Blog

Blog

6 de ago de 2013

Você ainda não viu tudo!... Veja!



 O Caso Voronezh

O caso Voronezh
Este fato aconteceu em 27 de setembro de 1989, em plena perestroika, na cidade soviética de Voronezh, próxima de Moscou. Onde houve o encontro de um OVNI e seus respectivos ocupantes, diante de diversas testemunhas que observaram tudo.

Devido a quantidade de pessoas que estavam no local, o que deu veracidade ainda mais ao caso que teve uma enorme repercusão mundial.
Cientistas confirmam que um objeto voador não identificado aterrissou recentemente na Rússia, na cidade de Voronezh. Eles já localizaram o local do pouso e encontraram os rastros de alienígenas que fizeram um pequeno passeio pelo parque“. Ag. Tass.

A Tass ainda explicou que o evento iniciou-se com a visão de uma grande esfera luminosa ou disco que havia sido visto voando sobre o parque, por muitos residentes. Eles viram o UFO aterrissar e três criaturas, similares aos humanos, emergirem acompanhados por um pequeno robô.

Os alienígenas tinham três ou quatro metros de altura e cabeças pequenas. Andavam perto da esfera ou disco e depois nela entraram e desapareceram“.
Cientistas foram mencionados pela reportagem dentre eles: Genrikh Silanov, diretor do Laboratório Geofísico de Voronezh, uma cidade localizada ao sudeste de Moscou. Dizia-se mais: o caminho seguido pelos alienígenas foi determinado “através de biolocação”. “Quem viu os alienígenas ficou traumatizado de medo por diversos dias“. 

O jornal “The New York Times” cometeu um erro, traduzindo o termo Biologação por Biologação, o que colocou a notícia sem sentido algum. Eles ignoravam que a literatura psicotrônica soviética designava Biologação como sinônimo de “radiestesia”.
Os russos estudavam os fenômenos ufológicos com as técnicas e no nível da parapsicologia (ou psicobiofísica - como intitularam).

A mídia americana fez tanta festa com o caso que o “chairman” do “Comitê dos Céticos”, Paul Kurtz, glosou a situação e o caso descambou para o ridículo. Como as descrições dos alienígenas não combinavam com as patenteadas pela ufologia americana, sizudamente ela comentou: - ”Os ocupantes altos descritos em Voronezh não “batem” com os padrões do Centro (Center for Ufo Studies - Chicago), e o caso, logicamente, deve ser rejeitado”.

Vallee comenta: -”Tal posição ilustra o dilema onde a ufologia americana se encontra”!
Na Rússia, então União Soviética, as coisas não iam bem para as testemunhas que estavam sendo bombardeadas com hipnose e outros expedientes, quanto à hipnose, muitos investigadores selecionam os casos que coincidam com as suas expectativas.

- ”Isto é, verdadeiramente, caçoar do método científico e só pode levar a resultados absurdos“. J. Vallee.
Nesta época, não só Voronezh, mas uma grande parte da Europa Oriental conheceu uma onda de avistamentos. A onda soviética iniciou-se em 1989. Em 24 de Abril foi avistado um Ufo com o tamanho de três vezes uma aeronave “nossa”. O objeto sobrevoou Cherepovetsk, afirmou a testemunha J. Veselova, às 22:55 horas. Vologda, na Rússia Central, aos 6 de Junho de 1989, uma escola infantil perto de Konantsevo recebeu uma visita, um ponto luminoso no céu. O ponto cresceu e transformou-se em uma grande e brilhante esfera. As crianças observaram-na movendo-se e dirigindo-se para um rio que corria próximo do local onde se encontravam. A esfera pareceu se partir e algo semelhante a uma pessoa sem cabeça e com um traje negro surgiu e as suas mãos ultrapassaram os seus joelhos. De repente, tudo desapareceu.

Em 11 de Junho uma mulher, O. Lubina viu uma bola encandescente sobre Vologda, às 21:20 horas, visível durante dezessete minutos. Vários outros “casos” se sucederam. No dia 11 de Outubro de 989, a televisão russa apresentou o retrato de uma das criaturas de Voronezh. Possuía dois olhos, um nariz e uma boca larga, dentro de um objeto oval, brilhante e com duas pernas. Quando Vallee viu o mesmo retrato na televisão francesa, ele lhe lembrou o ovo prateado visto em Socorro, Novo México, em 1914. Como o de Socorro, o objeto exibia uma insígnia em um dos seus lados: a insígnia de UMMO. Vallee não teve dúvidas, voou para Moscou.

