Blog

Blog

26 de ago de 2013

Direto da redação - O seu fim de noite!



Duas raças que estão envolvidas numa guerra sangrenta e terrível no espaço. Quando esse conflito é desencadeado num lugar distante de suas moradas. Então,  o humano e o drac, por acasião do destino terão que repensar os motivos odiosos que tiveram antes.



O filme "enemy mine" de 1985, com os atores (Dennis Quaid) e (Louis Gosset, Jr.), é uma excelente aventura que conta a história de dois seres: um humano representado pelo Davidge com seu amigo-inimigo, o réptil Jeriba: o representante da temível raça drac 'seres lagartos totalmente diferentes dos humanos em aspectos físico",  quando se deparam com suas vidas num mundo 'inóspito' totalmente estranho para os dois. Não havendo mais chances para novos conflitos, começam a aprender unidos para sobreviverem juntos e escaparem daquele inferno.

Esta batalha se passa num ambiente desfavorável num lugar bem distante para eles "já que estão vivendo longe do seus respectivos lares", onde travam esta maldita arte chamada guerra, arte da qual os humanos são mestres. Eles se odeiam, porque a todo momento estão aumejando se auto-destruírem em nome desta velha arte terrestre...

Mas, a necessidade de sobrevivência é bem maior, percebendo que terão de contar com o auxílio um do outro. Sabendo que não escaparão, só restando a "ajuda e o apoio", esquecendo os velhos conflitos para poderem escapar daquele planeta alienígena. Resolvendo velhos problemas da guerra travada entre os Dracs e os humanos...

Por culpa dos velhos costumes, pelo controle daquilo que nem sabem o quê. Que assim mereça esta briga de titãs do espaço...

(Mas após terem que enfrentar as forças da natureza e um ao outro, os dois pilotos perdidos gradualmente percebem que a única maneira de manterem-se vivos é superando o ódio mortal - parte da descrição do vídeo.)

"Enemies, because they were taught to be.
Allies because they had to be.
Brothers because they dared to be"

"Inimigos, porque foram ensinados a ser.
Aliados porque tinha que ser.
Irmãos porque ousaram ser"

Assista:



Fonte do vídeo: Tufihammed


 Jordan Maxwell: A Tomada de Poder no Planeta Terra




 William Lane Craig - Stephen Hawking Eliminou Deus?

Esta apresentação em vídeo do teólogo e filósofo analítico estadunidense William Lane Craig, conhecido por seu trabalho na Filosofia da Religião. Atua como professor e pesquisador de filosofia na Escola de Teologia Talbot em La Mirada, Califórnia.


Ele também é um historiador do Novo Testamento, autor e conferencista sobre temas relacionados com a filosofia da religião, o Jesus histórico, a ressurreição de Jesus Cristo, a coerência da visão de mundo cristã e a teologia natural.
E nesta palestra vemos Craig, falando a respeito do último livro de Stephen Hawking e Leonard Mlodinow, "O Grande Projeto", e critica as pressuposições filosóficas contidas nele.
Hawkins é o homem quase que homenagiado no vídeo abaixo, sendo o escrito do livro em questão no debate, onde as especulações são abordas nas palavras de Craig: ele (Stephen Hawking), é um físico teórico e cosmólogo britânico e um dos principais gênios, que se tornou um consagrado cientista da atualidade.
Como físico Hawking, não se tornou um físico e uma pessoa de mente aberta com uma visão diferente sobre o universo do nada, tendo conteúdo de grande importância que não foi a toa, como muitos estão acostumado a ter (e) encontrar pessoas assim, sem terem argumentos e um visão diferente das coisas. Mas tudo muda: quando há pessoas que conseguem ter discernimento para contesta-las ou aceita-las e mostra-las: a verdade que muitos teimam em aceitar - mas temos de concordar que nem todos podem estar certo para alguma coisa; esta é a nossa missão aqui contestar para aprender mais e mais neste mundo.
Assista, e veja se você concorda com o que é dito no vídeo:


