Blog

Blog

4 de ago de 2013

O que você ainda não viu!



Armin Meiwes, o canibal alemão

        
http://i56.tinypic.com/ruurlw.jpg

Trago a vocês uma história que, quando li, me impressionou bastante. Saca só:
O pai do alemão Armin Meiwes saiu de casa quando ele tinha 6 anos, levando os irmãos da criança. Meiwes ficou só com a mãe, que lhe explorava. Na escola, era humilhado. Em casa, Meiwes dissecava bonecas e queimava, já fantasiando com canibalismo.
Já adulto, a mãe continua a ser presença perturbadora em sua vida. Após a morte dela, Armin Meiwes coloca suas fantasias em prática. Com o nick de “antropófago”, ele procura alguém, na internet, que aceite ser assassinado e comido. Manteve contato com cerca de 400 homens interessados em canibalismo. Após 2 anos, em 2001 um homem responde: “Espero que me ache saboroso”. Nesta época, segundo seus vizinhos, Meiwes era um homem tranquilo, que brincava com as crianças.


Armin Meiwes, O Açougueiro Mestre
Bernd Jürgen Brandes, a vítima
Bernd Jürgen Armando Brandes era o nome do homem que se candidatou ao sacrifício, que ocorreria na casa de Armin Meiwes. Meiwes primeiramente cortou o pênis de Bernd e comeram o órgão juntos, frito com pimenta e alho. Brandes havia insistido para que Meiwes arrancasse seu pênis com dentadas, mas ele não conseguiu. Não gostaram do pênis, acharam a carne dura.

Depois da “entrada”, Meiwes deu remédios a Bernd para que dormisse. Então deu-lhe um beijo… e algumas facadas no pescoço. Então dependurou o corpo em um gancho de açougue, drenou o sangue do morto e o dissecou.
Conseguiu congelar 20 quilos de carne, o que lhe permitiu fazer refeições regadas a vinho por alguns meses.
Diria depois que a carne humana tem gosto “semelhante ao da carne de porco, um pouco mais amarga e mais forte. Tem um gosto muito bom”. E que, no dia do crime, Bernd queria ser esquartejado logo, o que lhe contrariou, pois queria conhecê-lo melhor.


Armin Meiwes, fotos do crime
Armin Meiwes, fotos da vítima
Armin Meiwes, canibal alemão
“O ato de comer os restos mortais deu sentido à morte, já que o corpo não foi jogado fora.”, disse o alemão em seu julgamento. “Eu salguei o filé de Bernd com sal, pimenta, alho e noz-moscada. Comi ele com croquetes, couve de Bruxelas e molho de pimentão verde.”
Procurando nova vítima, Meiwes volta à internet, mas alguém o denuncia à polícia. Na sua casa, os agentes acham restos da vítima e um vídeo do assassinato. As imagens eram tão fortes que os policiais precisaram de acompanhamento psicológico.
Armin Meiwes ficou conhecido como “O Açougueiro Mestre” ou como “O Canibal de Rotemburgo”. Tinha quase 40 anos na data do crime, e, a vítima, 42.
No seu julgamento, o canibal disse: “Se eu tivesse ido a um psiquiatra há alguns anos, provavelmente não teria feito o que fiz.”. Meiwes foi acusado de homicídio por razões sexuais, já que canibalismo não era um item presente no Código Penal alemão (no brasileiro, existe o crime de “vilipêndio a cadáver”, artigo 212, ato sujeito a detenção de 1 a 3 anos).

Meiwes, que era técnico em informática (a vítima era engenheiro de computação), foi condenado à prisão perpétua (primeiramente havia sido condenado a 8 anos de prisão, mas a promotoria recorreu) – mas pode tentar a condicional após 15 anos de cadeia. O caso gerou uma grande polêmica jurídica na Alemanha, com muitas pessoas defendendo Meiwes das acusações mais graves – afinal, Bernd foi morto porque quis.