Martine Castello, repórter científica do Le Figaro (o melhor jornal francês, acompanhava J. Vallee na sua viagem à Rússia. Informações sobre o caso Voronezh não faltaram para os dois. Era a primeira vez que um cientista ocidental e ufólogo visitava a União Soviética, após a Glasnost de Gorbachev. Não existiam dúvidas a respeito do caso Voronezh bem como da onda avassaladora de UFOS sobrevoando a antiga Rússia.)

Aconteceu então, a “Coletiva de Voronezh”. Vallee tomou conhecimento de que não havia nenhum centro ufológico na cidade e de que os avistamentos haviam sido gerais, em todos os locais, inclusive, perto da usina nuclear. Foi informado que Alex Mosolov, engenheiro aeronáutico presente na coletiva, morava perto da casa de uma das crianças testemunha do evento. A mãe desta criança o cientificara de todo o episódio. A onda de UFOs se iniciara no mês de agosto com várias aterrissagens entre setembro e outubro. Trinta e três pessoas viram as aterrissagens, entre crianças e adultos. Mas quanto aos avistamentos, estes foram visionados por centenas de pessoas. A metodologia da pesquisa feita incluía a investigação em separado, das testemunhas, Mosolov esclareceu com prontidão. Quanto ao evento principal, o caso onde se viu a insígnia no aparelho, as crianças o testemunharam. Foi pedido a elas que desenhassem o que haviam visto.

- O que desenharam? Qual foi a exatidão e igualdade entre estes desenhos”? Perguntou Vallee. Mostraram-lhe a pilha de desenhos. Todos haviam desenhado a mesma coisa e as figuras dos humanóides eram consistentes com os depoimentos.

- Algumas das reportagens mencionaram três olhos”. Observou Vallee. “Verdadeiramente, a maioria só especificou dois olhos, com alguma coisa entre eles, na testa, alguns deles entenderam que poderia ser mais um olho.“.
- ”E sobre o símbolo”? Inquiriu o ufólogo francês.
- ”Este símbolo é conhecido pelos pesquisadores da área desde 1984.” Responderam-lhe.
- ”Então UMMO tem a sua história circulando na Rússia há algum tempo.” Exclamou Vallee.

Ouve troca de olhares. Boris, Charinov, um pesquisador, levantou a mão; - ”Mencionei UMMO, há muito tempo, em uma das minhas publicações que circulou entre os pesquisadores de Voronezh. É possível que algumas das testemunhas tenham, simplesmente, visto este símbolo e podem tê-lo desenhado de um lado da nave, num esforço ingênuo de oferecer maior credibilidade à sua observação.”.
Seus companheiros não acreditaram nesta explicação. Havia um videotape do caso os jovens estudantes muito articulados, fazendo os seus desenhos sob a instrução severa dos investigadores: - ”Pareceu-nos que os relatos foram tão independentes quanto permitiam as condições”, observou Vallee.

O símbolo de Umo aparecia, vitorioso, em Voronezh e um dos desenhos ainda o exibia no cinto de dois alienígenas. Ficou patente a “onda de avistamentos” e a mãe de um dos jovens viu uma nave, com as luzes piscando em vermelho, amarelo e verde, sobre o telhado de uma casa, quando se dirigia a uma celebração familiar.
Segundo a imprensa ocidental, os UFOs deixaram evidências que foram encontradas através da Biolocação: a radioatividade era uma delas, 4 microorganismos no solo.
- ”Computamos o peso da nave pelos traços que deixou”, disse Yuri Lozotsev, o “expert” em materiais, do grupo. “Encontramos 11.5 tons. Isto é consistente com outras figuras que você reportou em um dos seus livros, concernente à Força Aérea Francesa e as medidas tiradas por ela em Quarouble“.

Vallee ficou impressionado com o conhecimento a respeito da sua obra em local onde poucos livros da literatura sobre UFOs era permitida. Mesmo nos Estados Unidos, poucos cientistas mencionavam Quarouble, principalmente, citando os parâmetros físicos deste caso.
Após outros detalhes técnicos, os russos explicaram a Biolocação: é a detecção do campo bioenergético e a sua aplicação para a análise do terreno, incluindo a geologia.
- ”E os radares da área”? Perguntou Vallee.
- ”Não detectaram nada”, respondeu Mosolov. “Talvez, estes objetos são invisíveis para o radar sob certas condições”. -”Agradecemos aos presentes pela gentileza, haviam viajado dez horas para nos encontrar“. Vallee relata o encerramento da reunião.