Fonte do vídeo: Tuporém Jonathan Silveira




















 OPUS DEI FAZ MANOBRA POLÍTICA CONTRA DILMA ROUSSEFF



O bispo de Guarulhos (SP), dom Luiz Gonzaga Bergonzini, disse em  entrevista ao G1 que orientará os padres da cidade a pregar nas missas o voto contra a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff. O motivo, segundo ele, é a defesa da legalização do aborto nos congressos de 2007 e 2010 do partido.
"Vou mandar uma circular para os padres da diocese pedindo que eles façam o pedido na missa, para que os nossos fiéis não votem na candidata do PT e em nenhum outro candidato que defenda o aborto. Desde o Antigo Testamento, temos que é proibido matar. Uma pessoa que defende o aborto não pode ser eleita. Eu tenho obrigação de orientar meus fiéis pelo que está certo e o que está errado", disse o bispo, de 74 anos, ao G1.

MANIPULAÇÃO POLÍTICA E RELIGIOSA PARA FAVORECER JOSÉ SERRA DO PSDB








“É um filme contra o obscurantismo, a dor e os fundamentalismos neste país”. Foi assim que o cineasta espanhol Javier Fesser recebeu, em fevereiro de 2009, seis estatuetas do Goya (prêmio máximo do cinema espanhol) pelo filme “Camino” (“Um caminho de luz”, em português): melhor filme, melhor realizador (Javier Fesser), melhor atriz (Carmen Elías), melhor atriz revelação (Nerea Camacho), melhor ator coadjuvante (Jordi Dauder) e melhor roteiro.

O obscurantismo e o fundamentalismo ficam por conta da Opus Dei, organização ultra-conservadora da Igreja Católica que desafia as fronteiras entre o fanatismo, a psicopatia e a sem-vergonhice. “Camino” é uma homenagem pessoal de Fesser a uma menina de 13 anos chamada Alexia González-Barros e mostra a maneira como a Opus Dei manipula a sua doença e a transforma num sacrifício que se deve oferecer a Deus. Na tela, é retratada pelo nome de Camino, em referência ao livro homônimo de Josemaría Escrivá de Balaguer, fundador da ordem.
O fanatismo católico está presente dentro da casa da menina, encarnado no corpo da mãe, uma carola fundamentalista que vai se confessar para pedir perdão por desejar um milagre que salvasse a vida da própria filha. Em retribuição a esse infinito amor maternal, a filha, Camino, vê a mãe como uma espécie de demônio em seus sonhos.

“Camino” (disponível nas locadoras) é um filme extraordinário que trata de um tema extremamente duro, mesclando uma corrosiva crítica ao fanatismo religioso e um olhar doce e cheio de imaginação da menina que sofre a terrível coincidência de encontrar seu primeiro amor, um menino chamado Jesus, e descobrir que tem um agressivo câncer. Submetida a diversas e dolorosas cirurgias, ela fala em Jesus o tempo todo, o menino, não o Messias, como entendem sua mãe e os psicopatas da Opus Dei. Daí para virar candidata à santa é um pulinho, com direito a uma pornográfica conversa entre um padre e a mãe. O obrador de Deus tenta convencer a dita cuja que é melhor Camino morrer logo para iniciar o processo de canonização.

O filme, disse ainda o diretor, acabou se tornando, durante sua realização, uma procura da verdade com “dezenas de testemunhas de gente maravilhosa presa injustamente numa instituição chamada Opus Dei”. “Camino” causou forte polêmica na Espanha, berço da prelazia apoiada por parte da elite empresarial e famílias tradicionais e com forte influência na cúpula da Igreja Católica, tanto na Espanha como em Roma. Por aqui também a Opus Dei anda colocando suas manguinhas de fora. Recentemente, um jovem padre da Catedral Metropolitana de Porto Alegre, ligado à organização, foi capa do caderno Donna, da Zero Hora, apresentado como um “padre pop”. Alguns gabinetes da Faculdade de Direito da UFRGS também respiram esse odor fundamentalista católico. Para quem se interessa pelo tema, “Camino” é um filme obrigatório. Mostra alguns detalhes da vida interna dessa organização e de seus códigos de conduta, para não falar de diversas patologias travestidas de fervor religioso. Deus nos livre dessa gente!

