Blog

Blog

14 de mai de 2013

"Canta" Brasil!



 Versões de hits estrangeiros mais tocadas no Brasil


Nós brasileiros, adoramos música estrangeira. Astros italianos, latinos, ingleses  e até franceses, tem sucesso garantido por aqui. Mas, somos viciados principalmente em música norte-americana. O que é sucesso lá, é sucesso aqui. Pena que a estrada seja de mão única.
Outra mania nossa é fazer versões de sucessos internacionais. Há quem odeie versões, porque elas geralmente não primam pela fidelidade às músicas originais.
Precisamos ser menos exigentes. Transportar qualquer mensagem de um idioma para outro, é dificílimo, tendo que conciliar palavras e ritmos musicais, então, é quase impossível.
Gostando ou não, há versões brasileiras de sucessos internacionais, que já se incorporaram na nossa história musical. Que tal relembrar algumas delas?




Diana – Carlos Gonzaga



Paul Anka gravou Diana em 1957 e o sucesso foi instantâneo. Compositor talentoso, Paul Anka escreveu canções que foram interpretadas por Frank Sinatra, Elvis Presley, Tom Jones. No Brasil, o melhor intérprete de Paul Anka é Carlos Gonzaga. Em 1958, ele gravou a versão de Fred Jorge para Diana.




Estúpido Cupido – Celly Campello




Estúpido Cupido também é versão de Fred Jorge, desta vez para Stupid Cupid, de Neil Sedaka. A música, gravada por Celly Campelo, fez enorme sucesso em 1959. Em 1976, voltou às paradas, porque foi tema da novela Estúpido Cupido, da Rede Globo. Celly Campelo faleceu em 2003.




Não Chores Mais – Gilberto Gil



Gilberto Gil é apaixonado pela obra de Bob Marley. Em 2003 gravou o álbum Kaya n’Gan Daya , só com canções do mestre jamaicano. Antes disso, porém, já havia feito uma versão para No Woman, No Cry.



Então é Natal – Simone



Todo ano, na época do Natal, a versão de Cláudio Rabello para Happy Xmas invade a mídia. Dizem por aí, que John Lennon se contorce no túmulo quando toca a versão brasileira, mas o sucesso dela é fato consumado.







O Amor e o Poder – Rosana

Outra versão de Cláudio Rabello, desta vez para a canção The Power of Love, mundialmente famosa na voz da canadense Celine Dion, mas lançada primeiro por Jenniffer Rush, em 1984. Gravada em 1988 pela cantora Rosana, a música virou  febre nacional.
Vejam só como é sutil a arte da tradução. O título mais óbvio e correto da música seria O Poder do Amor. A simples troca de posição de duas palavras, distorce completamente o sentido do título original.





Hey Jude – Kiko Zambianchi


Versões em português dos Beatles são comuns no Brasil. Efeito da enorme influência que a banda inglesa teve sobre nossos principais músicos.
Nenhuma destas versões alcançou tanto êxito como Hey Jude, de Rossini Pinto.
Interpretada por Kiko Zambianchi, a música fez parte da novela Top Model, de 1989.
O sucesso foi avassalador e o Brasil inteiro cantou Beatles, o que convenhamos, é sempre algo agradável de se ouvir.







 As melhores músicas com assobios


Os homens invejaram os pássaros e criaram belas composições usando assobios. Dos clássicos temas de faroeste à música erudita, do reggae ao bom e velho rock, vários artistas usaram assobios para enriquecer suas canções. Nessa postagem, reuni as melhores músicas com assobios. Espero que gostem e se souberem de alguma que ficou de fora, é só registrar nos comentários.

assobio

Scorpions – Wind of Change


A balada Wind of Change foi escrita por Klaus Meine, ele teve como inspiração, os “ventos de mudança” que sopravam sobre a Europa no final dos anos 80. É uma das mais belas canções com assobio já compostas.



Guns N’ Roses – Patience


No auge do talento de Axel  Axl Rose, todos os pecados lhe eram perdoados e ele retribuía com performances inesquecíveis como essa, em Patience. Tudo na balada está impecável: os violões , a voz de Axel Axl e o assobio que marca profundo a canção.