Na noite seguinte, quando jantávamos com um pequeno grupo de pesquisadores, chamaram-me ao telefone,” conta Vallee. O prof. Azhazha havia atendido e disse a Vallee que respondesse à chamada, eles anunciavam que outro avistamento havia sido reportado.Um objeto sobrevoara a usina nuclear e lançara um raio que queimou o asfalto.
Reassumo a hipótese de que alguém pode ter feito voar balões ovais sobre a Rússia com o símbolo de Ummo, proeminentemente pintado de um lado. Se o culto espanhol de Ummo na Espanha é o resultado de uma manipulação psicológica, qualquer um pode jogar o jogo. Mas esta hipótese falha em explicar todos os avistamentos de Voronezh. Voltamos destes encontros com uma apreciação da complexidade de todo o problema“.

Vallee e Martin Castello se encontraram com os membros da Academia de Ciências Soviéticas, com o cosmonauta Valentin Zudov, diretor das equipes de vôo espaciais e debateram juntos várias teorias. Duas dúzias de especialistas ajudaram debatendo com eles cada aspecto da pesquisa ufológica na União Soviética. Ficou patente a onda mais avassaladora de UFOs no país, mais massiva ainda do que a francesa em 1954.

Os gigantes no parque de Voronezh deixaram uma clara mensagem: o mistério ufológico estava mais vívido e intrigante do que nunca“. - J. Vallee.

Assista, um vídeo sobre este incidente OVNI em Voronezh em1989:






Fonte dos vídeo: Jairziñhio Olanda


 Trilhas de estrelas com imagens da ISS


Você já viu aquelas fotos noturnas de ruas movimentadas, tiradas em “baixa velocidade”? As luzes dos faróis dos carros, quando captadas pelo sensor da câmera, formam trilhas luminosas, e uma cena aparentemente trivial resulta em uma bela fotografia.

O jornalista austríaco Christoph Malin fez algo parecido, mas, no lugar de luzes de carros, seu trabalho mostra nuvens, estrelas, satélites e meteoros, combinando imagens cedidas pela equipe da Estação Espacial Internacional da NASA. “Essas combinações criam trilhas estelares, mas vão além e mostram padrões interessantes”, explica. “Por exemplo, corredores luminosos dentro de nuvens, e algumas trilhas de satélites, bem como meteoros – padrões que interrompem as trilhas estelares e se tornam imediatamente visíveis”.



 “While You Were Sleeping”(em português, “enquanto você dormia”)



Muitos timelapses ficam deslumbrantes, e este não é diferente. O céu noturno é o protagonista do vídeo chamado “While the Sun Was Sleeping” (em português, “enquanto o sol dormia”), de Jeffrey Sullivan. 

Instrumentos do Curiosity


Como a maioria sabe o Curiosity foi mandado para Marte com uma grande quantidade de instrumentos
 para os mais diversos fins.
Mas será que realmente sabemos para que serve cada um deles???
Bom dos tantos que estão presentes,achei um vídeo bem ao estilo "Tony Stark" que explica sobre o espectrômetro de massa,instrumento fundamental para a busca de moléculas que possam responder a nossa pergunta:
Houve ou há vida em Marte na forma como conhecemos?
Caso necessitem usem o tradutor de legendas....




 O pouso da Curiosity


Quase todo mundo já deve ter visto fotos ou a montagem do vídeo do pouso do Curiosity em Marte.

Hoje eu vi este vídeo que vou colocar aqui que não foi feito pela NASA.

Um produtor de vídeo independente chamado Bard Canning pegou os 297 frames originais os quais a NASA transformou em um vídeo que mostram os últimos dois minutos e meio do pouso que durou 14 minutos em uma freada brusca de 22.500 km/h até chegar a 0km/h e tocar o chão suavemente e com ajuda de softwares especializados conseguiu dar uma definição a imagem incrível.

Também foi adicionado um som que é dos vídeos projetados pela NASA de como seria o pouso (O rover só grava imagens) pra dar um toque a mais de realidade.

O vídeo se inicia assim que o escudo de calor é liberado.


Aproveitem o show :)