Armin Meiwes, canibal alemão
No segundo julgamento, Armin Meiwes disse ao juiz que sua fome de carne humana já estava saciada e que estava arrependido de seus atos. Não convenceu o júri.
O canibal falou ainda que sempre sonhou em ter um irmão mais novo, “alguém para fazer parte de mim” – e que o canibalismo era um modo de satisfazer este desejo. Bernd, por sinal, lhe mentira ser mais novo que ele.

Em uma entrevista à televisão, Meiwes afirmou: “Quem não consegue entrar nesta história acha monstruoso o que fiz. Mas eu sou um ser humano normal.” Mas, contraditoriamente, afirmou: “Eu quero ir para a terapia, sei que preciso, e espero que isto aconteça em algum momento.”.
“A primeira mordida foi com certeza única, indefinível, já que eu tinha sonhado com isto durante trinta anos, com esta conexão íntima que se faria perfeita através desta carne.”

Quando era criança, Armin Meiwes gostava que a mãe lesse para ele a história de Joãozinho e Maria. “A parte em que João está para ser comido era interessante. Você não imagina quantos ‘Joãos’ estão circulando aí pela internet…”


Armin Meiwes piada
(“Nós alemães adoramos um handburguer.” ["hand" = "mão"])
Armin Meiwes humor
(“Não ‘gostei’ de você. Mas vou te ajudar assim mesmo. – Um herói kantiano” [referência ao filósofo alemão Immanuel Kant, para quem devemos fazer ao outro o que gostaríamos que fizessem por nós])

Meiwes é um Serial Killer?

Tecnicamente, Meiwes não pode ser considerado um serial killer, por algumas razões: a mais óbvia é que matou apenas uma pessoa. A mais controversa é que matar alguém com consentimento “não seria bem um homicídio”. Mas, para nós, Meiwes é um caso de estudo, sim. É um homicida em série “abortado” pela prisão – se não tivesse sido pego, poderia ter achado outra vítima voluntária. Ou mesmo começado a matar indiscriminadamente, se não achasse alguém disposto ao sacrifício.
Além do mais, alguém que se oferece para ser assassinado em tais condições claramente possui distorções mentais intensas (não é um doente terminal implorando por eutanásia, nada disto) . Ou seja, é alguém que foi, de certa forma, manipulado em sua fraqueza. A nosso ver, Bernd é uma vítima, sim.

Rammstein – “Mein Tell”

A música “Mein Tell” (“Meu pedaço” ou, dizem, “Meu pênis”), da banda alemã Rammstein, que faz referência ao caso Armin Meiwes (caso você não entenda o que é cantado, veja a tradução aqui).





Essa matéria é do site O Serial Killer (http://oserialkiller.com.br), conta com informações do G1, Portal Terra e Wikipedia. Quem me indicou a matéria foi a leitora Juliane Sokoloski Kreniski.

 A Série Sagan

Bom pessoal, como muitos já fazem resolvi  usar o youtube, mas ao invés de colocar possíveis avistamentos de ovets ou entrevistas de relatos e artigos intrigantes que chamam sempre atenção da ciência e do público (isso cabe ao Neme já que somos e seremos sempre leitores do OH em busca do desconhecido, do intrigante, do contato) vou apresentar para quem não conhece uma série muito bacana e pra quem já conhece a oportunidade de ver e relembrar nosso tamanho perante ao Universo.

A série Sagan, é uma série com pequenos episódios contendo mensagens de Carl Sagan, falando um pouco sobre nosso lar e o que está ao redor e além.

Espero que gostem!









 Água em gravidade zero

Experimento de física com água no ambiente sem gravidade a bordo da Estação Espacial Internacional.


 Fonte: www.physicscentral.com

 Teoria dos Buracos Brancos


Sempre ouvimos falar de buracos negros,mas se existissem os Buracos Brancos ???
Bom, existe uma linha de cientistas pesquisando a fundo essa teoria,pois segundo ela nosso universo
pode estar dentro de um Buraco Negro e ter surgido de um Buraco Branco...
Abaixo segue um vídeo a respeito dessa teoria do cientista Nikodem Poplawski...












Os lugares mais perigosos do universo