de estar em algum momento do ano que vem.
Entretanto, considerando o interesse renovado da indústria pela terceira dimensão cartesiana… Talvez a previsão ainda possa ser levada em conta, embora dificilmente para mostrar novos robôs. Na parte das filas, um pequeno equívoco do Sr. Asimov: faz-se filas monstruosas hoje sobretudo para conseguir “celulares um pouco melhores” antes dos demais, como disse outro sábio (Homer Simpson).

Baterias nucleares? Painéis solares?

“Os aparelhos de 2014 não terão cabos elétricos, é claro, já que serão alimentados por baterias de longa duração funcionando à base de radioisótopos. (…) Uma ou duas usinas de fusão também devem existir em 2014. Enormes estações com painéis solares operarão em vários desertos e áreas semidesérticas. (…) Em 2014 serão mostrados modelos de usinas localizados no espaço, coletando os raios do Sol e remetendo a energia para a Terra.”
Baterias nucleares: eis aí uma boa ideia que despertaria, hoje, quatro ou cinco grupos de ativistas simultaneamente, considerando os impactos ambientais. Infelizmente, a grande maioria dos aparelhos ainda depende de longos cabos para funcionar. De qualquer forma, a busca por energias ditas “sustentáveis” não poderia estar mais em voga. Resta saber se haverá mesmo um enorme satélite em órbita para alimentar a próxima geração de video games.

Carros autômatos e flutuantes

“Há uma grande possibilidade de que as rodovias — pelo menos nas partes mais avançadas do mundo — comecem a cair em desuso em 2014; haverá uma ênfase cada vez maior em formas de transporte que admitam um mínimo de contato com a superfície. Haverá aeronaves, é claro, mas mesmo os transportes terrestres devem flutuar — um ou dois pés acima do chão. As pontes também não serão mais importantes, já que os carros poderão sobrevoar a água (…)”
Sendo uma previsão dos anos 60, provavelmente é perdoável que mesmo Isaac Asimov tenha se deixado levar pela imagem de carros flutuantes. De fato, ainda estamos quase todos atados ao chão, e as rodovias parecem ter uma aposentadoria ainda bastante distante — e o mesmo poderia ser dito sobre as pontes. Mas há outro ponto digno de interesse:
“Muito esforço será remetido ao projeto de veículos com ‘cérebros robóticos’ — veículos que possam ser configurados para destinos específicos e que procederão a eles sem a interferência dos reflexos lentos de um motorista humano.”
Isso certamente leva as coisas a um ponto menos Jetsons do espectro de especulações. De fato, carros autômatos têm se tornado cada vez mais comuns — eles estacionam, mantêm a sua velocidade, evitam o acostamento etc. Não parece improvável que alguns modelos luxuosos em um futuro próximo o deixem livre o suficiente para ler uma revista de novidades tecnológicas — talvez um vídeo tridimensional mostrando os robôs do futuro.

O Skype? Mais ou menos

“As comunicações se basearão em imagens e som — você poderá ver e ouvir a pessoa para a qual ligar. A tela poderá ser utilizada não apenas para ver a pessoa da chamada, mas também para estudar documentos e fotografias e para ler passagens de livros.”
Asimov afirmava que tal cenário seria possível por meio de uma profusão de satélites, flutuando no espaço e garantindo a ligação imediata entre quaisquer pontos da Terra. Bem, talvez o cenário não tenha se desenvolvido da forma como imaginava o escritor, mas de fato há hoje propostas bastante afins — Skype, FaceTime, GoogleHangouts e, em última análise, a própria internet.

Leveduras e algas processadas

“A agricultura convencional enfrentará grandes dificuldades e algumas ‘fazendas’ devem se transformar em organismos mais eficientes. Haverá produtos processados de leveduras e algas com uma grande variedade de sabores. A feira de 2014 trará um Algae Bar, no qual ‘peru falso’ e ‘pseudobife’ serão servidos. Não será ruim, no fim das contas (caso você queira pagar os altos preços), mas haverá considerável resistência psicológica a essa inovação.”
Não, não é preciso andar muitas quadras hoje para encontrar um restaurante, de fato, muito semelhante à proposta de Asimov. A resistência psicológica, é claro, está presente, embora sutilmente transfigurada — basta acessar as redes sociais para atestar.

O futuro ainda não distribuído

“Nem toda a população mundial aproveitará o mundo cheio de gadgets do futuro de forma plena. Uma grande porção dela será privada desses avanços, mesmo que esteja materialmente melhor do que hoje, se comparada com porções mais avançadas do mundo. Eles estarão em desvantagem relativa.”
Sim, Asimov não poderia estar mais certo. De fato, não é de hoje que se ressalta o abismo entre as tecnologias nascentes e as parcelas menos afortunadas da sociedade. Para ser um tanto menos dramático, basta considerar o tempo que leva para que determinada tecnologia seja embalada e vendida como um produto — basta pensar em algo como o Kinect, o periférico de captura de movimentos do Xbox 360.