O vínculo com os fascistas

Além do rigoroso fundamentalismo religioso, o Opus Dei sempre se alinhou aos setores mais direitistas e fascistas. Durante a Guerra Civil Espanhola, deflagrada em 1936, Escrivá deu ostensivo apoio ao general golpista Francisco Franco contra o governo republicano legitimamente eleito. Temendo represálias, ele se asilou na embaixada de Honduras, depois se internou num manicômio, "fingindo-se de louco", antes de fugir para a França. Só retornou à Espanha após a vitória dos golpistas. Desde então, firmou sólidos laços com o ditador sanguinário Francisco Franco. "O Opus Dei praticamente se fundiu ao Estado espanhol, ao qual forneceu inúmeros ministros e dirigentes de órgãos governamentais", afirma Henrique Magalhães.

Há também fortes indícios de que Jose María Escrivá nutria simpatias por Adolf Hitler e pelo nazismo. De forma simulada, advogava as idéias racistas e defendia a violência. Na máxima 367 do livro Caminho, ele afirma que seus fiéis "são belos e inteligentes" e devem olhar aos demais como "inferiores e animais". Na máxima 643, ensina que a meta "é ocupar cargos e ser um movimento de domínio mundial". Na máxima 311, ele escancara: "A guerra tem uma finalidade sobrenatural... Mas temos, ao final, de amá-la, como o religioso deve amar suas disciplinas". Em 1992, um ex-membro do Opus Dei revelou o que este havia lhe dito: "Hitler foi maltratado pela opinião pública. Jamais teria matado 6 milhões de judeus. No máximo, foram 4 milhões". Outra numerária, Diane DiNicola, garantiu: "Escrivá, com toda certeza, era fascista".


O poder no Vaticano

Josemaría Escrivá faleceu em 1975. Mas o Opus Dei se manteve e adquiriu maior projeção com a guinada direitista do Vaticano a partir da nomeação do papa polonês João Paulo II. Para o teólogo espanhol Juan Acosta, "a relação entre Karol Wojtyla e o Opus Dei atingiu o seu êxito nos anos 80-90, com a irresistível acessão da Obra à cúpula do Vaticano, a partir de onde interveio ativamente no processo de reestruturação da Igreja Católica sob o protagonismo do papa e a orientação do cardeal alemão Ratzinger". Em 1982, a seita foi declarada "prelazia pessoal" - a única existente até hoje -, o que no Direito Canônico significa que ela só presta contas ao papa, que só obedece ao prelado (cargo vitalício hoje ocupado por dom Javier Echevarría) e que seus adeptos não se submetem aos bispos e dioceses, gozando de total autonomia.

Pouco antes de morrer, Josemaría Escrivá realizou uma "peregrinação" pela América Latina. Ele sempre considerou o continente fundamental para sua seita e para os negócios espanhóis. Na região, o Opus Dei apoiou abertamente várias ditaduras. No Chile, participou do regime terrorista de Augusto Pinochet. O principal ideólogo do ditador, Jaime Guzmá, era membro ativo da seita, assim como centenas de quadros civis e militares. 

Na Argentina, numerários foram nomeados ministros da ditadura. No Peru, a seita deu sustentação ao corrupto e autoritário Alberto Fujimori. No México, ajudou a eleger como presidente seu antigo aliado, Miguel de La Madri, que extinguiu a secular separação entre o Estado e a Igreja Católica.



Em depoimento à Justiça Militar, em 1970, quando tinha 22 anos, Dilma afirmou ter sido ameaçada de novas torturas por dois militares chefiados por Lopes. Ao perguntar-lhes se estavam autorizados pelo Poder Judiciário, recebeu a seguinte resposta: “Você vai ver o que é o juiz lá na Operação Bandeirante” (um dos centros de tortura da ditadura militar).

Maurício Lopes Lima foi apontado pelo Ministério Público Federal (MPF), em ação civil pública ajuizada em novembro de 2010, como um dos responsáveis pela morte ou desaparecimento de seis pessoas e pela tortura de outras 20 nos anos de 1969 e 1970. Segundo o MPF, o militar foi “chefe de equipe de busca e orientador de interrogatórios” da Operação Bandeirante (Oban) e do DOI/Codi.