Oswaldo Montenegro – Taxímetro


Cada música de Oswaldo Montenegro é uma obra de arte. É inexplicável que um artista dessa grandeza, não seja lembrado pela mídia.
Em Taxímetro, o assobio espetacular fica a cargo de Milton Guedes.




Bobby McFerrin – Don’t Worry be Happy


Bobby McFerrin é de formação erudita, mas já gravou clássicos do jazz. Em 1988, ano em que ganhou um Grammy, ele fez muito sucesso com Don’t Worry be Happy. O interessante nesta canção, além do assobio, é que todos os sons dos instrumentos são feitos com a voz.

Ennio Morricone – A Fistful of Dollars

É claro que numa matéria sobre músicas com assobios não poderia faltar um tema de faroeste. Escolhi A Fistful of Dolars, do genial Ennio Morricone.


David Fonseca – Superstars


Na pesquisa dessa matéria conheci o trabalho do português David Fonseca. Vale a pena visitar o site do artista. Pena ele não compor na língua pátria.


John Lennon – Jealous Guy


O assobio na música é bem modesto, mas como ignorar uma canção de John Lennon?


Andrew Bird – “Oh No”


Andrew Bird, cantor, compositor e instrumentista americano, sempre inclui assobios nas músicas. Outro nome que conheci na pesquisa para essa postagem.



Malcom Arnold – The Bridge on the River kwai


The Bridge on the River Kwai, ganhou  sete Óscares em 1958, entre eles o de melhor trilha sonora, criada pelo maestro Malcom Arnold.



Peter Gabriel – Game Without Frontiers


O fundador da banda Gênesis, fez enorme sucesso e causou muita polêmica em 1980 com a canção Game Without Frontiers. O assobio na música é discreto.





Roy Orbison – Here Comes the Rain


Muito conhecido no Brasil com Pretty Woman, tema de uma linda mulher, Roy Orbison ficou famoso por suas baladas que falam de amores perdidos.


Peter, Bjorn e John – Young Folks


A banda sueca usou e abusou dos assobios no primeiro sucesso da carreira.


 A Rosa de Hiroshima

A Rosa de Hiroshima é um poema de Vínicius de Moraes. Foi musicado por Gerson Conrad e lançada em 1973 no disco de estréia do grupo Secos e Molhados. Em 2009, a revista Rolling Stones classificou a canção como a 69ª entre as 100 maiores músicas brasileiras.





A Rosa de Hiroshima

(Letra)

Pensem nas crianças 
Mudas telepáticas 
Pensem nas meninas 
Cegas inexatas 
Pensem nas mulheres 
Rotas alteradas 
Pensem nas feridas 
Como rosas cálidas 
Mas oh não se esqueçam 
Da rosa da rosa 
Da rosa de Hiroshima 
A rosa hereditária 
A rosa radioativa 
Estúpida e inválida 
A rosa com cirrose 
A anti-rosa atômica 
Sem cor sem perfume 
Sem rosa sem nada

hiroshima explosao

 A lendária apresentação do Queen no Rock In Rio

O Rock in Rio é o assunto do momento. É bem verdade que rock mesmo, bem pouco, mas não sejamos críticos severos. Tudo quando acontece pela primeira vez é diferente, entra para a história, dificilmente é igualado.
Foi assim com Woodstock, é assim com o Rock in Rio. Mil edições do festival poderão acontecer, mas nenhuma superará a primeira de 1985.
No Rock In Rio de 1985, a grande atração foi a banda Queen, liderada pelo magistral Freddie Mercury.


queen-no-rock-in-rio



A banda inglesa se apresentou nos dias nos dias 12 e 19 de janeiro, arrebatando o público. A apresentação do Queen no Rock In Rio é considerada por todos os membros do grupo como uma das cinco mais emocionantes da banda.
Freddie Mercury elegeu a performance de Love OF My Life, como a melhor da história da banda.
Assista a alguns vídeos do Queen, no Rock In Rio de 1985.