Medicina

“A taxa de mortalidade no futuro deve diminuir conforme o aumento da utilização de aparatos mecânicos para substituir corações e rins, além do reparo de artérias endurecidas, o que elevará a expectativa de vida em algumas partes do mundo a 85 anos.”
A tendência está absolutamente correta, é claro. De fato, em países como o Japão e a Suíça a expectativa de vida já é de 83 anos. Entretanto, em detrimento da indústria de ciborgues, a medicina do futuro parece mais direcionada à produção de órgãos genuínos em impressoras apropriadas, algo que já é feito há algum tempo.


 O Enigmático Disco do Príncipe Sabu

Há milhares de pessoas que todos os anos visitam o “Museu do Cairo” atrás das famosas múmias e de seus belos artefatos ornados a ouro. No entanto, bem ali no primeiro andar do prédio, perto da Sala das Múmias, jaz um pequeno objeto.

Que não chama muito a atenção dos leigos, mas que vem quebrando a cabeça dos especialistas há quase um século.

Trata-se do “Disco do Príncipe Sabu”, típico Oopart exposto solitariamente numa pequena vitrine do museu egípcio.
O estranho disco foi descoberto em 1936 por Brian Walter Emery, um dos maiores egiptólogos de sua época. Escavando na zona arqueológica de Saqqara, no Egito, ele descobriu a tumba do Príncipe Sabu, filho do faraó Adjuib, governante da Primeira Dinastia Egípcia (por volta de 3.000 AEC).

Entre cerâmicas, ossos fragmentados, jarros e outros objetos que, segundo a cultura egípcia, o príncipe levava consigo para o além , estava o disco, fato que chamou enormemente a atenção do egiptólogo.


O design moderno e a técnica apurada do disco, que parece uma espécie de hélice ou volante modernos, não parecia com nada do que ele já havia descoberto até então.

Com 61 centímetros de diâmetro e 10 centímetros de altura na parte central, é feito de um tipo de xisto, rocha muito frágil e quebradiça, o que torna incrível suas três dobraduras.

No centro há um orifício que sugere ter sido feita para ser girada num eixo, apesar dos pesquisadores ainda não saberem exatamente qual a real função do objeto.
O que torna o disco ainda mais intrigante é que os egiptólogos estão de acordo que a introdução da roda no Egito só se deu no Império Médio pela invasão dos Hicsos, por volta de 1640 AEC. Isso nos dá alguma segurança em afirmar que o dispositivo não era usado como uma roda.

Mas se não era, então pra que servia este objeto de design tecnológico avançado que apareceu numa tumba egípcia 1400 anos antes da roda ser introduzida na região? É mais um daqueles casos que põem em xeque tudo o que temos sabido a respeito do conhecimento dos povos da Antiguidade.

Este vídeo mostra "o enigmático disco do príncipe da dinastia chamada Sabu". O misterioso objeto continua sendo um mistério a ser resolvido, sem que saibam ao certo, para que era usado naquele tempo.

Assista:


Fontes da matéria: Ramanavimana

Fonte do vídeo: Narciso151,





Grande OVNI triangular é filmado em Melbourne, Austrália

triangulo ovni melbourne
Em 02 de setembro passado, aproximadamente 20 minutos após ter filmado a Estação Espacial Internacional – ISS, o usuário do YouTube Lou20764 acabou filmando um objeto triangular, aparentemente enorme, sobrevoando as proximidades de Melbourne, na Austrália. Na ocasião ele estava utilizando duas câmeras, uma Samsung SDC-435, e a outra uma P8079HP 3 Stage Generation 1 Night Vision.Lou diz que tem feito filmagens noturnas por 5 anos, mas nunca havia visto nada parecido antes.

Veja o vídeo, o qual começa mostrando a Estação Espacial cortando o céu, e após, as gravações do misterioso objeto, feitas pelas duas câmeras.

Fonte da informação: Esquadrão OVNI
Fonte do vídeo: Lou Chrichton







luz peruibe


Segundo moradores de Peruíbe, local quente em casos ufológicos, cães morreram após uma luz intensa aparecer no céu da cidade. Um morador conseguiu fotografar o objeto no céu noturno. A repórter Lorena Coutinho foi até a cidade do litoral de São Paulo conferir essa história de perto. Há  várias testemunhas neste caso e o mistério assusta os moradores.
PS: Peço que tentem relevar o sensacionalismo barato, que a gente sabe, é por pura audiência a qualquer preço.

Fonte: R7