I Want To Break Free





Radio Ga – Ga




We Are The Champions



Bohemian Rhapsody



Love OF My Life



 Beatles Made in Brazil


A música rompe as barreiras do tempo e do idioma. Prova maior disso é a influência e o sucesso que ainda tem os Beatles. Desfeita faz décadas, a banda continua a arrebatar fãs, inspirar jovens músicos e a vender milhares de discos. 
Aqui no Brasil, centenas de artistas interpretaram canções dos Beatles e são inúmeras as versões em português para músicas do quarteto inglês. 
Há quem deteste versões, mas desde os anos 60, cantores e bandas brasileiras cantam Beatles na língua inculta e bela de Camões. Segue abaixo uma lista das mais famosas. Sintá-se à vontade para opinar. 


Hey Jude – Kiko Zambianchi



A versão para Hey Jude, feita por Rossini Pinto e gravada originalmente pelos Golden Boys em 1969, fez um estrondoso sucesso na voz de Kiko Zambianchi, no final dos anos 80. Grande parte desse êxito é devido ao fato da canção ter sido parte da trilha sonora de Top Model, novela global.

 

Menina Linda – Renato e seus Blue Caps


Versão de Renato Barros para "I should have know better". Leitura que fez parte do LP “ Viva a Juventude” de 1965. A banda também faria sucesso com a versão para “ All my Loving” : “Feche os olhos” .

Demais – Verônica Sabino


Enorme sucesso no Brasil em 1986, “Demais” é uma versão feita por Zé Rodrix e Miguel Paiva para “ Yes, It Is”. Fez parte da trilha sonora da novela “Selva de Pedra”.

Lá vem o Sol – Lulu Santos


Versão  escrita por Lulu Santos para a magnífica composição de George Harrison: “ Here Comes The Sun ”. Dizem que a versão não pode ser explorada comercialmente por não ter sido autorizada pelo beatle.

Eu Te Amo – Roberto Carlos


Na obra de Roberto Carlos é nítida a influência dos Beatles, mas foi só nos anos 90 que  escreveu em parceria com Erasmo Carlos uma versão para “ I Love Her “. A versão do Rei, também fez muito sucesso com a dupla Zezé di Camargo e Luciano.

Minha Vida – Rita Lee




Minha Vida, versão para “ In my Life” é uma das várias feitas pela cantora para músicas dos Beatles. Ela chegou a gravar um disco só com essas versões, entre elas: Menino Bonito ( Beatiful Boys), Pra Você eu Digo Sim ( If I Feel ), Tudo por Amor ( Can’t Buy me Love ) e Aqui, Ali, Em Qualquer Lugar ( Here, There and. Everwhere ).
Com certeza, há muitas outras versões em português para canções dos Beatles. As citadas acimas são uma pequena amostra da poderosa influência deles no Brasil. Se você conhece alguma que foi esquecida, diga nos comentários.

 Amy Winehouse e a maldição dos 27 anos

A cantora inglesa Amy Winehouse, encontrada morta neste sábado (23), na Inglaterra, seguiu o mesmo roteiro trágico de outros ídolos mundiais da música pop, como Janis Joplin, Kurt Cobain, Jim Morrison e Jimi Hendrix. Todos esses artistas encerraram a carreira e a vida, a maioria por envolvimento com drogas, aos 27 anos.



Nirvana



Fonte: G1

 Raul Seixas e a arte do Rock

Em qualquer estilo musical, a perenidade de uma canção depende do talento do artista para criar letras que falem de temas universais, de compor músicas que não sejam descartáveis, de canções que atravessem as gerações com a mesma intensidade.        
Infelizmente, tais artistas estão escassos e o que impera atualmente são as melodias melosas, triviais, feitas para durar algumas semanas e desaparecer para sempre. 
Nós brasileiros, temos que ter orgulho, porque um dia tivemos em nosso meio, o poeta do rock, um artista magistral chamado Raul Seixas. 
Várias canções de Raul são obras primas, que jamais sairão da memória coletiva dos brasileiros. 



Trem das Sete

Tente Outra Vez

Eu Nasci Há 10 Mil Anos Atrás


O Dia em que a Terra Parou


Medo da Chuva

Cowboy Fora da Lei